23.3 C
São Paulo
terça-feira, julho 5, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Tendência - Fungicidas protetores voltam às lavouras

Tendência – Fungicidas protetores voltam às lavouras

 

Fernando Cezar Juliatti

Professor da Universidade Federal de Uberlândia e pesquisador do CNPq

juliatti@ufu.br

Tendência fungicidas protetores voltam às lavouras - Crédito Montana
Tendência fungicidas protetores voltam às lavouras – Crédito Montana

Os fungicidas protetores são moléculas químicas que atuam na germinação de esporos fúngicos (amônia quartenária – cloretos de benzalcônio), sulfurados ou à base de enxofre, mancozebe, clorotalonil, propinebe, metiram, oxicloreto de cobre, sulfato de cobre, óxido de cobre, estanhados, caldas cúpricas (bordalesa e viçosa), caldas sulfocálcicas, etc.

Estes produtos, com sua camada protetora, impedem também a penetração de células bacterianas pelas aberturas naturais das folhas (mesófilo), como os estômatos e hidatódios. Deste modo, os agentes fitopatogênicos não penetraram no interior das plantas.

Por onde andam

Os fungicidas protetores “saíram” das lavouras devido ao marketing da indústria química que, ao buscar cada vez mais as moléculas sistêmicas e específicas e também a redução da dose no campo ou lavoura, foram aos poucos deixando de comercializar e usar estas moléculas, em alguns casos, como os cúpricos ou a base de cobre devido à fitotoxicidade em algumas plantas ou cultivos.

Houve, ainda, problemas com o uso inadequado, que deixavam resíduos nos produtos de colheita.

Resistência às pragas e doenças

Resistência é um fenômeno biológico em que os indivíduos mutantes se multiplicam após a aplicação do produto químico (fungicida ou inseticida (insetos pragas) ou plantas infestantes (herbicidas)), ou são selecionados de forma crescente e vão dominando a população original, a não ser que o produto químico ou agente de seleção seja retirado.

Estes mutantes existem naturalmente na população e, em média, a cada um milhão de células aparece um mutante. O uso contínuo de moléculas sistêmicas e específicas levou ao aumento da resistência no campo. Urge, portanto, restabelecer o equilíbrio com as moléculas protetoras que sejam fungicidas, inseticidas ou herbicidas.

Estas moléculas são de amplo espectro, pois apresentam, em muitos casos, mais de 60 mecanismos de ação, reduzindo brutalmente o risco de resistência.

Benefícios

Os fungicidas protetores atuam com seus mais e 60 mecanismos no metabolismo vital de fungos e, desta forma, eliminam as chances de células ou esporos resistentes sobreviverem e dominarem, com o passar do tempo, a população original das pragas e doenças.

Veja pelo diagrama:Tendência - fungicidas protetores voltam às lavouras

 X – Células resistentes (Originalmente ou naturalmente um indivíduo em cada um milhão)

Manejo

O manejo desses produtos deve levar em conta a alternância nas pulverizações dos fungicidas sistêmicos com os protetores, ou ainda a associação destes durante as pulverizações.

O importante é reduzir a frequência de fungicidas sistêmicos no campo em sequência como PrioriXtra, Ópera, Aproauch Prima, Fox, Orkestra, Cercobim e outros.

Deve-se reforçar que os fungicidas protetores devem ser usados nas primeiras pulverizações e não no final de ciclo da cultura. O uso deve ser preventivo.

Nas últimas pesquisas desenvolvidas na UFU e no Brasil tem-se demonstrado uma redução da severidade de doença e melhoria da produtividade quando se adicionam os protetores junto aos sistêmicos, ou seja, ocorre um efeito aditivo do protetor com o sistêmico, e nunca um efeito antagônico.

Resultados de campo

Os fungicidas protetores têm trazido mais sanidade, redução nas formas resistentes, mais qualidade na proteção e mais produtividade às lavouras brasileiras. Quanto ao custo, fica, em média, 0,5 sc/ha de soja, ou menos, considerando o custo do fungicida e a aplicação em si (máquina e operador).

 

Essa matéria completa você encontra na edição de janeiro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua.

 

Inicio Revistas Grãos Tendência - Fungicidas protetores voltam às lavouras