Versatilidade e lucro no cultivo da seringueira

0
107

Autor

Antônio de Pádua AlvarengaEngenheiro agrônomo, doutor em Fitotecnia, pesquisador da Epamig e professor colaborador – Universidade Federal de Viçosa (UFV)padua.alvarenga@gmail.com

Seringueiras – Foto: Shutterstock

Há certa dificuldade no Brasil em se obter dados mais precisos de algumas culturas, e a seringueira não foge à regra. O Brasil possui hoje, aproximadamente, 180 mil hectares de seringueira plantada. Muito dessas áreas são plantios recentes, ainda em crescimento, somadas ainda a áreas no final do ciclo, de baixa produtividade e precisando de renovação, bem como aquelas em estado de abandono.

O Brasil produz cerca de 220 mil toneladas de borracha natural, dados aproximados. Nas regiões produtoras onde a atividade é considerada como de cultivo, ou seja, plantada, e a atividade é bem tecnificada, a produção está em torno de 7,0 kg/árvore/ano = 3.500 kg de coágulo/ha.

Nossa produtividade é superior à dos maiores produtores do mundo. Na região Amazônica, cuja atividade é apenas de extrativismo, a produtividade é muito baixa, reduzindo em muito a média nacional.

Oferta e demanda

Vale lembrar que o Brasil importa quase 70% do que consome de borracha natural. Sendo que, somos o país com o maior potencial de produção do mundo, seríamos capazes de ofertar toda a borracha natural consumida no mundo.

Apenas a título de exemplo, somente Minas Gerais possui uma área de 23 milhões de hectares aptos ao plantio de seringueiras – no mundo há cerca de 14 milhões de hectares plantados -, do mesmo modo, poderíamos citar Mato Grosso do sul, Goiás, dentre outros.

Principais regiões produtoras

Considerando seringais instalados ou de cultivo, seriam: Bahia, Espírito Santo, Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Norte do Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Maranhão e Rio de Janeiro. O Estado com maior área plantada e maior produtor é São Paulo, seguido da Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais empatados, Espírito Santo, Mato Grosso e Tocantins.

Possibilidades de rentabilidade com essa espécie

Nesta questão há um pouco do lado pessoal da resposta, por acreditar, em muito, na atividade. Mas terei diversos adeptos a essa nossa resposta. Provavelmente seja a atividade agrícola de maior rentabilidade. Mesmo passando por momentos de preços baixos, ainda é uma atividade rentável.

A cultura da seringueira tem impactos econômicos e sociais extremamente positivos para o agronegócio brasileiro. Além de ser uma cultura renovável, sua produção proporciona rentabilidade atrativa ao agricultor, adequada à pequena produção e à agricultura familiar, fixando populações no meio rural.

O que não se pode esquecer nunca é de adequar um bom manejo para a atividade. A gestão do seu seringal é fundamental para o melhor desempenho e melhor retorno econômico, principalmente em momentos de crise.

Planejamento

Considerando que a seringueira tem vida útil bastante prolongada, chegando aos 50 anos, a implantação e a condução do seringal requerem um planejamento criterioso, uma vez que qualquer erro ou omissão, durante o seu período de imaturidade, acarreta redução da produção e da produtividade da cultura.

Assim, quando se pretender instalar e explorar um seringal com resultados compensadores, deve-se atentar para práticas de manejos adequadas, pois um eventual insucesso pode ser percebido só num estádio avançado da cultura, quando os prejuízos já forem irreversíveis.

Vários são os aspectos a serem considerados, um deles, por exemplo, é o climático, mas que pode perfeitamente ser atenuado se a seringueira for implantada em solos profundos, permeáveis, arenosos e de textura média a argilosa, evitando solos que inibem a expansão do seu sistema radicular.

Importância do solo

No tocante ao solo, ele é importante componente edáfico, que influencia o estabelecimento e o desenvolvimento da seringueira. O solo deve ser capaz de reter e suprir umidade e nutrientes, além de apresentar porosidade, permeabilidade e adequado armazenamento de água.

