Sungrape marrom e amarelo Novos tomates são tendência de consumo

0
724

Autores

Igor Botega Junqueira
igorbotega@gmail.com
Anna Carolina Abreu Francisco e Silva
annacabreufs@gmail.com
Graduandos em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)
Danilo Ignacio Arellano González
Mestrando em Ciências Agropecuárias/Produção de Cultivos – U. de Chile
danilo.arellano@ug.uchile.cl
Marla Sílvia Diamante
Doutora em Agronomia/Horticultura – UNESP
marlasdiamante@gmail.com
Letícia Silva Pereira Basílio
Doutoranda em Agronomia/Horticultura – UNESP
leticia.ufla@hotmail.com
Crédito: Shutterstock

O tomate está presente em diversos mercados, e atende os ramos alimentícios e industriais devido às suas inúmeras variedades. Essa diversidade contribui para o desempenho da economia, para o investimento em pesquisas e em tecnologias de manejo, adubação, produção e desenvolvimento de novas cultivares.

O fruto se destaca, ainda, por se situar entre as hortaliças mais apreciadas e consumidas no Brasil e no mundo, sendo uma rica fonte de vitaminas A e C, potássio e compostos com propriedades antioxidantes, como carotenoides, principalmente o licopeno.

Expansão

A produção das diversas variedades de tomate está em crescente expansão, sendo a safra de 2020 estimada de 3.939.620 toneladas de tomate fresco, segundo o IBGE, suficiente para suprir a demanda nacional. Contudo, no setor industrial as importações ocorrem o ano todo e variam conforme a necessidade.

Os elevados estoques das indústrias processadoras, devido à boa produção em 2017 e 2018 e à alta no dólar, reduziram as importações de polpa de tomate em 18% neste ano frente ao ano anterior, tendência que tem sido seguida a cada ano.

Nesse cenário, a aposta é em cultivares consideradas gourmet, como os tomates da linha ‘grape’ e ‘cocktail’. A aceitabilidade de tomates gourmet tem crescido cada vez maior, assim como os investimentos neste nicho de mercado, uma vez que este oferece variedade quanto a cores, formatos e sabores, apresentando produtos diferenciados.

Geralmente a demanda desses tomates ocorre principalmente em grandes cidades e capitais, onde se concentra a maior parte dos mercados especializados.

Destaque

Quando o assunto é tomate gourmet, os tomates ‘grape’ e os ‘cerejas’ aparecem em destaque por sua qualidade, sabor, aparência e formato, que agradam tanto a indústria alimentícia quantos as donas de casa.

Pela facilidade de consumo, essa linha tem alcançado ainda o público infantil e se tornado até parte da merenda escolar. O grau Brix, medida que calcula o teor de açúcar de frutos, gira em torno de 8º Brix em tomates ‘grape’, o que confere a estes frutos um sabor mais adocicado em relação aos tomates de mesa, que apresentam entre 4º e 6º Brix.

Opções de variedades

As variedades mais conhecidas de tomates gourmet são o ‘tomate cereja’ e os ‘sweet grapes’. Os ‘sweet grapes’ possuem uma grande variedade de cultivares, como os tomates da linha ‘Sungrape’ de cores diferenciadas, como o ‘Sungrape Amarelo’ e o ‘Sungrape Marrom’.

O tomate ‘Sungrape’ é caracterizado como uma variedade vigorosa, uniforme, com grande potencial produtivo e resistente ao Fusarium, com cachos geralmente separados em dois, com 15 a 30 frutos por cacho.

Os frutos têm um peso variando de 10 a 25 g e um diâmetro transversal máximo de 30 mm. Além disso, apresentam grande doçura (8 – 10° Brix). Atualmente, algumas sementes desta variedade estão disponíveis no mercado, com uma grande diversidade de cores que variam de vermelho, amarelo, marrom ao laranja.

Cuidado!

Antes de dar início ao plantio do tomate, é preciso que uma análise de solo seja feita, pois este precisa ser bem drenado e apresentar relevo suave. A análise de solo indicará a necessidade de se realizar os processos de correção, com o uso de calcário e/ou adubos, antes do início do plantio.

O plantio é feito em cova ou em sulcos, onde, junto das mudas, serão adicionados os adubos químicos ou orgânicos. O cultivo de tomates especiais é realizado a partir de sementes híbridas, resultantes do melhoramento genético e, por isso, devem ser obtidas de empresas de confiança e com garantia de qualidade.

