23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiTelas com combinações de fios

Telas com combinações de fios

Talita de Santana Matos talitasmatos@gmail.com

Elisamara Caldeira do Nascimento elisamara.caldeira@gmail.com

Doutoras em Ciência do Solo – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Glaucio da Cruz Genuncio Doutor em Ciência do Solo e professor – Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) glauciogenuncio@gmail.com

Telas – Fotos: Ginegar Brasil

As plantas são afetadas por diversos fatores ambientais, genéticos, edafoclimáticos e fisiológicos, tais como fotossíntese, evapotranspiração, respiração, absorção de água e elementos minerais, clima, temperatura, fotoperíodo, entre outros. Entretanto, a qualidade, tanto quanto a quantidade de luz, afeta consideravelmente o crescimento e o desenvolvimento dos vegetais.

Sendo assim, o uso de ferramentas que possibilitem o controle e favoreçam que tais fatores sejam melhor explorados promovem aumento da precocidade, produtividade e permite a produção fora de época.

As modificações ambientais causadas pelo ambiente protegido devem-se aos filmes ou malhas de cobertura, que alteram o balanço de radiação do sistema composto pela planta, solo e atmosfera.

Qual escolher?

Atualmente, o mercado apresenta uma gama de variedades de filmes ou malhas, também conhecidos como sombrite, telas ou telados, que podem ser reflexivas e/ou coloridas. Essas malhas são produzidas com aditivos especiais que as convertem em singulares filtros de luz, para manipular o espectro de luz solar.

A qualidade da luz incidente sobre a cultura é mais benéfica, devido à malha da tela converter parte da luz direta em luz difusa. Deste modo, como a luz difusa é distribuída de forma mais uniforme às plantas, estimula a fotossíntese.

Diante disso, a manipulação do espectro solar pode influenciar o desenvolvimento da cultura. Essas telas também são frequentemente usadas para reduzir o estresse por calor das culturas.

Tecnologias

Neste sentido, o mercado vem criando novas possibilidades em um novo conceito agrotecnológico, como finalidade de combinar a proteção física com a filtração diferencial da radiação solar, para promover respostas fisiológicas específicas que são reguladas pela luz.

Assim, é plausível a hipótese de que alterações nas características espectrais da radiação solar podem modificar características estruturais e fisiológicas das plantas a partir das modificações microclimáticas do ambiente, resultando em altos níveis de produtividade para algumas culturas e/ou variedades.

O processo de alteração na radiação solar inicia pela passagem na cobertura plástica, onde sofre alterações (absorção e reflexão), tendo apenas uma parte transmitida para o interior do ambiente protegido. Assim, os balanços de radiação e de energia são reduzidos e bem diferentes daqueles observados a céu aberto.

Telas de diferentes malhas e cores condicionam as plantas a diferentes demandas de água, tendo em vista que as condições microclimáticas geradas sob cada tela são alteradas. Dessa forma, o conhecimento da radiação solar é fundamental para o manejo da irrigação, considerando que é o principal elemento meteorológico que condiciona todos os demais.

Opções em cores

[rml_read_more]

As telas mais comuns no mercado são as pretas, brancas, reflexivas (pratas) e as coloridas (azul e vermelho), mas já existem telas amarela, verdes, peroladas, entre outras.

As telas de cor preta são usadas com o intuito de minimizar os problemas causados pela irradiância e temperatura elevadas, condições características de regiões tropicais. Estas reduzem a incidência direta do sol nas espécies que necessitam de menor fluxo de energia radiante, consequentemente, reduzem a temperatura e a perda da umidade do solo.

A menor incidência de energia solar pode contribuir para diminuir os efeitos extremos da radiação, principalmente a fotorrespiração.

A telas brancas são geralmente utilizadas para a proteção física: granizo, quebra-ventos, coberturas, proteção com insetos (o que reduz drasticamente o uso de pesticidas químicos) e também possibilita a criação de um microclima com maior controle de fatores ambientais, como temperatura, luz e umidade relativa do ar, e apresentam bons resultados em regiões de baixa luminosidade.

