27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasTecnologia para algodão estará disponível para agricultores brasileiros

Tecnologia para algodão estará disponível para agricultores brasileiros

O evento aconteceu no dia 27 de junho, em Patos de Minas, na Fazenda da Amipa, e contou com 525 participantes. O Dia de Campo discutiu a qualidade e sustentabilidade do algodão mineiro, além de perspectivas para o mercado e estratégias de compras de insumos - Crédito Saulo Alves
Crédito Saulo Alves

 

São Paulo, Brasil, 22 de agosto, 2018 ” A Corteva Agriscienceâ„¢, Divisão Agrícola da DowDuPont, anuncia que o Comitê Técnico Nacional de Biossegurança (CTNBio) emitiu um parecer técnico positivo autorizando o cultivo e a comercialização do algodão WideStrike® 3 no Brasil. Esta tecnologia estará disponível para comercialização  a partir da safra de 2019 no Brasil.

“Os produtores brasileiros precisam ter acesso às tecnologias avançadas com desempenho aprimorado para aumentar os rendimentos e estender a longevidade da tecnologia“, disse Larry Robertson, Líder Global de Portfólio da Corteva Agriscienceâ„¢. “Widestrike® 3 é uma nova ferramenta para atender às expectativas dos produtores“.

WideStrike® 3 é uma tecnologia avançada de proteção contra insetos, que contém três eventos – as proteínas Cry1Ac e Cry1F e uma proteína inseticida vegetativa (Vip3A) do Bacillus thuringiensis (Bt). WideStrike® oferece proteção superior durante todo o ciclo da cultura do algodão, protegendo a plantação de uma grande variedade de pragas importantes, como a lagarta-das-maçãs (Heliothis virescens), lagarta-do-cartucho do milho (Spodoptera frugiperda) e a lagarta helicoverpa (Helicoverpa armigera), contribuindo para a redução do número de aplicações de defensivos agrícolas. Múltiplos modos de ação propiciam uma proteção mais eficaz, auxiliando no manejo da resistência das pragas alvo e na sustentabilidade da tecnologia.

O produto WideStrike® 3 recebeu aprovação comercial em muitos países e, agora, no Brasil, pela CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança), órgão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, responsável pela avaliação dos requisitos de biossegurança para organismos geneticamente modificados (OGMs). A CTNBio concluiu sua avaliação do pedido de liberação comercial dos eventos de proteção contra insetos WideStrike® 3 com parecer técnico positivo autorizando o mesmo para cultivo e comercialização no Brasil. “Estamos entusiasmados por poder oferecer essa nova tecnologia para uso em algodão”, afirma Robertson.

Como parte do desenvolvimento e implantação responsáveis das tecnologias líderes Bt, a Corteva Agriscienceâ„¢ está comprometida em trabalhar com clientes brasileiros para incluir produtos de algodão contendo o WideStrike® 3, como parte de um programa de manejo da resistência a insetos (IRM). As práticas de IRM incluem  plantio de refúgio, monitoramento de pragas e insetos, uso de sementes certificadas, dessecação antecipada, tratamento de sementes e aplicação de inseticidas foliares  para o controle de pragas. O manejo adequado da tecnologia do algodão Bt é essencial para preservá-la como uma ferramenta útil de proteção de culturas nos próximos anos.

Para saber mais sobre a ferramenta WideStrike® 3 Insect Protection, por favor, visite nosso website.

 

Sobre a Corteva Agriscienceâ„¢, Divisão Agrícola da DowDuPont  

A Divisão Agrícola da DowDuPont, uma área de negócios da DowDuPont (NYSE: DWDP), combina os pontos fortes da DuPont Pioneer, DuPont Crop Protection e Dow AgroSciences. Em conjunto, a Divisão Agrícola fornece aos produtores em todo o mundo o portfólio mais completo da indústria, desenvolvido ao longo de um pipeline de pesquisa robusto em germoplasma, traits, biotecnologia e proteção de culturas. A divisão está empenhada em oferecer inovação, ajudando os agricultores a aumentar a produtividade e garantir a segurança alimentar para uma população global crescente. A DowDuPont pretende separar a Divisão Agrícola em uma empresa independente de capital aberto. Para mais informações, acesse www.dow-dupont.com.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ferrugem asiática pode elevar preço do óleo em 10%

Um trabalho realizado pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, em parceria com a Andef (Associação Nacional de Defesa Vegetal), buscou avaliar os impactos econômicos da incidência de pragas e doenças na cultura de soja.

Dia Mundial do Algodão 2022: tecer um futuro melhor para o algodão

O evento global da FAO celebrará a contribuição do algodão para o desenvolvimento socioeconômico e promoverá seu avanço para apoiar meios de subsistência sustentáveis.

Produzir trigo no Brasil, mais que uma opção, uma necessidade

Fernando Mendes Lamas Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste Fernando.lamas@embrapa.br   A população brasileira se aproxima dos 220 milhões de pessoas. A produção de grãosdeste ano, segundo estimativa da...

Lagarta-elasmo perfura a planta e traz prejuízos

  João Rafael De Conte Carvalho de Alencar MSc. e professor do Instituto Taquaritinguense de Ensino Superior (ITES - SP), doutorando em Agronomia José Fernando Jurca...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!