Qualidade em primeiro plano

A qualidade das sementes utilizadas garante padronização, qualidade, vigor e potencial de germinação elevado. As mudas devem ser preparadas com 20 a 30 dias de antecedência ao plantio e estarão prontas para serem transplantadas para a estufa, vasos ou lavouras quando apresentarem de quatro a seis folhas definitivas.

Se optado por fazer o plantio em lavouras, o espaçamento utilizado para o plantio poderá ser de 30 a 60 cm na linha e 80 cm a 1,0 metro entrelinhas. Essas cultivares de tomates especiais são delicadas e necessitam de temperatura controlada e baixa umidade.

O cultivo pode ser realizado durante todo o ano em regiões de clima ameno. Os tomates ‘Sungrape’ possuem mudas vigorosas e com ótima sanidade foliar, conseguindo assim excelente longevidade até a colheita.

O plantio em vasos utilizando substratos inertes é outra opção de plantio, usado principalmente quando o solo apresenta pragas que atacam as raízes do tomateiro.

Cultivo protegido

Os tomates do segmento ‘grape’ e do tipo ‘cereja’ são cultivados principalmente em sistema protegido, visando o uso racional da água, controle de pragas e doenças, principalmente a segurança alimentar.

É necessário que haja pelo menos 70% de luminosidade durante todo o dia, para que seja possível o crescimento da planta. As estufas funcionam como proteção ambiental e permitem controle total da produção, desde a temperatura, umidade e, principalmente, impedindo ataques de espécies invasoras transmissoras de doenças.

As estufas podem ter sua estrutura metálica ou de madeira cobertas com plásticos, que permitem a incidência solar e facilitam o efeito térmico do ambiente.

A cultura do tomate é sensível a mudanças climáticas, porém, devido ao cultivo predominantemente em ambientes controlados, as condições climáticas não interferem diretamente na produção, possibilitando que se mantenha a produção durante quase todo o ano.

Tratos culturais

Outra questão muito importante sobre o tomate cereja é que a maior parte das cultivares é de crescimento indeterminado. Portanto, é necessário fazer podas de crescimento para que a planta possa produzir frutos de melhor qualidade. Quando a planta registra um crescimento excessivo, uma solução é utilizar fitilho, com uma técnica que “amarra” o caule da planta em uma base de arame.

A irrigação por gotejamento é indicada para a produção de tomates especiais, pois possibilita a alta eficiência do uso de água, baixa utilização de mão de obra, além de permitir a fertirrigação.

O monitoramento ideal da temperatura, de pragas e doenças e a utilização de fertilizantes corretos são pontos fundamentais para que se agregue valor ao produto final. Investir no treinamento de toda a equipe também é muito importante, pois uma equipe bem preparada para realizar todo o manejo do tomate gourmet implicará em um produto com garantia de qualidade definida.

Ainda, a automatização da produção garante a segurança de funcionários e do próprio alimento e pode ser utilizada pelo pequeno, médio e grande produtor, e é hoje uma realidade entre os produtores de tomate, tendendo a crescer cada dia mais.

Pragas e doenças

Como toda cultura, o tomate gourmet exige uma atenção especial do produtor quanto a pragas e doenças, já que as perdas podem acarretar altos prejuízos. As principais pragas são as moscas-brancas, pulgões, tripes, brocas e lagartas.

Para o controle, é necessário um correto manejo e identificação das pragas seguindo indicações agronômicas para verificar a quantidade de insetos e, se necessário, fazer o controle químico, mecânico ou biológico.

Mas, para um eficiente controle é necessário observar os períodos de maior proliferação da praga, e também, se possível, realizar o controle preventivo e curativo, sempre seguindo recomendações técnicas. Os tomates ‘Sungrape’ amarelos possuem resistência à murcha do fusário (Fusarium oxysporum f. sp. Lycopersici).

Erros

Os principais erros cometidos no cultivo de tomate em estufa são evidentes no momento da colheita, pois os frutos do tomateiro apresentam danos físicos ou distúrbios fisiológicos. As causas desses problemas são diversas, no entanto, é importante ter uma consideração especial em certas práticas, como a remoção imediata de restos de poda ou desfolhamento, que aumentam os riscos de gerar problemas de pragas ou doenças.

Da mesma forma, uma amostragem inadequada de análise de solo e/ou água dificulta o controle adequado do equilíbrio nutricional da cultura. O fraco monitoramento e controle de parâmetros ambientais dentro da estufa geram um ambiente propício à multiplicação de fatores bióticos que afetam a produção, assim como o mau planejamento da colheita, que podem levar à falta de mão de obra e à respectiva perda produtiva.

