20.6 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiSubstâncias húmicas em hortaliças

Substâncias húmicas em hortaliças

Autores

Regina Maria Quintão Lana
Professora de Fertilidade e Nutrição de Plantas – Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
rmqlana@ufu.br
Reginaldo de Camargo
Professor de Gestão Ambiental na Agricultura – UFU
Mara Lúcia Martins Magela
Danyela Cristina Marques Pires
Doutorandas em Agronomia – UFU
Crédito: Shutterstock

Os solos do Bioma Cerrado caracterizam-se por serem geralmente pobres em fertilidade, ácidos, com baixos níveis de matéria orgânica e de alta fixação de fósforo (P), magnésio (Mg) e micronutrientes. Essas particularidades exigem práticas de correção e fertilização desses solos para que se garanta a obtenção de altas produtividades das culturas (Gigo, 2017).

Nessas condições, a aplicação de substâncias húmicas pode resultar em grandes benefícios para o sistema solo-planta, uma vez que elas apresentam alta atividade bioquímica, podendo ser utilizadas em complemento com os fertilizantes sintéticos ou orgânicos.

Sua presença no solo influencia positivamente os atributos químicos, físicos e microbiológicos e, consequentemente, agem direta e indiretamente no aumento da eficiência do metabolismo bioquímico (fotossíntese) e absorção de nutrientes pelas plantas (Harfoush et al., 2017; Rosa, 2009).

Matéria orgânica

As substâncias húmicas são os principais componentes da matéria orgânica do solo (85 a 90%), constituindo uma grande reserva orgânica. Originam-se de transformações bioquímicas de compostos como lignina, celulose, hemicelulose, açúcares, aminoácidos e outros (Rosa et al., 2009).

Podem ser definidas como uma série de polímeros amorfos de coloração amarela, marrom a preta, de peso molecular relativamente alto e formadas por reações de sínteses secundárias, bióticas e abióticas.

As substâncias húmicas são classificadas de acordo com sua solubilidade, sendo divididas em três frações: ácido húmico, ácido fúlvico e humina. Os ácidos húmico e fúlvico constituem a parte solúvel e ativa do húmus, enquanto que as huminas compõem a parte insolúvel e não ativada.

Características

Os ácidos húmicos são insolúveis em condições ácidas e solúveis em condições alcalinas. Os ácidos fúlvicos são solúveis em todo intervalo de pH e as huminas insolúveis em todo intervalo de pH. Isso indica que o ácido húmico tem sua maior eficiência em pH acima de 6.0.

O ácido húmico forma a maior fração das substâncias húmicas. São precipitados escuros, solúveis em ácidos minerais e solventes orgânicos, possuem elevado peso molecular e capacidade de troca catiônica, além de alto teor de ácidos carboxílicos e grande quantidade de nitrogênio, enquanto que o ácido fúlvico é solúvel em água, soluções ácidas e alcalinas.

Mesmo apresentando similaridade estrutural ao ácido húmico, possui menor peso molecular, maior quantidade de compostos fenólicos e de grupos carboxílicos e uma menor quantidade de estruturas aromáticas. Com isso, há melhor solubilidade em água e maior capacidade de troca catiônica, comparado ao ácido húmico.

As huminas compõem um resíduo extraível e correspondem à fração menos humificada das substâncias húmicas. São materiais complexos, quimicamente heterogêneos, inativos, insolúveis em soluções ácidas e alcalinas (Primo et al., 2011).

Importância das substâncias húmicas

No solo, os benefícios das substâncias húmicas incluem melhorias na estrutura, uma vez que podem se ligar à fração mineral através de cátions polivalentes e, como consequência, ocorre aumento na agregação das partículas do solo, reduzindo a densidade do solo.

Auxiliam na maior disponibilização de fósforo adsorvido na fração argila e combinam com os óxidos de Fe e de Al, argilas e outros compostos orgânicos. Possuem propriedades redutoras e formam complexos estáveis com Fe, Cu, Ca e Mg e também diminuem a salinização dos nutrientes no solo, como o KCl.

As substâncias húmicas aumentam a superfície específica, a capacidade de troca catiônica (CTC) e o efeito tampão, proporcionando maior estabilidade ao solo. Além disso, aumentam a capacidade de armazenamento da água no solo e atuam como reservatório de macro e micronutrientes (Primo et al., 2011).

Dentre os efeitos das substâncias húmicas sobre o metabolismo das plantas, observa-se a influência positiva sobre o transporte de íons facilitando absorção; aumento da respiração e da velocidade das reações enzimáticas do ciclo de Krebs, resultando em maior produção de ATP e aumento do conteúdo de clorofila e da velocidade e síntese de ácidos nucleicos (Façanha et a., 2002).

As substâncias húmicas provocam alterações metabólicas e influenciam na sinalização hormonal (Caron et al., 2015). Além disso, apresentam a propriedade denominada “bioproveniência”, ou seja, substâncias capazes de formar microsítios que retêm diferentes moléculas, dentre elas as moléculas bioativas, como por exemplo, os resíduos hormonais vegetais (Baldotto; Baldotto, 2014).

Benefícios

Outro importante benefício da aplicação de substâncias húmicas inclui o aumento da disponibilização de nutrientes às culturas. Estudos recentes vêm demonstrando a capacidade dos ácidos húmicos em promover o incremento da absorção de NO3 e assimilação de N nas plantas. Esse processo é possivelmente influenciado pela regulação da síntese de RNAm da principal H+-ATPase, promovido por esses extratos húmicos nas raízes (Jannin, 2012).

