16.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiSurto mundial de vira-cabeça deixa setor em alerta

Surto mundial de vira-cabeça deixa setor em alerta

Entre as culturas mais afetadas estão o tomate e a alface, que já amargaram prejuízos de 100%, devido à morte rápida da planta

Vira-cabeça em abobrinha - Crédito Addolorata Colariccio
Vira-cabeça em abobrinha – Crédito Addolorata Colariccio

Vira-cabeça em tomate - Crédito Everton de Paula
Vira-cabeça em tomate – Crédito Everton de Paula

Vira-cabeça em tomate - Crédito Everton de Paula
Vira-cabeça em tomate – Crédito Everton de Paula

Vírus do vira-cabeça em alface - Crédito Silvio Calazans
Vírus do vira-cabeça em alface – Crédito Silvio Calazans

Vírus do vira-cabeça em alface - Crédito Silvio Calazans
Vírus do vira-cabeça em alface – Crédito Silvio Calazans

Vira-cabeça é o nome dado à doença causada por um complexo de vírus composto, principalmente, por quatro diferentes espécies de vírus denominados Tomato Spotted Wilt Virus (TSWV), Tomato Chlorotic Spot Virus (TCSV), Groundnut Ringspot Virus (GRSV) e Chrysanthemum Stem Necrotic Virus (CSNV), pertencentes ao gênero Tospovirus, família Bunyaviridae.

Todas essas espécies causam sintomas típicos de bronzeamento das folhas mais jovens, podendo ocorrer, também, sintomas de clorose e paralisação do desenvolvimento da planta. “As folhas ficam distorcidas e pode haver lesões necróticas no limbo e no caule das plantas afetadas. Os sintomas podem variar de acordo com a idade, as condições nutricionais, a variedade e as condições ambientais, sendo sempre mais severos quando a infecção ocorre em plantas jovens“, alerta Addolorata Colariccio Trevisan, pesquisadora do Laboratório de Fitovirologia e Fisiopatologia do Instituto Biológico (IB).

A doença pode ocasionar, também, necrose da parte apical da planta, o que resulta em posterior tombamento do ponteiro, sintoma que deu origem à denominação de vira-cabeça, em tomateiro, para essa moléstia.

Os sintomas também se manifestam nos frutos, sendo que no tomateiro e no pimentão os frutos apresentam sintomas de anéis concêntricos, alternados com manchas amareladas e anelares, que podem ser cloróticas ou necróticas. Em folhosas, entre elas a alface, ocorre a paralisação do crescimento da parte interna das plantas.

Transmissão

O vírus é transmitido de modo circulativo persistente não propagativo, por insetos vetores popularmente denominados tripes. Esses insetos pertencem a três gêneros diferentes: Frankliniella, Scirtothrips e Thrips.

Addolorata Colariccio informa que o inseto adquire o vírus durante o período da alimentação, obrigatoriamente na fase de larva, o qual irá circular e replicar no corpo do inseto que, por sua vez, permanecerá infectado por toda a sua vida.

A eficiência da transmissão está relacionada à polifagia e à reprodução. Isso quer dizer que os insetos produzem um grande número de ovos, durando o ciclo de vida dos insetos de 10 a 25 dias, sendo mais curto em temperaturas mais altas. Isso propicia um maior número de gerações e, portanto, a maior disseminação do vírus.

Existe, ainda, a predominância de um dos gêneros, conforme a região em que se localiza a cultura. Em São Paulo, por exemplo, predomina a espécie Frankliniella shultzei.

O surto dos últimos tempos

Para a pesquisadora Addolorata Colariccio, o que provavelmente provocou o surto de vira-cabeça foram as condições climáticas, temperaturas elevadas e baixa umidade. “Outro fator pode estar associado ao material genético que vem sendo usado pelos agricultores, sem resistência genética“, relata.

No Brasil, tem sido diagnosticada a ocorrência do TSWV e do TCSV. Desse modo, as variedades com resistência ao TSWV podem não apresentar resistência ao TCSV, provocando o surto dos últimos tempos.

Essa matéria completa você encontra na edição de Junho da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Faça sua assinatura agora.Capa HF Junho

ARTIGOS RELACIONADOS

Jambu – Hortaliça amazônica atrai por seus benefícios

O jambu (Spilanthes oleracea L.), é uma hortaliça não convencional bastante utilizada na culinária da região norte do País, estando presente em comidas típicas da região, como por exemplo o “tacacá” e o “pato no tucupi”. Suas folhas e flores apresentam uma característica peculiar - quando consumidas causam a sensação de formigamento na boca.

Nematoides – Prevenir para não remediar

Claudia R. Dias Arieira Fitopatologista/nematologista e professora do Departamento de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual de Maringá (UEM) crdiasarieira@hotmail.com   A estimativa é que os nematoides trazem prejuízos...

Bejo – 14 anos de Hortitec

  A Bejo Sementes participa da Hortitec há 14 anos, ou seja, desde que está estabelecida no Brasil. “A importância de estarmos neste evento é...

Bioestimulantes otimizam brotação da laranja

Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo e doutorando em Produção Vegetal - ICIAG-UFU ferbacilieri@zipmail.com.br JoãoRicardo Rodrigues da Silva joaoragr@hotmail.com JefersonOles jefersonoles@gmail.com Engenheiros agrônomos Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma e doutora em Produção...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!