Cada vez mais os melhoristas e pesquisadores estão investindo em cultivares de tomates gourmet que se diferenciem no mercado. O apelo do consumidor é o que fomenta, principalmente por tomates que possuam compostos antioxidantes e auxiliem na prevenção de doenças causadas pela ação de radicais livres.

A procura é por tomates que sejam produtivos, resistentes, adocicados e nutritivos. Quando o assunto é tomate gourmet, o consumidor não mostra obstáculos em pagar mais pela maior qualidade do produto, e isso é um prato cheio de oportunidades para o produtor.

Colheita

A colheita é realizada de forma manual e deve acontecer preferencialmente quando os frutos estiverem livres de umidade, sendo preferível a realização em horas mais frescas do dia e sendo necessário que se mantenha o produto colhido em locais sombreados.

A colheita ocorre aproximadamente dois meses após o transplante, dependendo da variedade. Recomenda-se que o corte das frutas aconteça quando a mudança de cor começar de verde para vermelho pálido, pois a firmeza deste ponto de colheita minimiza os danos mecânicos associados à cadeia de produção.

Para tomates ‘Sungrape’ de coloração diferenciada, a colheita deve ser realizada 100 dias após o semeio, quando os frutos apresentarem aproximadamente 22 g. Essa variedade possui alto potencial produtivo e uma excelente vida de prateleira.

Investimento x retorno

Para se destacar no mercado de tomates gourmet é preciso investimento em tecnologias inovadoras para produções de alta qualidade, desde o campo até a embalagem, que devem ser modernas e atrativas para o consumidor.

O retorno financeiro é imediato, pois a procura por este produto diferenciado é constante. Mas, o produtor deve despender parte do lucro dividindo os gastos em despesa fixa (80% do total das despesas), associada ao uso de mão de obra e depreciação permanente e despesa variável (20% do total das despesas), associada à preparação da terra, irrigação, mão de obra, colheita e insumos.

Para produzir um hectare de tomate de mesa, as despesas giram em torno de R$ 50 mil. Os insumos representam fatia considerável desses gastos, além dos agrotóxicos, da mão de obra e de toda parte da infraestrutura.

Embora o investimento inicial seja alto, investir em variedades gourmet de tomates se tornou um ótimo atrativo de mercado, com estimativa de retorno de R$ 20 mil por ciclo. O rendimento bruto médio cresce os olhos do produtor, podendo chegar a R$100 mil por ciclo, considerando as tecnologias para o cultivo.

Até que os tomates especiais estejam na mesa do consumidor, o valor desembolsado pelo produtor pode ser até cinco vezes maior em comparação ao que se tem para a produção de tomate convencional. 

A vantagem, contudo, é percebida no mercado, já que um tomate convencional a granel custa cerca de R$ 5,00 e os tomates especiais podem chegar a até R$ 25,00 o quilo. Dentre as linhas de tomate gourmet, a vantagem em produzir os ‘sweet grapes’ também é nítida, pois se o preço do ‘tomate cereja gira em torno de R$ 4,00 a bandeja de 250 gramas, o preço dos tomates ‘sweet grape’ varia, em média, a R$ 6,00 a bandeja com 180 gramas.

Na Ceasa-MG, o quilo do ‘tomate cereja’ está avaliado em R$ 5,88, enquanto o tomate ‘sweet grape’ de coloração amarela e marrom está R$ 8,88/kg. O tempo que a unidade produtiva deve operar para recuperar o investimento fixo é de pouco menos de quatro anos.


Grande demanda por tomates gourmet

Taciana Maria GuimaroEngenheira agrônoma, proprietária e consultora da Consultoria Taciana Guimarocontato@tacianaguimaro.com.br

Maria Luiza BatistaEstagiária em Agronomia – Consultoria Taciana Guimaro

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) é o órgão que realiza a avaliação de consumo per capita com dados mais confiáveis por meio da Pesquisa de Orçamento Familiar. Em pesquisa recente, os resultados revelam que a aquisição de tomate de mesa para consumo domiciliar per capita anual é de 4,9 kg. Esta pesquisa também detectou que o consumo de tomate de mesa está atrelado ao poder aquisitivo da população, ou seja, quanto maior a renda familiar, maior é o consumo deste tipo de produto.

No segmento de tomate de mesa temos alguns tipos de tomate que são produzidos para atender este perfil de consumidor: tomate tipo italiano ou saladete, tomate tipo grape, tomate tipo cocktail e tomate tipo holandês.

Esta classificação está relacionada com o formato dos frutos e à forma como são colhidos, ou seja, o tomate tipo saladete ou italiano e o tomate tipo grape são colhidos de forma individual, enquanto o tomate tipo cocktail e o tipo holandês são colhidos em pencas.

