21.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasSolo: sua diversidade

Solo: sua diversidade

Sistema radicular – Foto: Divulgação

Agrivalle, empresa pioneira no segmento de bioinsumos no Brasil, realizou no dia 25 de março a 2ª edição do Agro em Debate sobre a importância da sustentabilidade para a cultura do feijão. Com um formato 100% digital e transmitido ao vivo pelas redes sociais da empresa, o projeto trouxe discussões sobre temas relevantes para o mercado agrícola, propiciando um ambiente para a troca de conhecimentos e informações.

Na ocasião, Thales Facanali, gerente de desenvolvimento, e Eduardo Bernardo, diretor de pesquisa, ambos da Agrivalle, trouxeram para a discussão um tema de muita relevância, o solo, sua diversidade e multifuncionalidades, e como auxiliar em sua regeneração. “Precisamos falar da sustentabilidade do solo e de como mantê-lo “vivo”, através de sua regeneração. Grande parte do nosso solo, o que prevalece é um ambiente de um sistema em desequilíbrio. Temos problemas de fitossanidade, com microrganismos que não são benéficos, com capacidade de persistência no solo. Eles podem passar a ficar no solo, na forma de estrutura de resistência, por mais de 10 anos. Casos, por exemplo, do mofo-branco, na cultura do feijão, tomate e outras”, alerta Eduardo Bernardo

Durante o debate, ambos trouxeram as perspectivas e o papel da Agrivalle para continuar melhorando os cultivos, de forma a suprir altas demandas de produção e promovendo através do sistema solo-planta mais eficiência e sustentabilidade, para longevidade na cultura do feijão e de pulses. E trouxeram o pilar de regeneração do solo como um dos principais, uma vez que existem microrganismos que afetam negativamente o desenvolvimento radicular. “Hoje atuamos em sistema de rotação de gramíneas e leguminosas e, por si só, isso já é um motivo a mais para se olhar a qualidade da terra. Alguns fitopatógenos proliferam e passam de cultura para cultura. Por isso, o agricultor precisa olhar para o solo como seu patrimônio, e traçar estratégias de sustentabilidade do mesmo. Pois isso, é determinante para seu sucesso de produção e rentabilidade. Não adianta nada planejar a cultura e sua rotação, se esse solo não estiver equilibrado, a cultura implantada, irá sofrer em seu estabelecimento e desenvolvimento, afetando negativamente na produtividade”, orienta Thales.  

Como explicado por Thales e Eduardo, o feijão, bem como a soja, braquiária, milho e sorgo, são culturas potencialmente hospedeiras de patógenos de solo e isso pode prejudicar ou inviabilizar o desenvolvimento de sementes e de um sistema radicular saudável. “O Pratylenchus, por exemplo, tem uma multiplicação que a cada 35 a 40 dias uma fêmea coloca 200 ovos. No caso de Meloidogyne, o potencial é de 600 a 800 ovos a cada 35 a 40 dias. O Mofo branco (Sclerotinia sclerotiorum), em um ciclo do feijão, seu patógeno pode se multiplicar em até 6 vezes. Ou seja, ou a gente pensa em uma estratégia para reduzir a persistência desses patógenos no solo, ou podemos inviabilizar a produtividade”, explica Eduardo. 

O sistema radicular por si só, atrai doenças e nematóides, por ser uma fonte de alimento e, isso acontece através de sinais químicos. Por isso, é muito importante manter uma estratégia que permita um controle diversificado para que o desequilíbrio seja manejado corretamente. “Há um grande risco de ter um número alto de microrganismos não benéficos parasitando as raízes das plantas, se não houver controle e estratégia. Claro que existem também os microrganismos benéficos no solo, mas sem planejamento, deixa espaço para que os ruins sejam em maior quantidade, causando problemas severos radiculares. E sabemos que todo problema radicular tem sua ocorrência correlacionada com o desequilíbrio biológico do solo“, orienta Eduardo. 

Para estabelecer uma microbiota benéfica é necessário lançar mão de mais de uma forma de ação e por isso, microrganismos utilizados em conjunto podem ajudar no controle de mais de um problema e garantir um efeito residual prolongado.  “Temos mecanismos que induzem a planta produzir compostos de defesa, hiperparasitismo, antibiose e outros atuando nas diversas fases dos parasitas e, quando associamos várias ações para patógenos e doenças, melhorando a diversidade no solo, podendo estabelecer um amplo espectro de ação. E o mais interessante é que isso é possível para os diferentes tipos de ambiente de produção, e variadas regiões agricultáveis e tipos de solo que temos no Brasil” finaliza Thales.

Pacote tecnológico

Profix® é um nematicida com duas bactérias e um fungo que atuam no tratamento de semente e sulco de plantio e Shocker® contém dois bacilos e um fungo que também agem na direção da regeneração do solo. Ambos, sendo acrescidos à terra produtiva, podem proteger as raízes dos fitopatógenos que estão no entorno, reduzindo o estresse das plantas e convertendo em produtividade. 

Para que haja um ganho extra, são indicados os bioestimulantes de origem orgânica, que melhoram o enraizamento e servem como substrato para a microbiota. Em parceria com o Professor Fernando Andreote da Esalq/USP, conseguimos ver que o aumento das enzimas pode significar que o bioestimulante vai servir tanto para alimentar a planta, quanto para nutrir os microrganismos benéficos no solo, o que poderá promover uma biota local ainda mais saudável. 

Agro em Debate

O Agro em Debate, é uma iniciativa idealizada e realizada pela Agrivalle, que reunirá ao longo dos próximos meses ciclos de palestras e debates técnicos transmitidos online e ao vivo  pelo canal oficial da empresa no Youtube, apresentando as melhores ferramentas, tecnologias e soluções inovadoras para auxiliar os produtores a produzirem cada vez mais e com melhor qualidade. 

Para assistir o debate na íntegra, acompanhar ou saber mais sobre os próximos eventos, basta acessar e preencher seu cadastro em: http://agroemdebate.agr.br/

Sobre a Agrivalle

Agrivalle é uma empresa do segmento de bioinsumos que atua há 17 anos no mercado agrícola desenvolvendo produtos biológicos, fertilizantes, bioestimulantes, adjuvantes e inoculantes para as mais diversas culturas. É uma empresa pioneira nos segmentos em que atua, investindo constantemente em pesquisas para diferenciação de seus produtos no campo, desenvolvendo inovações que impulsionam a produtividade de maneira sustentável para as mais variadas situações e demandas do agronegócio.

Artigo anterior
Próximo artigo
ARTIGOS RELACIONADOS

Produtores de feijão do PR e SC podem adquirir na Embrapa sementes da cultivar BRS Esteio

A Embrapa está ofertando, para os produtores de sementes de feijão dos Estados do Paraná e de Santa Catarina, sementes da cultivar de feijão...

Máximas produtividades marcam solo mineiro

A Família A. Guimarães, em Serra do Salitre, ganhou o prêmio do CESB A Família A. Guimarães produz soja, milho, feijão, trigo, sorgo, algodão e...

Fertilizantes organominerais e sua aplicação na agricultura

AutoresRegina Maria Quintão Lana Professora de Fertilidade e Nutrição de Plantas – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) rmqlana@ufu.br Miguel Henrique Rosa Franco Doutor em...

Aminoácidos são essenciais à produção de feijão

Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!