28 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiTripes - Praga agressiva e destruidora

Tripes – Praga agressiva e destruidora

Tripes é praga muito agressiva - Créditos Sidnei Peres
Tripes é praga muito agressiva – Créditos Sidnei Peres

O monitoramento é o ponto de partida para identificar a praga no campo, e as medidas de controle devem seguir recomendação técnica

 

O tripes é umas das principais pragas das hortaliças, causando prejuízos diretos e indiretos às culturas hospedeiras. Apesar de possuir aparelho bucal sugador, quando se alimenta da seiva ele causa sintoma de “raspa“ na epiderme das folhas e ramos devido à sua configuração bucal.

São insetos pequenos, variando de 0,5 a 13 mm de comprimento, com coloração variando de branco leite a amarelo, quando nas fases jovens, e coloração escura quando adultos. Na natureza ocorrem espécies, em sua maioria, fitófagas, porém, existindo também espécies predadores.

“Além dos prejuízos diretos à cultura hospedeira, o tripes pode transmitir viroses e, principalmente, abrir portas de entrada para fungos e bactérias, sendo esse último um dos principais problemas atuais que ocorre na cultura da cebola na região do Alto Paranaíba (MG). Em alta infestação já foram relatados danos maiores que 50% em produtividade e qualidade de bulbos“, alerta Sidnei Peres de Souza, engenheiro agrônomo do Grupo Okuyama-Hortland.

O ataque

O ataque no campo normalmente é fácil de ser identificado. A parte da planta atacada torna-se descorada, e no local da lesão há escurecimento do tecido, com posterior necrose, sendo que em algumas culturas pode ocorrer sintoma de “queimadura“ e “prateamento“.

Sidnei Peres informa que o ataque pode ocorrer desde o aparecimento das primeiras folhas até o final do ciclo da cultura, sendo intensificado pelo clima seco e temperatura média alta. “Em cebola, o tripes é hoje o principal inseto-praga, ocorrendo, em sua maioria, sob as bainhas das folhas, onde só são observados com maior atenção. Esse nicho de alimentação, associado à arquitetura e à cerosidade da planta de cebola, acabam se tornando sua maior defesa, pois nessas condições quase nunca são alcançados por produtos recomendados para seu controle“, ressalta o agrônomo.

Controle

Para controle dessa praga poucos métodos são realmente eficazes. Por se tratar de uma praga polífaga, diz Sidnei Peres, a rotação de culturas é pouco eficiente, a eliminação de soqueiras e dessecação antecipada da área de plantio podem ajudar. “Evitar cultivos escalonados em áreas próximas pode minimizar o ataque“, indica Sidnei Peres.

O controle biológico acontece naturalmente no campo, até mesmo por espécies de tripes predadores, porém, seu uso comercial é pouco conhecido. Uma adubação balanceada corrobora para uma melhor resposta de defesa da planta atacada.

O mais usual e eficiente método para controle utilizado hoje é o químico, existindo inúmeros defensivos registrados para controle dessa praga em cebola. No campo, os melhores resultados têm sido observados com o uso de produtos à base de neonicotinoides, por serem sistêmicos, porém, com melhor ação sobre as formas jovens (ninfas).

Produtos do grupo químico dos carbamatos e pirazois associados a uma isca, como açúcar ou outro atrativo do tipo, tem sido a melhor opção para controle dos insetos adultos, de acordo com Sidnei Peres.

Essa matéria você encontra na edição de março da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Correto manejo de adubação da abóbora tetsukabuto

A abóbora tetsukabuto apresenta características mercadológicas e produtivas atrativas aos olericultores, principalmente do Estado de Minas Gerais, polo produtor da cultura no Brasil, como a rusticidade, precocidade, valor agregado compensatório, elevado potencial produtivo (8 a 15 ton ha-1, a depender da cultivar), uniformidade dos frutos, resistência ao manuseio e tempo de prateleira extenso.

Bejo – 14 anos de Hortitec

  A Bejo Sementes participa da Hortitec há 14 anos, ou seja, desde que está estabelecida no Brasil. “A importância de estarmos neste evento é...

Como o solo se comporta na ausência da calagem

  Wellington Eduardo Xavier Guerra Engenheiro agrônomo, pesquisador, doutor em Agronomia, membro do Grupo de Pesquisa Agropecuária do Oeste Paulista " GPAGRO, pós-doutorando da Universidade do...

Trichoderma é a solução para pythium em sistemas hidropônicos

  Glaucio da Cruz Genuncio Doutor em Nutrição de Plantas " UFRRJ glauciogenuncio@gmail.com Elisamara Caldeira do Nascimento Doutoranda em Fitotecnia - CPGA-CS Anderson Claiton Ferrari Doutorando em Agronomia-CPGA-CS   A patogenidade de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!