O tipo grape possui diversas variedades de cores e sabores, mas sua principal característica é o sabor mais adocicado dos frutos. Neste segmento gourmet, as cores que estão ganhando espaço são o amarelo (sungrape) e as variedades de coloração marrom.

O tipo cocktail vem se destacando por seu sabor e por serem comercializados em penca, garantindo um apelo comercial por ter uma grande apreciação visual.

Estes tipos de tomate garantem uma maior segurança de retorno do investimento ao produtor por não sofrerem oscilação de preços tão significativa ao longo do ano, como os tomates tipo salada que sofrem principalmente por influência do clima, ou seja, este tipo salada em épocas críticas de produção (verão) tem uma menor oferta de produto e também menor qualidade por ser cultivado em campo aberto e, consequentemente, sofrerem ação direta da chuva.

Especialidades

O tomate da linha gourmet ou especialidade é produzido ao longo do ano todo, e por isso é cultivado em ambiente protegido – estufas. O uso destas estruturas garante maior segurança fitossanitária e alimentar, além de sabor adocicado (maior percentual de brix nos frutos).

Por serem variedades que têm um maior custo da semente e serem mais sensíveis quanto à oscilação climática, é recomendado o investimento em estrutura de cultivo, ou seja, as estufas. Uma das características principais destas estruturas é possuir pé direito alto (atualmente os projetos têm sido desenvolvidos com 5,10 m de pé direito).

Tem-se recomendado o uso de telas de sombreamento interno com tecnologia que promovem um melhor arrefecimento da estufa, visto que a temperatura ideal de cultivo para esta espécie são de 28°C.

Segurança alimentar

A segurança alimentar é um dos piores fatores do mercado consumidor, e com isso tem-se adotado técnicas de manejo biológico para prevenção e controle de pragas e doenças nas plantas de tomate gourmet.

Tem-se usado microrganismos benéficos para prevenção de doenças radiculares e foliares, e também óleos essenciais como estratégia de manejo natural no controle de pragas e doenças. O uso de armadilhas é uma alternativa de manejo que também vem sendo bastante adotada.

Os principais erros que eu, como consultora, percebo, é o uso de variedade que não tenha uma adaptação climática para a região de cultivo em questão, o uso da mesma concentração de fertilizantes durante todo o ciclo de cultivo, o não conhecimento de manejo de irrigação do cultivo em substrato, sendo muitas vezes fornecida água em excesso ou em déficit para as plantas, criando condição favorável para o desenvolvimento de pragas e doenças.

Outro erro bastante comum é quanto ao manejo das plantas, ou seja, o processo de desfolha sem critério técnico, de forma muito precoce ou muito constante, e outras vezes retirar muitas folhas das plantas, interferindo diretamente no seu desenvolvimento e, consequentemente, na sua produtividade.

Fazenda ItuaúQualidade leva à rentabilidade

A Fazenda Ituaú, localizada em Salto (SP), tem uma área de produção com 15.000 m2 de estufas agrícolas, onde são produzidas 12 variedades de tomates gourmets. Cyro Cury Abumussi, proprietário da fazenda, conta que as variedades de frutos pequenos (15 a 40 g) produzem, em média, 4,0 g/planta e as variedades de frutos maiores (100 a 200 g), em média, 8,0 kg/planta. “Para estas, temos uma rentabilidade média de 45%”, entrega.

Entre as variedades de tomates gourmets produzidas na Ituaú estão: holandês em rama, pomodoro, grape vermelho e amarelo, tigre, picolitto, coquetel, chocolate, cherry vermelho e amarelo, caqui e momotaro.

O período mais favorável para o plantio é de maio a outubro, mas Cyro Abumussi conta que planta o ano todo. “A tecnologia que usamos é o plantio no sistema semi-hidropônicos em vasos e slabs, sendo que este último tem apresentado excelentes resultados, superando a produtividade do cultivo em vasos”, pontua.

Outra tecnologia muito interessante é o plantio com ‘mudão’, em que as mudas ficam se desenvolvendo por um tempo maior no viveiro de mudas (até 60 dias) e, com isso, acelera o início da colheita.

Aberta a novidades

A fazenda está testando diversos tamanhos de potes para conseguir fazer três ciclos de tomate no período de um ano. “Estamos na contra mão dos outros produtores, que tentam alongar ao máximo o ciclo das plantas. Aqui o objetivo é limitar o crescimento das plantas de frutos médios/grandes em 10 floradas e captar o ponteiro para limitar o ciclo das plantas”, entrega o empresário rural.

