24.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
TagsTouros

Tag: touros

Programa de fertilidade de touros completa 10 anos com mais de 13 milhões de dados analisados

Concept Plus da Alta promove coleta de dados para identificar e certificar touros com altas taxas de concepção

A importância do exame andrológico em touros: tudo o que você precisa saber para garantir a saúde reprodutiva do seu rebanho

O exame andrológico envolve procedimentos, que avaliam as condições clínicas e o potencial reprodutivo do touro.O manejo reprodutivo tem papel fundamental na busca para elevar os índices de fertilidade dos rebanhos. A avaliação andrológica de touros a campo é uma prática indispensável, pois contribui para a seleção de animais com padrões reprodutivos morfofuncionais normais, visando a melhoria da fertilidade dos rebanhos. No Brasil, a maioria das vacas são cobertas com monta natural em regime extensivo, colocando em destaque a avaliação andrológica completa dos touros usados a campo, considerando a participação genética quantitativa dos touros no rebanho. Para minimizar e evitar as perdas na produção é importante identificar a eficiência reprodutiva do rebanho e quais são as dificuldades de reprodução que serão enfrentadas, como: a esterilidade, infertilidade e a subfertilidade de touros. Análise do cenário atual Confira a seguir a análise do mercado atual de touros no Brasil e como esse cenário pode ser uma grande oportunidade para os médicos veterinários especialistas em andrologia bovina. Com um rebanho de 224 milhões de cabeças, estimamos 65 milhões de fêmeas aptas a serem cobertas por touros ou inseminadas. Subtraindo 25% de fêmeas inseminadas restam 45 milhões de vacas e novilhas. Com uma média de 30 fêmeas por touro, chegamos a um número de 1,5 milhão de touros. Com um uso médio de 5 anos temos uma demanda anual de 300.000 touros. O Brasil continua sendo um dos maiores mercados do mundo para touros melhoradores. "O exame andrológico de um touro pode ser comparado com a revisão de um carro, já que ambos são importantes para garantir o máximo desempenho. Dessa forma, é necessário o acompanhamento frequente para que o touro empenha o máximo possível de fêmeas no início da estação de monta", explica Dr. Fernando Vilela, médico veterinário com mais de 30 anos de experiência no segmento de reprodução de bovinos. Estima-se que atualmente o mercado anual de exames andrológicos realiza em torno de 1,5 milhão de procedimentos em touros, os quais abrangem rebanhos de corte e leite, e estão entre o primeiro e o quinto ano de uso nas fazendas. Exame andrológico O exame andrológico é definido como o conjunto de procedimentos, que visam avaliar as condições clínicas e estimar o potencial reprodutivo dos touros. Por ele podemos identificar alterações do desenvolvimento do sistema genital, alterações inflamatórias, qualidade seminal e capacidade reprodutiva do touro. É importante dizer que a técnica avalia o animal naquele momento, tem validade de até 60 dias. A técnica executada corretamente permite provar a capacidade fecundante de um touro e a garantia para venda de um reprodutor em leilão e também avaliar os touros da estação de monta. Parece um detalhe simples, mas o planejamento antecipado para realização do exame andrológico permite a retirada dos touros das vacas com antecedência de 72 horas. Esse descanso, propicia a coleta de um ejaculado com melhor volume e concentração e consequentemente qualidade superior para análise. Assim, planejando um procedimento com um cronograma que permite o diagnóstico de um problema antes que ele aconteça, é possível evitar futuros prejuízos, em consequência os ganhos são maiores. "Não avaliar os touros no início da estação de monta pode ser tarde demais, se o diagnóstico de gestação for realizado após 120 dias muitas vacas podem ficar vazias, trazendo prejuízos e aumento da taxa de descarte", ressalta Vilela. Os principais parâmetros de qualidade seminal avaliados no exame andrológico são volume, concentração, motilidade e morfologia espermática. Cada análise deve ser criteriosamente avaliada utilizando equipamentos calibrados e usando uma metodologia validada. A segurança do processo assegura que o resultado desta etapa tenha coerência e ajude a construir um laudo. O mercado de touros no Brasil é crescente, a cada dia a demanda por exames andrológicos é maior, com isso temos uma necessidade de mais profissionais capacitados para realizarem esses exames. Por outro lado, temos uma grande oportunidade para os compradores, com maior garantia de capacidade reprodutiva do touro de cobrir e emprenhar mais vacas, esse aumento de demanda gera ganhos extras para os veterinários especialistas em andrologia.

Acompanhe

3,630FãsCurtir
26,889SeguidoresSeguir
1,540InscritosInscrever

AGENDA DE EVENTOS

V Encontro Técnico Nacional do Alho e Cebola

De 26 a 27 de junho, em Brasília (DF)

39ª Reunião de Pesquisa de Soja

De 26 a 27 de junho de 2024, em Londrina (PR)

AgroVem 2024

De 24 a 29 de junho, em Itumbiara (GO)

TEMPO

Uberlândia
céu limpo
24.6 ° C
24.6 °
24.6 °
43 %
6.7kmh
0 %
sáb
28 °
dom
29 °
seg
30 °
ter
31 °
qua
31 °

ARTIGOS MAIS LIDOS

Abacate: Condução do plantio à colheita

O potencial produtivo da cultura do abacate cresceu e ainda cresce, batendo recordes a cada safra. Um dos motivos para tamanha expansão é o aumento no consumo devido às propriedades nutricionais cientificamente comprovada.

Folhas enrugadas em citros: o que fazer?

Folhas enrugadas em pomares de limão podem ser resultantes do ataque de pulgões, larva-minadora ou deficiência mineral.

Controle das pragas e doenças do abacateiro

As principais pragas do abacateiro são: broca ou lagarta-do-fruto (Stenoma catenifer), principal praga no Brasil; bicudo do abacateiro (Heilipus catagraphus; Heilus spp.) e carunchos (coleobrocas), lagartas, ácaros (Oligonychus yothersi; Oligonychus persea), tripes, percevejos e formigas.

Pragas e doenças do mamoeiro

O desenvolvimento das pragas e doenças no mamoeiro ocorre em decorrência da interação do ambiente (clima, temperatura e umidade); do hospedeiro (mamoeiro), do patógeno (fungos, vírus, bactérias) e do homem (mudas infestadas e práticas culturais).