15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiViveiristas do Brasil - Dicas para o verão

Viveiristas do Brasil – Dicas para o verão

 

 

 

José Carlos da Silva

 

Viveirista técnico ” CREA n° 170647 / TD

 

Viveiro Ponte Alta
Viveiro Ponte Alta

Nem sempre é a mesma coisa, ou seja, cada ano está um pouquinho mais quente e, para piorar, as chuvas estão diminuindo, principalmente em janeiro/fevereiro, época em que os dias são muitos longos. Estudos revelam que este quadro climatológico tende a piorar cada vez mais as condições para exploração agrícola.

Ciente desta situação, não podemos nos acomodar. Temos que investir em equipamentos, treinamento de pessoas e implantar técnicas a fim de compensar as mudanças drásticas que vêm ocorrendo na natureza.

Não cabe, neste momento, descrever o que devemos fazer para reverter esta situação, e sim algumas práticas para enfrentar o sol escaldante de dezembro, janeiro e fevereiro.

Dicas

Regras básicas para um manejo técnico:

  • Ø Instalação de uma tela de 50% de sombra, manejável na parte interna das estufas (viveiros), de preferência automatizada.
  • Ø Mínimo de 4 m de pé direito nas laterais, e saída de ar quente na parte superior. Dar preferência por sistemas de irrigação por bailarina bem distribuída que, além de irrigar, melhora a temperatura e a umidade do ar, otimizando o microclima da estufa. O mesmo efeito não é possível se utilizamos barras de irrigação.
  • Ø Efetuar a primeira irrigação do dia bem cedo, entre seis e oito horas da manhã. Neste horário é importante, também, efetuar a fertirrigação, pois é quando as plantas estão “ativas“ e com grande poder de absorção. Outra grande importância da irrigação neste horário é a derrubada do orvalho, ou seja, de gotículas muitas vezes contendo substâncias indesejáveis, expelidas pelos estômatos, durante a noite no processo de transpiração das plantas.
  • Ø Utilizar substratos formulados a partir de materiais não compostados ou mistos, que proporcionam maior aeração em um domínio maior sobre a muda por parte do viveirista.
  • Ø Mais empenho, dedicação e vigilância com os olhos na bandeja e o dedo no sweet da bomba de irrigação.

Sucesso a todos, e até breve.

Essa matéria você encontra na edição de outubro  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Irrigação em goiaba visando altas produtividades

José Augusto Maiorano Engenheiro agrônomo e diretor da CATI Regional Campinas maiorano@cati.sp.gov.br As exigências da goiaba no que diz respeito à irrigação dependem da idade da cultura....

Fertilizantes enriquecidos com promotores de crescimento melhoram a qualidade da batata

Witor Lucio de Carvalho Silva Engenheiro agrônomo e consultor de vendas witorlucio@yahoo.com.br Uma novidade na produção de batata é o uso de fertilizantes enriquecidos com micronutrientes...

Ginegar – Cultivo protegido tem nome

Desde 2001 a Ginegar participa da Hortitec, uma oportunidade que Alessandro Mangetti, diretor de Vendas e Marketing da empresa enxerga para expor as tecnologias voltadas para a área de produção em ambiente protegido na área vegetal e animal, bem como o lançamento de novas tecnologias no mercado brasileiro provenientes de trabalhos de pesquisa e desenvolvimento em Israel e no Brasil.

Cálcio, boro e aminoácidos na proteção de anomalias fisiológicas do tomate

Danielle Perez Palermo daniellepalermo@ufrrj.br Carlos Antonio dos Santos carlosantoniods@ufrrj.br Engenheiros agrônomos e mestrandos em Fitotecnia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Margarida Goréte Ferreira do Carmo Engenheira...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!