14.9 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosTransplantadora de mudas: mais agilidade e qualidade

Transplantadora de mudas: mais agilidade e qualidade

Crédito: Paulo Arbex

Fabrício Custódio de Moura Gonçalves
Doutor e professor de Agronomia – Universidade Estadual do Piauí (UESPI)
fabriciocustodiodemouragoncalves@urc.uespi.br

As transplantadoras são máquinas muito utilizadas em culturas hortícolas, florestais, assim como no fumo, destinadas para as mudas que foram desenvolvidas em viveiros e são transplantadas para o local definitivo. 

Esses equipamentos permitem a deposição de mudas em calhas pelo operador até a muda alcançar o sulco, previamente aberto por um elemento sulcador; posteriormente, as mudas são lateralmente recobertas por lâminas. O espaçamento entre mudas pode ser ajustado em função da agilidade e prática do operador.

Benefícios para HF

O transplantio mecânico de mudas oferece vários benefícios para as culturas. Por exemplo, no caso das hortícolas, as sementes são pequenas, com formato irregular e tendem a aderir umas às outras.

Além disso, sem usar a técnica do transplantio, poderiam facilmente apresentar espaçamentos falhos ou duplos, causando maior infestação de plantas daninhas, desperdício de sementes e necessidade do desbaste de plantas excedentes ou do replantio.

Outra regulagem importante diz respeito ao ajuste correto da quantidade de solo que se juntará à muda. É preciso lembrar, ainda, da leve compactação ao redor dessa muda, pois um sulco sem o devido recobrimento pode ser o início de um processo erosivo.

Inovações

Empresas têm investido em novas tecnologias nesse setor. Como destaque, podemos citar transplantadoras automotrizes importadas pelo mercado brasileiro. A utilização dessas máquinas permite que sejam realizadas operações de transplantes em condições não tão favoráveis de solo, com o teor de água elevado, otimizando assim as janelas de transplante do produtor rural.

Outro diferencial destas transplantadoras é que elas oferecem condições de um único operador manuseá-las enquanto realizam a alimentação dos sulcadores com as mudas, diminuindo a necessidade de mão de obra.

Opções

A capacidade operacional das transplantadoras está relacionada ao sistema de alimentação de mudas. Aquelas consideradas semiautomáticas, ou seja, que necessitam da colocação das mudas no mecanismo distribuidor, possuem rendimento de 2.000 a 3.500 plantas/linha hora.

Com rendimento bem superior estão as automáticas, com capacidade de colocação de seis mil a 10 mil plantas/linha hora.

Esse tipo de máquina transplanta mecanicamente todas as espécies hortícolas que permitem a produção de mudas, como as hortaliças do tipo folhosas (alface, rúcula, couve-manteiga), hortaliças-fruto (tomate, pimentão, berinjela) e algumas raízes (rabanete e beterraba), além de espécies florestais e fumo.

Quando o espaçamento entre plantas é maior que o recomendado, ocorre a perda de produção pelo não aproveitamento de toda área que poderia ser plantada. A desuniformidade de espaçamento gera competição entre as plantas e compromete seu desenvolvimento individual, com consequente queda do rendimento e/ou qualidade do produto.

Dessa forma, os maiores benefícios são no caso de plantas que apresentam um espaçamento entre plantas menor, resultando em maior uniformidade de crescimento e menor competição intraespecífica.

À frente do tempo

A fabricante Yanmar apresenta a transplantadeira de mudas PH1.WA, equipamento de plantio de hortaliças (folhagens). Trata-se de uma máquina de pequeno porte, mas com potência e alta capacidade. O equipamento tem capacidade no tanque de 2,4L e autonomia de até sete horas.

Crédito: Yanmar

De acordo com a Yanmar, entre os benefícios que ela oferece estão maior tecnologia e qualidade para a produção agrícola. A máquina é capaz de plantar até 20.000 mudas em um único dia com apenas um colaborador, sendo que sua bandeja pode armazenar até 288 mudas.

Oferece produção mais ágil, com velocidade até três vezes mais rápida do que plantar à mão e plantio padronizado e uniforme, além da diminuição do índice de perda no plantio, pois não agride a raiz das mudas e há baixo custo de operação e manutenção.

A PH1.WA transplantadeira é um equipamento compacto e inovador, com motor quatro tempos que funciona com gasolina e é econômico. A máquina conta com dispositivos que acompanham o solo, garantindo um padrão de distância e profundidade entre as mudas.

Outro ponto ressaltado é o alto desempenho, sem desgaste físico para o operador, assim como o sensor de altura do equipamento, mantendo a profundidade da muda, e sensor de inclinação lateral de até 6º, possibilitando a correção de nível.

Portanto, a PH1.WA se apresenta como a solução para os produtores de hortaliças que quem querem crescer e ampliar seus cultivos.

Custo-benefício

Em geral, o uso dessas máquinas necessita apenas da mão de obra do tratorista e cerca de mais duas pessoas para a deposição das mudas. Apesar disso, a adoção da técnica utilizando as transplantadoras pelos pequenos agricultores enfrenta o desafio do custo de aquisição, aliado à fonte de potência exigida do trator para tracionar tais máquinas.

Esses agricultores possuem, na maioria das vezes, trator de rabiças, conhecidos popularmente como ‘tobata’ ou ‘microtrator’. Uma transplantadora de mudas contendo duas linhas de plantio se encontra no mercado na faixa de preço entre R$ 30.000,00 e R$ 40.000,00.

Deve ser levado em consideração que esse investimento se dilui devido ao maior rendimento que a máquina apresenta em relação ao transplante manual, além de reduzir custos de produção, principalmente com a mão de obra.

O investimento a ser realizado também se justifica pelo intenso uso ao longo do ano. Em comparação com a cultura de grãos, que apresenta no máximo três semeaduras, as hortaliças podem ser transplantadas durante todo o ano agrícola, caracterizando um retorno ainda mais rápido do capital.

Além disso, permite a produção de mudas vigorosas, em estágio fenológico mais avançado. A muda bem formada suporta melhor a competição com agentes nocivos, sejam eles insetos, patógenos, plantas daninhas, entre outros, o que favorece a homogeneidade no cultivo e a realização de operações mecanizadas na área.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nova geração de tomates híbridos enriquecidos com licopeno

Maria Esther de Noronha Fonseca Leonardo Silva Boiteux Pesquisadores da Embrapa Hortaliças " Brasília (DF) Importância do licopeno: o sinal vermelho contra o câncer " o pigmento...

Sementes Piraí­ – Adubação verde como proposta sustentável

Esta foi a 13ª participação da Sementes Piraí na Hortitec, um evento que abrange todo o segmento de hortifruticultura nacional e até mundial. “Como...

Fertilizante organomineral em hortaliças

Raphael Passaglia Azevedo Mestre em Ciência do Solo e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Agronomia " UFU raphaelpassaglia@hotmail.com Regina Maria Quintão Lana Doutora em Ciência do Solo...

Resistência: Qual o limite para os pimentões?

Autores Tadeu Antônio Fernandes da Silva Júnior Engenheiro agrônomo e doutor em Agronomia/Proteção de Plantas – FCA/UNESP Carolina Jordan Engenheira florestal e mestranda em...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!