23.3 C
São Paulo
quarta-feira, julho 6, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Hortifrúti Trichoderma no controle da murcha de fusarium em maracujá

Trichoderma no controle da murcha de fusarium em maracujá

Fotos Alexei Dianese
Fotos Alexei Dianese

Existem dois tipos de murcha, causadas porfungos do gêneroFusarium, que atacam o maracujazeiro. Alexei De Campos Dianese, pesquisador e fitopatologista da Embrapa Cerrados, explica que há a murcha propriamente dita, causada por Fusariumoxysporum, e a podridão do pé ou podridão da raiz, causada por Fusariumsolani.

Sintomas

Os sintomas na parte aérea causados pelos dois fungos são muito similares. As folhas, em plantas atacadas, passam a ter uma coloração verde-fosca ou verde-amarelada, curva-se o limbo para cima formando canaletas e posteriormente murcham, secam e permanecem aderidas à planta.

Já na raiz ou no terço inferior do caule, o Fusariumoxysporum causa escurecimento dos tecidos internos, o que pode ser verificadoretirando a casca.“Isso porque o fungo penetra pela raiz ecoloniza os vasos que transportam água, sais minerais e nutrientes, causando seucolapso e matando a planta de ‘sede’“, justifica Alexei Dianese, acrescentando que, por mais que seja disponibilizada água para a planta, não haverá aproveitamento.

Já a podridão causada por FusariumSolani faz com que o terço inferior do caule apresente rachaduras longitudinais. Os tecidos internos também escurecem, mas, além disso,há o anelamento do colo da planta, região mais próxima ao solo. A casca morta se solta com facilidade.

De acordo com o pesquisador, ambas as doenças, quando ocorrem em pomar comercial, podem causar a perda total da área. A murcha causada por Fusariumoxysporum é mais comum em pomares instalados em solos arenosos, enquanto F. solani é mais frequente em solos argilosos e mal drenados.

“Mas isso não quer dizer que um não pode ocorrer onde o outro ocorre. Ambos podem causar perdas do pomar inteiro.Se ocorrer o plantio contínuo de maracujazeiros em área com histórico de murcha, isso pode acarretar na inviabilização da cultura no local.“, alerta Alexei Dianese.

 

Controle biológico

A eficácia docontrole biológico ainda é uma incógnita, poisse trata de um organismo vivo, que precisa colonizar e multiplicar-se naplanta ou no solo onde é aplicado, para se obter bons resultados. “Se o agente biológico não conseguir sobreviver e se multiplicar, não será eficiente.Em vários casos, o produto tem um bom desempenho no laboratório, que é um ambiente onde as condições podem ser controladas,mas não apresenta a mesma eficiência quando testado a campo, em que vários fatores podem ter influência, como: organismos vivos presentes no solo, temperatura, pH, umidade e tipo de solo. Os resultados também podem variar de região para região, dependendo também do tipo de manejo da área, e das condições ambientais“, analisa o pesquisador.

Muitos estudos estão sendo realizados utilizando o Trichoderma para o controle de fusariose no maracujazeiro. “Na Colômbia existem relatos sobre a aplicação de Trichodermaem mudas ainda no viveiro, antes do plantio, o que ajudou a reduzir a ocorrência da murcha em 50%“, aponta Alexei Dianese.

A planta murcha e seca - Fotos Alexei Dianese
A planta murcha e seca – Fotos Alexei Dianese

Manejo eficiente

Em termos de manejo, Alexei Dianeseafirma que existem recomendações preventivas para a murcha do maracujazeiro, como instalar os pomares em solos que não são sujeitos a encharcamento,onde o manejo da irrigação pode ser feito de forma adequada. “O ideal é que o solo da área escolhidapara o pomar tenha boa drenagem, não empoce, mesmo ocorrendo chuvas fortes. Plantar as mudas em camalhão(topo da cova) também é muito importante. Fazer vistorias semanais no pomar também é essencial e, se encontrar uma planta com sintomas de murcha retirá-la imediatamente, assim como as duas plantas ao seu lado, mesmo que não possuam os sintomas, para evitar que a doença se espalhe“, ensina.

O especialista diz que é muito comum machucar o caule da planta do maracujá no momento da capina, o que facilita a penetração do fungo no tecido, causando a doença.

É igualmente importante combater pragas como cupins e formigas, principalmente o primeiro, que ataca as raízes e deixa a “porta aberta“ para os patógenos. “O manejo deve ser preventivo.Quem usa irrigação por gotejo, por exemplo, deve tomar cuidado para não colocar o gotejador muito próximo ao pé da planta e encharcar demais o local“, recomenda o pesquisador.

 

Fique de olho

O problema com a murcha do maracujazeiro é muito sério. “No Distrito Federal já visitei pomares em que o produtor perdeu 100% da área plantada.O maracujazeiro é semi-perene, e um pomar deve durar, no mínimo,de dois a três anos, antes de ser renovado. No caso citado anteriormente, o produtor perdeu, no primeiro ano, 50% da área. Replantou e no segundo ano perdeu tudo. Isso porque oFusarium consegue sobreviver em restos culturais, como pedaços de raízes que ficam no solo.Além disso, o fungo tem estruturas de resistência, que permanecem dormentes no solo quando a condição ambiental não lhe favorece, ou não tem planta hospedeira.Quando as condições voltam a favorecer o patógeno, essas estruturas que estavam dormentes germinam, e o fungo volta a colonizar o solo e a planta hospedeira“, alerta Alexei Dianese.

Ainda segundo ele, se por alguns anos forem cultivadas plantas não hospedeiras, a tendência é que oinóculo diminua, pois, por exemplo, as estruturas de resistência do patógeno podem sofrer parasitismo por outros organismos habitantes do solo.A rotação de culturas, nesse caso,é essencial, pois aumenta a diversidade biológica do solo.

Essa matéria você encontra na edição de março 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

Inicio Revistas Hortifrúti Trichoderma no controle da murcha de fusarium em maracujá