19.6 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiSustentabilidade no cultivo de folhosas

Sustentabilidade no cultivo de folhosas

Marla Silvia Diamante

Engenheira agrônoma e doutoranda em Horticultura/Agronomia (UNESP)

marlasdiamante@gmail.com

Mônica Bartira da Silva

Engenheira agrônoma e doutora em Horticultura/Agronomia (UNESP)

Santino Seabra Jr.

Engenheiro agrônomo e doutor em Horticultura/Agronomia (UNESP) – Departamento de Agronomia/UNEMAT-Nova Mutum/MT

Franciely S. Ponce

Engenheira agrônoma, mestranda em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola (UNEMAT)

Luiz Felipe Guedes Baldini

Engenheiro agrônomo e mestre em Horticultura/Agronomia (UNESP)

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Por vezes, a política de sustentabilidade tem causado certo “espanto ou receio“ devido à necessidade de adoção de algumas mudanças no sistema produtivo. Contudo, determinadas mudanças podem ser introduzidas sem gerar grandes transtornos.

Um dos sistemas de produção que contribui com a sustentabilidade é o plantio direto, que permite melhorar a produção agrícola, mesmo com pouco tempo, devido à eficiência na otimização dos recursos naturais disponíveis, uma vez que as plantas utilizadas no sistema plantio direto possuem o sistema radicular mais agressivo, alcançando os nutrientes que percolaram para camadas mais profundas.

Essa técnica tem origem no conceito de “no till“ que em inglês significa justamente a prática de cultivo inserido diretamente na terra, sem a necessidade de revolver o solo.

Os primeiros estudos foram iniciados por ingleses e norte-americanos a partir da década de 1950, que o consideraram como um avanço tecnológico fundamental. Para entender melhor o conceito adotado no plantio direto, basta comparar a técnica ao mesmo processo que ocorre naturalmente em uma floresta – da mesma forma que o material orgânico que cai das árvores se transforma em adubo natural, a palha decomposta de safras anteriores por macro e microrganismos é transformada em adubo para o solo.

A essência do SPD

A expressão Sistema Plantio Direto (SPD) surgiu por volta dos anos 1980, em consequência da percepção de que a viabilidade da “semeadura direta” em regiões tropical e subtropical precisava ser abordada com uma base conceitual mais ampla do que simplesmente o abandono do preparo intenso de solo.

A partir daí a “semeadura direta” precisava ser entendida e praticada como um “sistema de manejo”, e não como um simples método alternativo de preparo reduzido de solo. Nesse contexto, a expressão “Sistema Plantio Direto” passou a ser, consensualmente, conceituada como um complexo de processos tecnológicos destinado à exploração de sistemas agrícolas produtivos, compreendendo:

  • Mobilização de solo apenas na linha ou cova de semeadura,
  • Manutenção permanente da cobertura do solo e,
  • Diversificação de espécies, via rotação e/ou consorciação de culturas.

No início dos anos 2000 essa base conceitual foi aprimorada, passando a incorporar o método colher-semear, visando reduzir o intervalo entre colheita e semeadura, o que possibilita aumentar o número de safras por ano agrícola, construir e manter o solo fértil.

A partir desses conceitos o sistema de plantio direto apresenta como vantagens: redução no uso de máquinas; melhoria da estrutura do solo; aumento da infiltração e da retenção de água no solo; redução das perdas de água por evaporação e escoamento superficial; melhoria do desenvolvimento do sistema radicular das plantas; melhoria no controle de plantas invasoras; redução da erosão e do impacto da chuva ou da irrigação por aspersão; aumento da eficiência no uso de água pelas plantas, quebra de ciclo de doenças e pragas, além de possibilitar menores danos nas folhas da saia (em plantas de alface), devido ao menor contato das mesmas com o solo.

 Cultivo de alface no sistema de plantio direto  - Crédito Marla Diamante
Cultivo de alface no sistema de plantio direto – Crédito Marla Diamante

Avanços no Brasil

Embora o Brasil tenha feito importantes avanços no plantio direto para as grandes culturas, na horticultura ainda há a necessidade de ajustes, já que existe a predominância de elevado revolvimento do solo, principalmente em culturas como a alface.

Para a adoção do Sistema Plantio Direto de Hortaliças (SPDH) é importante lembrar que as hortaliças, em geral, não proporcionam resíduos de palhada em quantidade adequada à manutenção do sistema, o que torna necessário incluir plantas de cobertura na sucessão de cultivos com as hortaliças.

A escolha das plantas de cobertura é um fator importante neste sistema. Entende-se por plantas de cobertura espécies com elevado potencial de produção de matéria seca e com sistema radicular profundo e vigoroso, que têm a capacidade de reciclar nutrientes e de, após sua decomposição, tornar o solo leve e poroso, promovendo bom enraizamento do cultivo subsequente.

Alguns produtores optam por plantas de cobertura que podem ser utilizadas como cultura comercial, como é o caso do milho, trigo ou sorgo.Contudo, ao se fazer a escolha da espécie de cobertura a ser adotada no SPDH, é importante observar a durabilidade da palhada (relação C/N), alelopatia, disponibilidade de semente e adaptabilidade da espécie.

É relevante, ainda, se atentar ao ciclo da planta de cobertura, sendo a dessecação da palhada feita antes que as plantas emitam sementes, para não se tornar uma espécie competidora com a cultura de interesse, no caso a alface.

O plantio direto proporciona maiorconservação ou retenção de água no solo - Crédito Marla Diamante
O plantio direto proporciona maiorconservação ou retenção de água no solo – Crédito Marla Diamante

Opções para o SPD

De maneira geral, as principais espécies utilizadas no SPDH para a formação de palhada (cobertura morta) são: milheto (Pennisetum glaucum (L.) R. Brown), o sorgo forrageiro (Sorghum bicolor L. Moench) e o capim pé-de-galinha (Eleusine coracana (L.) Gaertn).

Algumas leguminosas, como o amendoim forrageiro, também podem ser utilizadas no sistema de plantio direto sobre cobertura viva. Na região sudeste, geralmente, se utiliza o milheto como cobertura na época do verão, assim como o milho e a crotalária. No período de inverno, o uso de aveia preta e aveia amarela são predominantes.

 Dentre essas culturas citadas, o milheto se destaca por apresentar vantagem competitiva devido ao seu rápido crescimento, quando comparado a plantas daninhas e alta produção de biomassa, sendo observadas reduções médias de até 96% da infestação de algumas plantas daninhas.

Cultivo de alface no sistema de plantio direto  - Crédito Marla Diamante
Cultivo de alface no sistema de plantio direto – Crédito Marla Diamante

Essa matéria completa você encontra na edição de fevereiro 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cultivo de gengibre depende de cuidados no campo

O Espírito Santo é o maior Estado produtor de gengibre do País e a produtividade gira em torno de a 15 toneladas do produto fresco ou in natura e até três toneladas do produto já seco. O seu cultivo tem a finalidade medicinal, condimentar e aromática.

Café: Ponto de colheita ideal vai além da cor

Tecnicamente, a colheita não deveria ser iniciada antes que os cafeeiros atingissem pelo menos 80% dos frutos maduros.

Fertilizante de liberação lenta melhora qualidade do tomate

Bruno Nicchio Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia bruno_nicchio@hotmail.com Ernane Miranda Lemes Engenheiro agrônomo, fitopatologista e doutor em Fitotecnia ernanelemes@yahoo.com.br Há uma crescente necessidade de produção de alimentos e de...

Integração Lavoura

Palestra que integrava programação da Abertura Oficial da Colheita do Arroz ocorre no dia 11 de março

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!