Inicio Revistas Hortifrúti Tomate cereja – Sabor adocicado

Tomate cereja – Sabor adocicado

0
658

 

Carlos Antônio dos Santos

Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia ” Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

carlosantoniods@ufrrj.br

Margarida Goréte Ferreira do Carmo

Engenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora – UFRRJ

gorete@ufrrj.br

Crédito Ana Maria Diniz
Crédito Ana Maria Diniz

O tomate se destaca como uma das principais hortaliças consumidas pelo brasileiro, sendo a sua produção dividida em dois segmentos: tomate para consumo in natura e tomate agroindustrial para processamento e produção de extratos, polpas e molhos.

Segundo dados do IBGE (2018), a produção brasileira total de tomate no ano de 2017 foi de 4.373.047 toneladas, em uma área de aproximadamente 64.444 hectares e com produtividade média de 67,64 t/ha.

A produção de tomate rasteiro destinado à indústria se concentra no Estado de Goiás, enquanto o tomate para consumo in natura tem sido plantado durante praticamente todo o ano nos Estados da região sudeste e sul, que são os maiores produtores.

Demanda crescente

Dentre o segmento destinado ao consumo in natura, observa-se crescimento de mais de 50% no mercado de tomates especiais, grupo que inclui o versátil e diferenciado tomate do tipo cereja.

O aumento na busca pelo tomate cereja, de sabor mais adocicado, é o resultado de uma série de mudanças do mercado consumidor, que tem sido mais exigente ao valorizar hortaliças de melhor qualidade e sabor.

Por ser um segmento menor dentro da produção de tomate, ainda não existem estatísticas oficiais quanto à sua produção no Brasil. O que se observa, no entanto, é um aumento substancial desse mercado, o que pode ser claramente notado por sua presença obrigatória nas feiras, hortifrútis e nas prateleiras dos supermercados.

Vantagens da produção

Crédito Agristar
Crédito Agristar

A produção de tomate cereja pode ser feita por produtores de diferentes níveis tecnológicos. No entanto, para os sistemas profissionais que visem à obtenção de ótimos rendimentos é necessário que seja escolhida uma cultivar adequada, com cultivo em ambiente protegido (em estufa) e que seja adotada uma série de cuidados no manejo da cultura.

Como já sabemos, o tomateiro é uma das plantas mais sensíveis a condições climáticas adversas e ao ataque de diversas pragas e doenças, além disso, também é exigente em nutrientes.

O produtor deverá dar preferência para cultivares com boas características, como alta produtividade, resistência a doenças, frutos com boa coloração, uniformidade, e alto teor de sólidos solúveis (expresso em ºBrix), por exemplo.

Aliado a isso, algumas cultivares disponíveis no mercado também apresentam uma ótima textura e firmeza, o que aumenta a durabilidade do produto, por ser mais resistente e íntegro.

Cultivo protegido

Dentre as vantagens do cultivo protegido do tomate cereja destacam-se a maior proteção contra chuva excessiva e altas temperaturas, ajuste de umidade, redução do ataque de pragas, além da maior precocidade e da possibilidade de colheita na entressafra.

Ou seja, o cultivo protegido flexibiliza a produção, reduz os riscos e confere produtos de melhor qualidade. Aliado a isso, o produtor, hoje, pode contar com diversas tecnologias envolvidas no cultivo protegido, como filmes plásticos de cobertura de maior durabilidade, telas antiafídeas, sensores, controle de fertirrigação, dentre outros.

BOX

Diferenciais

O principal diferencial do tomate cereja quanto aos demais tomates consumidos in natura é o seu sabor mais pronunciado, o que garante a fidelidade dos consumidores com agregação de sabor e qualidade.

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

 

Ou assine

SEM COMENTÁRIO