As telas reflexivas têm a função de reflexão e refração da luz, provendo luz difusa e reduzindo drasticamente a radiação ultravioleta que é prejudicial às plantas, auxiliando assim no controle térmico e potencializando a fotossíntese.

Também é possível encontrar no mercado telas coloridas com efeito reflexivo, ou seja, a trama da malha é composta por faixas, tiras ou linhas de material reflexivo que acrescentam esse efeito à tela.

As telas vermelhas transferem mais a luz do espectro nas ondas vermelho e vermelho distante e difundem a luz que passa através da malha, sendo eficiente no desenvolvimento da planta. Já as azuis proporcionam luz do espectro que intensificam o fototropismo e a fotossíntese.

Não se engane

Independente dos inúmeros efeitos benéficos do uso de telas, é preciso ter cautela. As telas limitam a quantidade de luz que incide sobre as plantas e pode influenciar negativamente no crescimento e produção das culturas, se forem usadas em períodos inadequados.

Desta forma, é importante esclarecer que existem inúmeras tecnologias no mercado, mas nem todas irão se adaptar à sua realidade de produção. O manejo do microclima ultrapassa simplesmente escolher as cores das telas. O local, região, temperatura externa, cultura a ser produzida e fase da planta irão influenciar na escolha e no manejo das telas dentro do cultivo protegido.

Mais do que optar por tecnologias, é necessário saber como manejá-la. Por exemplo, é necessário entender que em algumas épocas do ano ou mesmo do dia, as malhas não poderão estar fixas e precisarão ser recolhidas para que uma maior radiação chegue até as plantas.

Além disto, a estrutura física dos ambientes protegidos não pode ser pensada de forma igual para todas as regiões do nosso país. Casas de vegetação com pé direito baixo em regiões de altas temperaturas promoverão um microclima interno de maior calor que o externo (uma verdadeira estufa) e nestes casos, nenhuma cor de tela irá resolver o problema.

Contudo, o mercado de telas vem se especializando e trazendo alternativas para melhorar os sistemas de produção em cultivos protegidos.

Apesar de ser pouco utilizada no Brasil, a tecnologia multifios já é bastante empregada em outros países, principalmente para o setor de jardinagem e horticultura. Uma das linhas de telas comercializadas promove gerenciamento da luz solar. A presença de faixas brancas com fios de dimensão diferentes dispersa a luz do sol de maneira mais eficaz. Para melhorar ainda mais o resfriamento, muitas telas têm uma estrutura aberta.

Desta forma, permite a difusão de luz de alto grau, espalhando ativamente a luz do sol para atingir mais profundamente – e de maneira mais uniforme – a cultura, tem menor risco de queima das plantas e maior exposição à luz em temperaturas mais baixas, produtividade melhorada e plantas mais fortes e saudáveis devido à distribuição de luz mais uniforme nas seções superior e inferior da cultura.

Além disso, permite um ambiente suave e eficaz não só para as plantas, mas também para as pessoas que trabalham na estufa e aumenta a qualidade da colheita devido à temperatura mais baixa para produção de frutos ou flores.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nutrição foliar

Atualmente, é aceito que a vida vegetal teve seu início na água. Neste habitat, ...

BRS A706 CL: nova cultivar de arroz da Embrapa para o Maranhão

A nova cultivar de arroz é fruto de mais de dez anos de pesquisa do programa de melhoramento de arroz da Embrapa, envolvendo testes de adaptação nas diferentes regiões do Brasil, ajustes de manejo filotécnico, fitossanidade, qualidade de grãos e qualidade culinária.

Como reduzir seus custos com CTT em uma usina de cana-de açúcar?

O CTT (corte, transbordo e transporte) é uma das operações que mais impactam no custo de produção de cana-de-açúcar, representando em média quase 15% desse valor. Para a realização dos cálculos desse custo, vários fatores são levados em consideração, como: produtividade, raio médio (distância da área colhida até a usina), entre outros.

Como reduzir o estresse das plantas

O agricultor deve ter em conta que os diferentes tipos de estresses abióticos e bióticos não ocorrem de forma isolada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!