Outro aspecto é o nutricional, lembrando que a seringueira é normalmente estabelecida em área de solos pobres. Sendo assim, na fase de desenvolvimento da seringueira, é muito importante o aporte de fertilizantes estimulando seu rápido crescimento para encurtar o período de imaturidade.

Seringueira como cultura complementar

Eu diria que a seringueira não é uma cultura complementar. Eu a classificaria como principal. Complementar seriam as demais culturas que entrariam em consórcio com a cultura da seringueira para fazer frente aos períodos de baixa ou de nenhuma extração do látex.

No Estado de São Paulo há propriedades onde a cultura possui uma rentabilidade superior à do gado de corte. É uma cultura que produz praticamente o ano todo. Dependendo do manejo, consegue-se extrair o látex durante 11 meses do ano, quiçá 12 meses.

Subprodutos

Há tempos encontramos em diferentes textos de jornais, revistas, livros, dentre outros, que a “borracha natural é uma matéria estratégica utilizada na manufatura de mais de 50 mil produtos, que incluem materiais médico-hospitalares, preservativos, calçados, roupas, pneus, peças automotivas, pisos, manta asfáltica, utensílios domésticos, brinquedos, móveis, material bélico, além de outros.

Isso acontece em função das características que a tornam insubstituível, como elasticidade, flexibilidade, resistência à abrasão e à corrosão, impermeabilidade e fácil adesão a tecidos e ao aço”. Porém, mais de 80% da produção mundial está direcionada aos pneumáticos.

O mercado está mais do que preparado para absorver toda a produção de borracha. São produtos essenciais e imprescindíveis ao nosso dia a dia. Poderíamos afirmar que o mercado mundial e as grandes economias giram em torno dessa “commodity”, que é a borracha natural.

Custo de produção x retorno

O custo de implantação de um seringal vai variar muito de região para região, em função do tipo de terreno e sua inclinação, tipos de preparo do solo (plantio direto ou preparo total da área), custo de mão de obra, de mudas e insumos.

Na implantação de um seringal podemos considerar uma variação de R$ 8.000,00 a R$ 10.000,00 por hectare. Já o custo de manutenção, até o início de produção, de R$ 6.000,00 a R$ 10.000,00 por hectare, considerando que um seringal entra em produção aos seis anos de idade. Este início de produção tem sido também muito variado entre produtores e regiões.

Alguns textos têm informado que o retorno econômico pode acontecer entre o 10º e o 12º ano de plantio. Porém, um manejo correto da cultura tem trazido produtividades excelentes que podem reduzir esse tempo de retorno econômico. Além do que, pode-se considerar, ainda, os consórcios com culturas de ciclo curto, nos primeiros anos de implantação, que podem amenizar os custos iniciais trazidos pela cultura.

Viabilidade

A meu ver, a heveicultura é uma atividade viável e altamente sustentável. Ela começa a produzir aos seis ou sete anos de idade, mas admite a associação de culturas intercalares, como o café, cacau, mamão, abacaxi, arroz, feijão, soja, hortaliças, entre diversas outras, como alternativa de renda. Seguindo um manejo correto um seringal tem uma vida útil que ultrapassa os 50 anos.

A seringueira também propicia elevados ganhos ambientais, uma vez que se trata de uma planta altamente eficiente no controle do efeito estufa. Sua capacidade de armazenar carbono é comparada às espécies mais eficientes do nosso sistema.

Estudos demonstram a eficiência da seringueira em estocar carbono atmosférico em quantidades equivalentes à de uma floresta natural, além do grande potencial para a preservação de mananciais e para a recuperação de solos degradados permitindo, ainda, a manutenção da vegetação natural entre linhas de plantio.

O desenvolvimento da seringueira é muito satisfatório quando cultivada em áreas degradadas e de relevo fortemente ondulado, desde que se utilize o manejo adequado.