25.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioAnimaisTerminação em confinamento traz vantagens à pecuária de corte

Terminação em confinamento traz vantagens à pecuária de corte

Boas práticas de manejo não acarretam em aumento de custo e são essenciais para o sucesso da atividade

Divulgação

A busca pela melhor produtividade do rebanho bovino faz parte do dia a dia do produtor agropecuário. Muitas vezes o desempenho mais eficaz pode ser feito em mudanças nas atividades do dia a dia. Um exemplo disso são as boas práticas de manejo no confinamento, que não acarretam no aumento de custos e nem do tempo necessário para realizar as rotinas do sistema, mas são essenciais para o sucesso da atividade.

A terminação de bovinos em confinamento apresenta uma série de vantagens para a cadeia produtiva da pecuária de corte ao longo do ano, como o maior equilíbrio na oferta de animais terminados; menor pressão de pastejo nas pastagens no período seco; e diminuição da idade de abate do rebanho.

Apesar de bovinos serem animais herbívoros acostumados ao pastejo, eles conseguem viver em confinamento, quando adaptados corretamente. Para isso, é preciso respeitar algumas rotinas de manejo, como o tamanho e número de animais por lote; o espaço disponível por cabeça; mistura de lotes; condições climáticas adequadas; ausência de sons, pessoas e objetos desconhecidos, lama ou poeira nos currais de confinamento.

“A maioria dos bovinos se adapta facilmente e, quando isso não ocorre, o animal deve ser retornado à pastagem. Por isso, é de extrema importância que o bovino seja monitorado individualmente; observando-se o vazio fundo; se as narinas estão secas; ausência de ruminação; ou isolamento do resto do rebanho”, explica o zootecnista e supervisor comercial da Connan, Isaias Martim.

Recepção dos animais

O transporte é fonte de estresse para os bovinos, principalmente em viagens longas. Nesse caso, ao invés de fazer o processamento do rebanho logo após o desembarque, o recomendado é colocá-lo em um piquete com pastagem, para que se recupere mais rápido do estresse.

Na hora de separar os lotes, é preciso observar características dos animais como faixa de peso; raça; sexo; número de cabeças por lote e se todos estão em boas condições de saúde. Aqueles com dificuldade de locomoção ou sintomas clínicos de doenças devem ser apartados do lote e levados ao curral enfermaria. “Após a condução dos animais até o curral destino, a porteira é fechada, mas um vaqueiro precisa permanecer no local, observando o comportamento dos animais”, evidencia o zootecnista.

Na questão da alimentação no confinamento, pode-se adotar o programa de escadas, normalmente uma dieta com menos energia que a de terminação. Essa técnica é fornecida nas duas primeiras semanas, a partir daí tem início a transição à dieta de terminação.

Outra opção é a adaptação de restrição de quantidade de alimento, trabalhando desde o início com a dieta de terminação, porém começando com uma quantidade menor e aumentando aos poucos a quantidade a ser fornecida. “Qualquer uma das duas pode ser adotada, desde que haja um bom manejo de leitura de cocho e animais”, acrescenta Martim.

Rotinas de monitoramento

O monitoramento do rebanho deve ser feito por vaqueiros experientes, que possam identificar elementos do ambiente e sinais apresentados pelos animais que indiquem situações de risco para a saúde e desempenho. “Nas primeiras duas semanas de adaptação há maior risco de ocorrência de problemas. Nesse período o monitoramento deve ser feito duas vezes ao dia, reduzindo para uma visita diária a partir da terceira semana”, explica o zootecnista.

Ele ainda acrescenta que, no caso da alimentação, o monitoramento deve ser realizado diariamente. “A leitura de cocho precisa ser feita antes do primeiro trato da manhã atribuindo-se notas, que geralmente variam de 0 a 5, sendo 0 para cocho vazio e 5 para cocho cheio, para ajustar a quantidade de alimento a ser ofertada diariamente para cada curral do confinamento”.

Caso haja sobra de alimento, Martim indica que é importante avaliar a qualidade e também se houve mudança climática no dia anterior, “excesso de chuva, frio, calor, fatores que podem interferir no consumo dos animais. Bovinos gostam de rotina, por isso o alimento deve ser distribuído sempre nos mesmos horários e na mesma sequência, uniformemente por toda a linha de cocho. A equipe de tratadores deve anotar e repassar as quantidades reais ofertadas aos animais, mesmo que tenha sido diferente do previsto. Isso evita sobras ou falta do alimento para os animais”.

O acerto máximo no carregamento de ingredientes da dieta é de suma importância. Quanto mais precisas forem as quantidades carregadas no vagão, menor a chance de ocorrer desvios de composição de dieta e de variação de consumo por esse motivo.

A observação das fezes desses animais também é um fator que permite avaliar o aproveitamento da dieta e auxiliar na avaliação da sua saúde. Normalmente são aplicados escores de avaliação, considerando a média dos bolos fecais presentes no piso de cada curral. O ideal é que apresentem o valor intermediário, ou seja, fezes mais pastosas, já que fezes muito moles ou duras podem sinalizar problemas na formulação da dieta ou nos ingredientes.

“Essas boas práticas de manejo no confinamento são essenciais para o sucesso da atividade pecuária, e mostram que o conceito de indivíduo ao invés de lote deve ser sempre priorizado. Utilizando as técnicas listadas acima, o pecuarista terá melhores resultados, tanto no ganho de peso dos animais quanto na lucratividade, pois eles melhoram o manejo em si e auxiliam no desempenho e na saúde do rebanho”, finaliza o supervisor.

ARTIGOS RELACIONADOS

Centro-Oeste recebe aprimoramento da pecuária de corte

Executado pela SIA, LucraAA Pecuária atua nos biomas Cerrado e Amazônia.

Curso de Formação de Gerentes e Capatazes em Pecuária de Corte tem inscrições abertas

Para ajudar a contornar a situação e preparar pessoas para todas as competências necessárias na pecuária moderna, a GlobalGen Vet Science promoverá o III Megacurso - Formação de Gerentes e Capatazes em Pecuária de corte

Estação de Monta: como obter os melhores resultados

Especialistas de corte explicam o que o pecuarista precisa saber durante a estação de monta para potencializar os resultados da fazenda

A nutrição adequada é fundamental para a pecuária de corte

Suplementar nutrientes com formulações injetáveis em momentos estratégicos pode ser mais prático e vantajoso ao pecuarista

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!