23.3 C
São Paulo
sexta-feira, julho 1, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Tratamento de sementes de soja com cobalto, molibdênio e algas

Tratamento de sementes de soja com cobalto, molibdênio e algas

Evaldo KazushiTakizawa

Engenheiro agrônomo e consultor da Ceres Consultoria Agronômica Ltda.

evaldo@ceresconsultoria.com.br

Crédito Luize Hess
Crédito Luize Hess

O tratamento de sementes é um procedimento adotado em diversos cultivos, sendo que na soja é feito para protegê-la contra pragas, doenças e melhorar a nutrição das plantas.

Como procedimento de manejo de pragas e doenças, este é um processo realizado preventivamente antes do aparecimento do problema e bastante consagrado pelos resultados positivos.

Nas questões ligadas à nutrição da soja, são os micronutrientes (nutrientes exigidos em pequenas quantidades pela planta) os responsáveis por boas respostas, quando usados no tratamento de semente.

Nutrientes importantes

Entre os micronutrientes, os destaques são o molibdênio e o cobalto, recomendados em doses entre 12 a 25 gramas por hectare para o primeiro e 02 a 03 gramas por hectare para o cobalto. O tratamento de sementes de soja é uma das principais vias de fornecimento destes nutrientes.

A importância do molibdênio e cobalto é especialmente grande em solos do Cerrado, que normalmente são mais pobres que solos originários de outros tipos de vegetação no Brasil.

Uns pelos outros

O nitrogênio é o principal nutriente das plantas, responsável por vários processos fisiológicos, e na soja normalmente provém de uma associação ou simbiose entre a planta e uma bactéria vulgarmente chamada de rizóbio.

No processo chamado de fixação biológica de nitrogênio essa bactéria tem grande exigência em molibdênio, sendo que este micronutriente na soja também está relacionado a vários processos metabólicos ligados ao nitrogênio, portanto, essencial para boas produtividades.

A função do micronutriente cobalto é essencial na fixação do nitrogênio por participar de processos metabólicos dos nódulos onde estão as bactérias ou rizóbios.Semelhante ao molibdênio, a deficiência de cobalto é expressa na forma de deficiência de nitrogênio.

Deficiência hídrica em soja - CréditoEvaldo Kazushi
Deficiência hídrica em soja – CréditoEvaldo Kazushi

O fornecimento dos nutrientes

O molibdênio e o cobalto devem estar disponíveis antes dos 15 dias da soja, e quando o tratamento de sementes não foi realizado as aplicações foliares podem atender a necessidade da planta.

A qualidade e a fonte de molibdênio e cobalto são essenciais para obter os benefícios destes nutrientes. Especialmente no tratamento de sementes, o índice salino dos produtos formulados com esses elementos ou a salinidade (presença de sais) podem prejudicar a absorção de água da soja no início do processo de germinação.

A idoneidade do fornecedor do Mo e Co e a qualidade são características a serem analisadas antecipadamente ao tratamento de sementes, pois nem todos os produtos comerciais são compatíveis com a mistura dos demais produtos aplicados no tratamento de sementes.

 Esse aspecto da compatibilidade da mistura dos nutrientes Mo e Co com inseticidas e fungicidas utilizados no tratamento de sementes e a falta desta compatibilidade podem prejudicar a qualidade do tratamento de sementes, e em casos extremos a perda do poder germinativo e morte das sementes.

Fitotoxicidade CoMo - Crédito Evaldo Kazushi
Fitotoxicidade CoMo – Crédito Evaldo Kazushi

Associação com as algas

A associação de extratos de algas ao tratamento de semente é relativamente recente na soja, e o foco destes produtos é favorecer atividades de estimulação da planta aos estresses, buscando plantas mais saudáveis e melhorar a capacidade de superar as intempéries do ambiente.

O objetivo do uso de algas é promover efeitos de estímulos das plantas quando aplicados em pequenas quantidades. Desta forma, seus estudos no tratamento de sementes buscam agir como um potencializador metabólico por meio dos componentes de diversas espécies de algas, entre os quais se destacam os macro e micronutrientes, aminoácidos, vitaminas e hormônios. Tais elementos podem contribuir para situações de deficiência hídrica na fase de implantação da soja.

Muitos componentes das algas ainda são desconhecidos e seus efeitos sinérgicos estão sendo estudados. O progresso das pesquisas pode elucidar melhor as potencialidades do uso do extrato de algas no tratamento de sementes de soja e outros cultivos.

Mas, já se sabe que a proteção e a melhoria da capacidade da soja de suportar as pragas, doenças e estar bem estabelecida e nutrida na fase inicial é fundamental para garantir plantas saudáveis e, consequentemente, manter as estruturas reprodutivas, resultando em ganhos de produtividade e usufruto do potencial produtivo da região.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2016 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

 

 

Inicio Revistas Grãos Tratamento de sementes de soja com cobalto, molibdênio e algas