19 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosSurfactantes otimizam as aplicações de defensivos

Surfactantes otimizam as aplicações de defensivos

 

Carlos Gilberto Raetano

Professor adjunto do Departamento de Proteção Vegetal da FCA/UNESP ” Campus de Botucatu (SP)

raetano@fca.unesp.br

Abrir matéria com fotona -  Crédito  Case IHOs adjuvantes são substâncias que, adicionadas durante o processo de formulação do produto fitossanitário (fabricação) ou no preparo da calda (produto formulado + adjuvante, com ou sem veículo diluente), facilita a aplicação, reduz perdas e riscos durante o processo, e/ou melhora o desempenho do agente químico de controle.

Comumente são denominados de surfactantes, no entanto, esses últimos constituem um grupo especial de adjuvantes com a função de reduzir a tensão superficial da calda de pulverização.

O que é

Carlos Gilberto Raetano, professor da UNESPBotucatu - Crédito Arquivo pessoal
Carlos Gilberto Raetano, professor da UNESPBotucatu – Crédito Arquivo pessoal

A palavra surfactante tem origem na expressão surface-acting agent (agente ativo de superfície) e denominada surfactante na língua portuguesa. Quando adicionados à calda, diminuem a força de atração entre as moléculas do líquido, em especial da água, possibilitando, assim, maior contato das gotas de pulverização com a superfície vegetal.

A propriedade dos surfactantes de reduzir a tensão superficial de líquidos promove os efeitos espalhante, molhante ou umectante, espalhante-adesivo, penetrante e dispersante. No geral, são nomenclaturas distintas encontradas no rótulo dos produtos, mas geralmente consequência de uma propriedade semelhante, o que impossibilita, muitas vezes, isolar esses efeitos.

Mitos e verdades

Muitos questionamentos são feitos a respeito da necessidade do uso dos surfactantes nas pulverizações. A resposta é dependente da interação líquido-superfície vegetal. A tendência de redução das taxas de aplicação com tecnologias mais modernas exige melhor desempenho de um produto fitossanitário, em especial aqueles com modo de ação de contato, para o controle eficiente de um agente biológico com pequena mobilidade sobre a superfície vegetal.

Portanto, a adição dos surfactantes à calda pode favorecer o maior espalhamento do produto e o molhamento da superfície. Quando as taxas de aplicação excedem a capacidade máxima de retenção foliar, observado na prática pelo escorrimento, a adição dessas substâncias à calda pode contribuir para a perda do produto fitossanitário por antecipar o escorrimento.

Os surfactantes promovem efeitos espalhante, molhante ou umectante - Crédito SXC
Os surfactantes promovem efeitos espalhante, molhante ou umectante – Crédito SXC

A presença de ceras e tricomas (pilosidade) nas superfícies de muitos vegetais constitui barreira natural às gotas da pulverização, impedindo-as de entrar em contato com o tecido vegetal para desempenhar sua função. Nesse caso, o uso de surfactantes proporcionará redução da tensão superficial da calda, permitindo, assim, maior contato entre líquido e superfície.

Não obrigatoriamente, a adição desses produtos à calda de pulverização se traduz em ganhos de produtividade, pois isso é dependente do potencial genético da planta e pode se expressar diferentemente em função da condição ambiente. Porém, há inúmeros trabalhos demonstrando a redução das perdas na produtividade quando os surfactantes são usados em pulverização.

Cientificamente falando

Os surfactantes possuem em sua estrutura química duas regiões claramente definidas, uma porção lipofílica (não-polar), que corresponde à cadeia de hidrocarbonetos, e outra hidrofílica (polar), composta por uma cadeia de grupos oxietileno (CH2-CH2-O), que tem afinidade com a água.

A capacidade de molhamento e o espalhamento estão intimamente relacionados com a quantidade das porções hidrofílicas e lipofílicas no produto. Eles podem ser divididos em dois grupos: iônicos, não-iônicos e anfotéricos. Os iônicos dissociam-se, podendo ser aniônicos ou catiônicos e reagir com as moléculas do produto fitossanitário.

Já os surfactantes não-iônicos não tendem a alterar o equilíbrio de cargas elétricas nas formulações e nas caldas, pois não apresentam cargas em solução aquosa. Pelo fato de não interagirem com outros compostos químicos e com outros elementos em suspensão, apresentam baixa toxicidade e fitotoxicidade. Já os anfotéricos podem ionizar parte de sua molécula com carga positiva e parte com carga negativa.

Essa matéria completa você encontra na edição de Novembro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Brusone do trigo – Atualmente o maior problema do trigo tropical

A ‘brusone do trigo’ é uma doença fúngica que pode manifestar-se nas folhas, no caule e na espiga do trigo, onde promove os maiores danos econômicos nesta cultura. Atualmente, são reconhecidos os fungos Pyricularia oryzae e Pyricularia graminis-tritici como causadores da doença.

Boro e gesso fazem a diferença na silvicultura

Maria Ligia de Souza Silva Doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora da Universidade Federal de Lavras - UFLA mlsousi@hotmail.com O Brasil se destaca na...

Oídio na cenoura – Não dá para descuidar

Igor Souza Pereira Fitopatologista do Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) - campus Uberlândia igor@iftm.edu.br Marcia Toyota Pereira Fitopatologista autônoma mtoyotap@gmail.com O oídio na cenoura foi observado...

Brandon já atua em mais de 40 países

A Brandon Products Limited está situada no Sudoeste da Irlanda, na Costa Atlântica. Com 20 anos de atuação, a Brandon começou com uma pesquisa...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!