22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiTécnicas para indução da cor vermelha em frutos de maçã

Técnicas para indução da cor vermelha em frutos de maçã

Cristhian Leonardo Fenili

Engenheiro agrônomo, mestrando em Produção Vegetal (UDESC)

cristhianfenili@hotmail.com

 Crédito Nutriplant
Crédito Nutriplant

Para o aumento da cor vermelha dos frutos, fatores ambientais são essenciais, como luz e temperatura. É muito importante durante a pré-colheita a amplitude térmica, ou seja, quando temos uma grande diferença entre a temperatura diurna e noturna há o favorecimento do desenvolvimento da cor vermelha.

O manejo a fim de aumentar a incidência de luz nos frutos, como a poda verde, tem influência no incremento da coloração. Porém, é um manejo oneroso ao produtor, por conta da grande demanda de mão de obra. Atualmente, estudos mostram que o uso de reguladores de crescimento atuam na síntese de antocianinas, pigmentos responsáveis pela coloração vermelha dos frutos da macieira, e estimulam a coloração vermelha – é o caso do ethephon.

Ethephon é um regulador de crescimento recentemente registrado para a cultura da macieira. Este fitohormônio libera etileno e estimula a planta a produzir mais etileno endógeno, o que acelera a maturação e aumenta a coloração vermelha dos frutos. Aplicações na pré-colheita deste fitohormônio aumentam a cor vermelha das maçãs.

Cuidados

Por aumentar a síntese de etileno e adiantar a maturação dos frutos, o ethephon reduz o tempo de conservação das maçãs. Dessa forma, alguns cuidados devem ser considerados, como a dose aplicada e a época.

Aplicações muito precoces podem levar os frutos à abscisão, e concentrações irregulares podem comprometer o tempo de prateleira das maçãs. As vantagens em adiantar a maturação em algumas cultivares e aumentar a coloração vermelha são: a possibilidade de colocar frutos mais cedo no mercado, com preços mais atrativos, e agregar valor no produto, já que o mercado paga muito mais por frutos com melhor coloração.

Custo

Um litro de Ethrel, produto registrado contendo 24% de ethephon, é suficiente para cobrir uma área superior a dois hectares. Com 400 ppm de ethephon já se obtém resultados significativos na coloração dos frutos da macieira. Portanto, o custo da técnica é relativamente baixo.

Segundo normativa do Ministério da Agricultura, as maçãs podem ser classificadas em quatro categorias, dependendo, dentre alguns defeitos, da sua coloração. Ou seja, quanto mais colorida a epiderme da maçã, numa categoria superior ela estará classificada, e isso reflete em preço significativamente maior. Portanto, levando em consideração o baixo custo da aplicação de ethephon, a relação de custo-benefício é positiva.

Cuidado

É comprovado que o uso de ethephon aumenta a coloração vermelha da epiderme de maçãs, porém, com o inconveniente de acelerar a queda precoce de frutos por conta da maturação precoce, alterar a cor de fundo e reduzir o seu tempo de conservação. Portanto, a busca por alternativas que aumentem a coloração, sem alterar as características de maturação e conservação, são almejadas. Bioestimulantes e compostos orgânicos e minerais, principalmente à base de potássio, mostram-se com potencial.

Atualmente existe uma grande diversidade de clones mais coloridos, que tanto na cultivar Gala como na Fuji já estão no mercado. Podemos citar a ‘Maxi Gala’ e a ‘Fuji Suprema’, que naturalmente apresentam uma alta coloração vermelha dos frutos. Considerar o plantio desses clones é muito importante.

Essa matéria você encontra na edição de Julho 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

ANVISA autoriza uso do paraquat por mais três anos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), vinculada ao Ministério da Saúde, decidiu rever sua posição de suspensão do herbicida paraquat do mercado brasileiro...

Pesquisa brasileira sobre bioestimulante agrícola

Resultado de uma parceria entre a unidade brasileira da Rovensa Next e dos institutos de Química e de Biologia da Unicamp, este é um marco não só para agricultura brasileira, mas também para todo o mercado de biossoluções porque explora um universo até então pouco conhecido.

Utilização da água magnetizada para a irrigação por gotejamento do cafeeiro

André Luís Teixeira Fernandes Doutor em Engenharia de Água e Solo, e professor da Uniube Roberto Santinato Engenheiro agrônomo do MAPA Procafé Reginaldo de Oliveira Silva Gerente do Campo...

Os resultados no manejo de estimulantes e condicionadores no tomateiro

Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia - ICIAG-UFU ferbacilieri@zipmail.com.br Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia robertacamargoss@gmail.com João Ricardo Rodrigues da Silva Engenheiro agrônomo joaoragr@hotmail.com   A cultura...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!