Para obter sucesso na atividade, ele enumera um pacote de ações:

1- Olhar para a propriedade como empresa, fazendo uma boa gestão do negócio;

2 – Atualizar os sistemas de produção sempre que possível;

3 – Testar variedades anualmente para conhecer a evolução da genética;

4 – Ler muito sobre o assunto;

5 – Ter um manejo sustentável e seguro;

6 – Buscar o melhor sabor dos frutos;

7 – Criar uma identidade do seu produto;

8 – Conhecer o mercado;

9 – Posicionar bem o produto;

10 – Ter bom relacionamento com os clientes intermediários;

11 – Fidelizar o cliente final;

12 – E, para fechar, treinar e valorizar sua equipe.

Palavra de quem entende

“Na Fazenda Ituaú fazemos todas as nossas mudas porque conhecemos o time do nosso negócio. A adubação é equilibrada e injetada no sistema de irrigação diariamente, o manejo fitossanitário é 90% orgânico, porque existem no mercado excelentes produtos biológicos e predadores naturais que permitem um excelente trabalho, a atenção com a saúde das plantas é diária e a colheita só acontece quando os frutos estão maduros e saborosos”, conclui o experiente produtor Cyro Abumussi.


OrgânicosDo campo para a mesa

Alex Tetsushi Watanabe Nakaya é produtor rural em Capão Bonito (SP), no Sítio Watanabe. Atualmente, ele tem 11.000 m² de produção de tomates gourmet, sendo sua produtividade de 5,0 kg por planta de tomate tigre, 4,5 kg de tomate verônica (tipo heirllom) e 5,5 kg de tomate grape amarelo. Toda a produção possui certificação orgânica.

Ele pretende melhor ainda mais sua produtividade com o manejo nutricional orgânico. “Nossa produção de tomates e outros legumes é toda com certificação orgânica”, afirma o produtor.

Rentabilidade

Em estufas de aproximadamente 1000 m², Alex alcançou rendimentos brutos que variaram de R$ 20.000 a R$ 50.000. “Há quatro anos iniciamos cultivos com tomates especialidades a pedido do nosso cliente (Rio Bonito Orgânicos). Como temos 12 estufas no momento, plantamos em várias épocas para sempre termos o produto disponível. Mas, a época mais favorável para transplantio na minha região seria no segundo semestre, a partir de agosto até outubro, para ter melhores produtividades”, diz.

Todos os cultivos de tomates acontecem em ambiente protegido, com sistema de fertirrigação. Ainda assim, Alex acredita que no manejo orgânico ou convencional, ter um solo rico em matéria orgânica influencia muito no resultado produtivo. E temos investido nesta questão, fazendo os compostos orgânicos em nossa propriedade, adquirindo o esterco bovino, resto de podas de árvores ou folhas secas, e fazendo o processo de decomposição para formar o composto. Também estamos fazendo o bokashi, que é um excelente adubo orgânico”, revela.

No preparo do solo, ele aplica em torno de 300 gramas de bokashi por metro de canteiro. “Outra técnica é auxiliar a polinização da planta com um soprador ou balançando (chacoalhando) a condução na parte da manhã. Isso ajuda no pegamento dos frutos. No início do outono, com as temperaturas mais amenas e frias, fazemos mais a desfolha das plantas para aumentar a ventilação e diminuir as chances de requeima”, ensina.

Contra doenças

Para ficar livre de doenças, o produtor enxerta suas mudas com variedades resistentes a doenças fúngicas e bacterianas do solo. “Pelo fato de focarmos em produzir tomates e outras solanáceas, temos certa dificuldade de fugir da monocultura. Atualmente, cultivamos especialidades como: mini-moranga, abobrinha ball Squash, mini-pepino snack, mini-pimentão e mini-berinjela”, enumera.

Mosca-branca, traça, brocas e percevejos são as preocupações de Alex, e para tal ele utiliza agentes biológicos: Beauveria bassiana, Metarhizium anisopliae e Bacillus thuringiensis, que ajudam no controle dessas pragas. Ácaros também aparecem e podem prejudicar a lavoura, e são controlados com neem.

Colheita e comercialização

Alex seleciona e embala todos os tomates em ‘cumbucas’ que, segundo ele, apesar de aumentarem o custo com embalagens e mão de obra, o valor comercial se torna interessante. “Na minha opinião, o mercado sempre procura oferecer novidades e produtos diferentes aos consumidores. E se conseguirmos chegar a uma boa qualidade e desenvolver para melhorar a produtividade, os tomates gourmet são uma opção muito interessante pelo valor comercial diferenciado”, conclui.