Trichoderma: Qual o correto manejo de nematoides do morangueiro?

0
1579

Autor

Givago Coutinho
Doutor em Fruticultura e professor efetivo do Centro Universitário de Goiatuba (UniCerrado)
givago_agro@hotmail.com
Fotos: Ana Maria Diniz

Ao longo do ciclo de produção do morangueiro, que compreende desde a produção de mudas até a pós-colheita, diversos patógenos podem incidir na cultura, podendo ocasionar danos em todas as partes da planta. Dentre os principais patógenos da cultura, os fungos merecem atenção especial. Contudo, outros como bactérias, vírus, nematoides e fitoplasmas, também causam doenças e prejuízos à cultura.

Relatos na literatura citam a ocorrência de 51 fungos, três bactérias, 26 vírus e similares e oito nematoides como agentes causais, que podem ocasionar doenças importantes que ocorrem no morangueiro (Gubler e Converse, 1993).

Segundo Costa et al. (2011), os seguintes gêneros de nematoides incluem espécies potencialmente danosas à cultura do morangueiro, sendo eles Meloidogyne sp., Pratylenchus sp. e Aphelenchoides sp. e sua disseminação pode ocorrer por mudas doentes, água de irrigação e chuva e implementos agrícolas, podendo sobreviver na área pelo solo, mudas e hospedeiros alternativos.

Os sintomas apresentados pelas plantas infectadas por nematoides incluem o subdesenvolvimento e amarelecimento e, em alguns casos, como na ocorrência de nematoides do gênero Meloidogyne, observa-se a presença de galhas no sistema radicular das plantas infectadas.

Controle

Algumas medidas de controle de nematoides compreendem o controle químico, que consiste no uso de defensivos registrados para este fim, o cultural, como o alqueive, que segundo Inomoto, (2008), consiste em manter o solo sem vegetação por determinado período sendo revolvido por meio de aração e/ou gradagem, proporcionando assim a morte dos nematoides por inanição, dessecação e pela ação da luz e o biológico com a utilização de agentes como o Trichoderma, por exemplo.

Segundo Lucon, Chaves e Bacilieri (2014), o Trichoderma é um fungo filamentoso que apresenta crescimento rápido e produção de colônias com coloração predominantemente verde.

Assim, medidas que auxiliem no manejo correto e eficaz de nematoides na cultura do morangueiro são essenciais para o desenvolvimento da cultura e produção de morangos de qualidade, conforme será descrito a seguir.

Trichoderma x nematoides

O Trichoderma atua sob diversas formas contra os fungos patogênicos, destacando-se a produção de metabólitos tóxicos e de enzimas extracelulares, competição por nutrientes e nichos de colonização, além de indução de resistência na planta hospedeira. No caso do morangueiro, o Trichoderma tem se mostrado uma ferramenta eficiente contra nematoides.

Manejo

Produtos à base de Trichoderma são largamente utilizados no controle de doenças, sobretudo aquelas causadas por fungos de solo, ou seja, doenças ocasionadas por patógenos que permanecem a maior parte de seu ciclo de vida no solo.

Assim, estes produtos são também largamente utilizados no manejo de doenças de diversas culturas importantes, como feijão, soja, milho, hortaliças, incluindo o morangueiro, plantas ornamentais, dentre outras. As doses variam conforme o produto comercial utilizado e com a cultura, forma de tratamento e problema a ser controlado (Lucon, Chaves e Bacilieri, 2014).

Encontra-se registrado atualmente registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e disponível para consulta no Agrofit (MAPA, 2019) alguns produtos nematicidas microbiológicos e assim com ação nematicida, à base de Trichoderma.

Já há algumas opções disponíveis de nematicidas microbiológicos, cujos agentes pertencem ao gênero Trichoderma, fungos de ocorrência natural em solos.

Estudos

Silva et al. (2009), ao avaliarem a influência do sistema de produção (orgânico e convencional) do morangueiro e do tipo de cobertura do solo (cobertura viva de amendoim forrageiro (Arachis pintoi) entre as linhas de plantio; cobertura viva de grama esmeralda (Zoysia japonica) entre as linhas de plantio; cobertura morta constituída por palha seca de capim-elefante “Napier” (Pennisetum purpureum) e cobertura de plástico preto “mulching” no cultivo convencional) sobre populações de quatro espécies de fungos benéficos de controle biológico dos gêneros (Beauveria, Metarhizium, Paecilomyces e Trichoderma) observaram que os fatores: sistema de produção, tipo de cobertura do solo e estágio de desenvolvimento do morangueiro influenciaram a dinâmica populacional dos fungos benéficos em solos de Cerrado.

Os autores também observaram que os fungos Paecilomyces lilacinus e Trichoderma spp. ocorreram em todos os solos amostrados, enquanto Metarhizium anisopliae e Beauveria bassiana somente ocorreram em níveis detectáveis nos solos sob cultivo orgânico de morangueiro;

Erros

Os sintomas característicos de plantas infectadas por nematoides incluem o subdesenvolvimento e o amarelecimento da parte aérea. Contudo, estes mesmos sintomas podem ocorrer devido à ação de outros fatores, podendo levar assim a diagnósticos incorretos e imprecisos (Costa, 2019).

Segundo Sanhueza e Calegario (2006), há relatos de três grupos de nematoides que podem atacar o morangueiro, sendo:

Œ Aqueles que atacam e causam danos às raízes, como nematoide das lesões das raízes (Pratylenchus vulnus);

 Aqueles que atacam sobretudo as folhas mais jovens, que ficam assim reduzidas e malformadas, como o agente causal do enfezamento do morangueiro (Aphelenchoides besseyi).

Ž Espécie Meloidogyne hapla, que provoca a formação de galhas nas raízes.

Segundo os mesmos autores, P. vulnus não apresenta sintomas evidentes, provocando a redução do sistema radicular e da parte aérea da planta, podendo o que pode levar a diagnósticos incorretos, como deficiências minerais no solo.

Amostragem

A melhor forma de diagnosticar doenças causadas por nematoides é por meio de amostragem criteriosa e representativa de solo e partes vegetais e de análise laboratorial apropriada para esse fim.

Com relação aos agentes utilizados no controle biológico de pragas e doenças, dentre os organismos mais difundidos e utilizados estão os fungos do gênero Trichoderma e a bactéria Bacillus thuringiensis. Neste sentido, visa-se a redução no custo de produção e alta eficiência na utilização desta tecnologia, tornando os produtos disponíveis no mercado, mercado este que se encontra em expansão e apresenta alta demanda por produtos biológicos (Valicente et al., 2019).

Viabilidade

Bettiol et al. (2008) relatam que produtos à base de Trichoderma são largamente utilizados na produção de hortaliças, como o morangueiro, sendo comumente utilizado como agente no controle de diversos patógenos e também na confecção de substratos para produção de flores, visando o controle dos principais fitopatógenos presentes no solo, que podem ser disseminados por ele.

A utilização de produtos à base de Trichoderma proporciona a redução do controle químico com defensivos, reduzindo assim os riscos para produtores e consumidores, além de contribuir para a proteção do ambiente.