26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasTecnologia pode apoiar Plano Nacional de Fertilizantes

Tecnologia pode apoiar Plano Nacional de Fertilizantes

Divulgação

Com o lançamento, em março deste ano, do Plano Nacional de Fertilizantes, o país finalmente toma atitudes certeiras na busca por suficiência na produção desse insumo fundamental para o agronegócio. São 195 páginas com metas que chegam até 2050 e que ajudam o setor a se planejar e abastecer.

“O Brasil, nos últimos anos, tem nacionalizado tecnologia, sobretudo alemã, que permite fabricar fertilizantes sem o risco de vazamentos, visto que são produtos altamente tóxicos quando em grande quantidade”, explica o gerente geral de vendas da área industrial da GEMÜ Válvulas e Sistemas de Medição e Controle, Mateus Souza.

Um exemplo é a válvula diafragma metálica, ideal para o contato com os minérios contidos na produção de fertilizantes, nas concentrações e temperaturas necessárias. “Como os fluidos que passam pelos equipamentos contêm grande número de particulados, que poderiam causar entupimentos ou corrosão, pesquisamos e chegamos ao material ideal para proteger todo o processo”, explica Souza.

Existem vários planos de expansão de empresas brasileiras que desejam ampliar o mercado nacional com a fabricação de fertilizantes, e a demanda para isso é imensa. “Na escala global, temos dois ou três grandes players mundiais, que investem muito. Para eles, é importante frisar a importância da manutenção, pois, ao lidar com produtos tão estratégicos para o abastecimento agrícola dos países, é necessária toda a segurança e alto nível de excelência.”

A exploração de minérios necessários para a produção de fertilizantes em minas brasileiras e a elevação desse índice depende ainda de mudanças regulatórias e tributárias, além, é claro, de financiamento público.

Sobre a GEMÜ – A filial da multinacional alemã criada por Fritz Müller na década de 1960 disponibiliza ao mercado brasileiro válvulas de extrema eficiência e qualidade. A planta situada em São José dos Pinhais (PR), que conta com 100 colaboradores e soma mais de 40 anos no Brasil, produz válvulas e acessórios para o tratamento de água e efluentes em indústrias de todas as áreas, como siderurgia, mineração e fertilizantes, bem como para integrar sistemas de geração de energia. Na área de PFB (farmacêutica, alimentícia e biotecnologia), a GEMÜ é líder mundial e vende para toda a América Latina produtos de alta precisão, com atendimento local, além de consultoria com profissionais capazes de orientar na escolha da melhor solução em válvulas para cada aplicação. Mais informações: https://www.gemu-group.com/pt_BR/

ARTIGOS RELACIONADOS

Nova ferramenta digital torna ágil a contratação de crédito ao produtor

Simulador da fintech Agropermuta, desburocratiza, facilita e ajuda agricultores na simulação de financiamento para projetos agropecuários.

Automação eleva a produtividade final na lavoura

Com a tecnologia de acionamento elétrico para taxa fixa, através de dispositivos móveis, a dosagem e deposição no solo é mais precisa e há real controle do que acontece com o implemento durante a atividade,

Guerra entre Hamas e Israel aumenta tensão aos preços do petróleo e fertilizantes

Além dos conflitos externos, o clima no Brasil também deve impactar produção, produtividade e custos da agricultura.

Fertilizantes impulsionam a produtividade da soja

Com soluções da Mosaic Fertilizantes, agricultores de Itapeva (SP) e Nepomuceno (MG) estão entre os campeões do Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja do CESB

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!