19.6 C
Uberlândia
domingo, junho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasVespa-da-madeira alastra sobre florestas de pinus

Vespa-da-madeira alastra sobre florestas de pinus

Vespa-da-madeira alastra sobre florestas de pinus

Susete do Rocio Chiarello Penteado

Bióloga, Entomologista e pesquisadora Embrapa Florestas

susete.penteado@embrapa.br

Edson Tadeu Iede

Biólogo, Entomologista e chefe geral da Embrapa Florestas

 

Fêmea (esquerda) e macho (direita) da vespa-da-madeira - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Fêmea (esquerda) e macho (direita) da vespa-da-madeira – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Fêmea (direita) e macho (esquerda) do parasitoide I. leucospoides - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Fêmea (direita) e macho (esquerda) do parasitoide I. leucospoides – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Larva da vespa-da-madeira - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Larva da vespa-da-madeira – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Árvore atacada com a copa amarelada - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Árvore atacada com a copa amarelada – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Dose do nematoide e preparo do inóculo com gelatina - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Dose do nematoide e preparo do inóculo com gelatina – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Orifícios de emergência de adultos da vespa-da-madeira - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Orifícios de emergência de adultos da vespa-da-madeira – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Respingos de resina no tronco - - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Respingos de resina no tronco – – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Martelo de inoculação do nematoide - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Martelo de inoculação do nematoide – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Aplicação do nematoide na árvore - Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado
Aplicação do nematoide na árvore – Crédito Susete do Rocio Chiarello Penteado

Uma das principais pragas presentes nos plantios florestais de pinus, atualmente, é a vespa-da-madeira. No Brasil a praga está presente em aproximadamente um milhão de hectares de pinus, em diferentes níveis de ataque.

Os danos provocados pela vespa-da-madeira em plantios de pinus, no Brasil, são severos, podendo provocar um prejuízo estimado em até U$ 53 milhões anuais, considerando também os custos da colheita e de U$ 25 milhões anuais, quando considerada a madeira em pé.

Entretanto, pela correta utilização das medidas de prevenção e controle existentes, é possível reduzir essas perdas em pelo menos 70% e manter a praga sob controle.

Regiões afetadas

O primeiro registro de vespa-da-galha, no Brasil, ocorreu em fevereiro de 1988, nos municípios de Gramado, Canela e São Francisco de Paula (RS). Posteriormente, ela foi registrada em Santa Catarina (1989), Paraná (1994), São Paulo (2004) e Minas Gerais (2005).

A vespa-da-madeira é atraída, preferencialmente, por árvores estressadas, ou seja, aquelas que apresentam menor diâmetro e encontram-se suprimidas por outras de maior tamanho, ou que tenham sofrido algum tipo de injúria, por fatores bióticos ou abióticos, embora árvores dominantes também possam ser atacadas.

Durante a postura, além dos ovos, a fêmea introduz na árvore os esporos de um fungo simbionte, Amylostereum areolatum (que servirá de alimento às larvas) e uma mucosecreção. O fungo e o muco, juntos, são tóxicos à planta, levando-a à morte. Muitas das árvores atacadas podem apresentar clorose das acículas em torno de 10 a 14 dias após o ataque, sendo que o progresso desta clorose depende da intensidade do ataque e da suscetibilidade da árvore hospedeira.

Como detectar sua presença

As árvores atacadas pela vespa-da-madeira apresentam, geralmente, os seguintes sintomas:

ü Respingos de resina no tronco: surgem das perfurações feitas pelas fêmeas para depositar seus ovos; em alguns casos, como em P. elliottii, pode ocorrer o escorrimento de resina;

ü Amarelecimento da copa: após o ataque, as árvores começam a apresentar uma modificação na coloração das acículas, variando desde um tom amarelado, em um estágio inicial, passando pelo marrom-avermelhado, seca, até a queda das acículas;

ü Orifícios de emergência: os adultos emergem da madeira através de orifícios circulares facilmente visíveis na casca da árvore;

ü Manchas azuladas: a madeira atacada é colonizada também por um fungo secundário do gênero Botryodiplodia, que causa o seu azulamento. Estas manchas são visíveis em forma radial, em um corte transversal do tronco;

ü Galerias no interior da madeira: as galerias são construídas pelas larvas durante a sua alimentação.

Manejo

A prevenção do ataque da vespa-da-madeira pode ser obtida pela vigilância florestal e pela adequação de tratos silviculturais, recomendando-se:

– Realizar os desbastes nas épocas adequadas para evitar o surgimento de plantas estressadas e também desbastes seletivos, retirando-se árvores mortas, dominadas, bifurcadas, doentes e danificadas, as quais são atrativas ao inseto;

– Intensificar o manejo em sítios ruins, com solos rasos e pedregosos;

– Retirar restos de poda e desbaste, principalmente aqueles com diâmetro superior a cinco centímetros, pois estes apresentam condições para o desenvolvimento da praga;

– Evitar realizar operações de poda e desbaste dois meses antes e durante o período de revoada dos adultos, o que ocorre, geralmente, da segunda quinzena de outubro à primeira quinzena de janeiro, ou então realizá-las em áreas com menor risco de ataque, pois estas atividades atrairão a praga para estas áreas;

– Utilizar medidas de prevenção, detecção e controle de incêndios florestais;

– Treinar empregados rurais, de serrarias e de transporte de madeira para identificação da praga;

– Instalar grupos de árvores-armadilha próximos às regiões com a presença da praga. Árvores-armadilha são plantas que são estressadas artificialmente pela utilização de um herbicida, o que as tornam atrativas à vespa-da-madeira.

São utilizados grupos de cinco árvores e essa técnica é eficiente para a detecção precoce da praga e para o monitoramento de sua dispersão. A detecção precoce da vespa-da-madeira permite a liberação de inimigos naturais antes que a população provoque um nível de mortalidade de árvores superior a 1%.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro da revista Campo & Negócios Floresta. Clique aqui e adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

A hora da colheita da manga

Givago Coutinho Engenheiro agrônomo e doutor em Fruticultura givago_agro@hotmail.com Herick Fernando de Jesus Silva Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia/UFU herickfernando@gmail.com   O critério mais usado para a...

Lançamento da Dekalb bate recorde na colheita da segunda safra no oeste do Paraná

  Os benefícios da tecnologia para o milho VT PRO3 da Monsanto, aliados às qualidades do híbrido lançamento Dekalb DKB290, resultaram em números recordes na...

Como plantar chuchu e ter rentabilidade extra

Osvaldo P. Marques Filho Engenheiro agrônomo e extensionista agropecuário II da Emater osvaldo@emater.mg.gov.br   O chuchu apresenta uma boa oportunidade de renda, em função do ciclo curto, do...

Manejo biológico no incremento da produtividade da soja

Flávio Henrique Vasconcelos Medeiros Professor adjunto IV da Universidade Federal de Lavras, Departamento de Fitopatologia flaviomedeiros@dfp.ufla.br   O principal alvo biológico dos produtos à base de Trichodermaspp hoje...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!