Este incremento da absorção de nutrientes pelas plantas após a aplicação de substâncias húmicas tem sido promovido pelo aumento da permeabilidade da membrana plasmática (MP) por meio da ação surfactante das mesmas e pela ativação da H+-ATPase da MP (Varanini, et al., 1993).

Além de influenciar a absorção de nutrientes, as substâncias húmicas atuam na quantidade absorvida, que é dependente da área superficial das raízes, e também aumentam a produção de ATP nas células radiculares. Assim, o estímulo na atividade da H+-ATPase na membrana plasmática pelas substâncias húmicas pode favorecer a emissão de pelos radiculares e também de raízes laterais finas (radicelas).

Raízes

As raízes laterais finas são diretamente relacionadas com a produção de citocinina. Quanto maior a estimulação de raízes laterais, maior a produção deste hormônio, que é responsável pela produção de folhas. As raízes são importantes para a absorção de água e nutrientes do solo e as folhas pela absorção de CO2 e O2 da atmosfera.

Com isso, há aumento nos níveis de clorofila e na síntese de ácidos nucleicos, maior fotossíntese e, consequentemente, maior produção de açúcares (glicose), mais carboidratos, aminoácidos e proteínas, resultando em aumento de produtividade. Como resultado de todo esse processo, observa-se melhor relação da parte aérea/raiz.

Estudos demonstram que o estímulo para a modificação da arquitetura radicular, especificamente o surgimento de raízes laterais, envolve a produção de óxido nítrico após a aplicação de ácidos húmicos.

O óxido nítrico induz a síntese de auxina e o desenvolvimento de raízes laterais, as quais aumentam o volume radicular, a superfície de contato e a massa seca do órgão, melhorando a capacidade de absorção de água e nutrientes, que são essenciais para a produtividade (Caron et al., 2015).

Solo

As substâncias húmicas também contribuem para a diversidade microbiana do solo, podendo favorecer a quantidade de bactérias e fungos benéficos ao crescimento das plantas e desfavorecer fungos patogênicos (Li et al., 2019).

Todos esses benefícios das substâncias húmicas também atuam na minimização de efeitos negativos, que podem ser causados por estresses, tornando a planta menos vulnerável a fatores bióticos, como ataque de pragas e doenças, ou abióticos, como temperatura, umidade e aplicação de agrotóxicos.

Pesquisas

Em trabalho conduzido por García et al. (2012), observou-se que a aplicação de ácido húmico aumentou a proteção contra o estresse oxidativo e as plantas apresentaram maiores taxas de crescimento e teor de água. Além disso, a permeabilidade da membrana foi menos afetada pelo estresse.       

Diversas pesquisas vêm constatando os benefícios da aplicação de substâncias húmicas em diferentes culturas, como na batata, que apresentou respostas positivas com o uso de ácido húmico durante seu manejo, resultando em aumento do crescimento vegetativo das plantas, produtividade e qualidade dos tubérculos (Abu-Zinada; Sekh-Eleid, 2015; Ekin, 2019; Mahmoud; Hafez, 2010; Mosa, 2012; Harfoush et al., 2017; Selim et al., 2009).

Trabalho conduzido por Jannin et al (2012) demostrou que a utilização de ácido húmico poderia duplicar as quantidades de N, P, K, Ca, Mg e S absorvidas por Brassica napus.

Brownell et al. (1987) observou um aumento de 10,5% na produtividade do tomateiro e efeitos do tipo hormonal, como indução do florescimento, quando aplicou-se substâncias húmicas à base de leonardita, enquanto que De Lima et al (2011) constataram aumento no teor de Fe, Cu e Zn nas folhas em função da aplicação de substâncias húmicas.

Em trabalho com ácido húmico originado de húmus de minhoca à base de esterco de suínos, foi demonstrado que a aplicação da dose de 500 mg kg-1 de substrato aumentou em 43,4% a massa seca da parte aérea e em 79,3% a massa seca das raízes do tomateiro (Atiyeh et al., 2002).

Tejada e Gonzalez (2003) comentam que a biomassa de aspargos e os teores de nutrientes podem aumentar com o uso de substâncias húmicas aplicados via foliar. Esses mesmos autores observaram também incremento no teor de clorofila, carotenoides e carboidratos.

Segundo Borcioni et al (2016), a aplicação de ácido fúlvico em mudas de alface americana influenciou no crescimento inicial, especialmente no sistema radicular, além de promover maior circunferência das cabeças de alface.

Todos esses benefícios ressaltam a influência positiva que as substâncias húmicas podem exercer sobre o desenvolvimento das culturas. Em hortaliças esses resultados são ainda mais evidentes, visto que a maioria das espécies cultivadas comercialmente apresenta baixa eficiência no aproveitamento dos nutrientes, acarretando em dificuldade no manejo adequado para altas produtividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mosaic Fertilizantes expande sua presença no Norte e Nordeste

A Mosaic Fertilizantes, uma das maiores produtoras globais de fosfatados e potássio, está aumentando sua atuação no Maranhão e estados vizinhos. A empresa espera impulsionar sua presença...

Himev – Pioneira em trituração

A proposta da Himev para a cafeicultura é a renovação das lavouras por meio da trituração, eliminando as tradicionais queimadas e enriquecendo o solo...

Spraytec – Eficiência + Sanidade = Maior lucratividade

Com sua matriz na cidade de Maringá (PR), a Spraytec se destaca pela inovação tecnológica, qualidade de seus produtos e estrutura de produção. Geramos...

Compactação do solo contribui para perda de produtividade nas lavouras

  Instrumentos de medição utilizados na Agricultura de Precisão ajudam a conhecer a condição física da área   A compactação do solo é um dos principais motivos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!