Inicio Revistas Hortifrúti Viveiro Ponte Alta – Bandejas e máquinas para viveiristas

Viveiro Ponte Alta – Bandejas e máquinas para viveiristas

0
726
O empresário José Carlos da Silva e TikaFukumoto,do departamentofitossanitário Fotos Viveiro Ponte Alta
O empresário José Carlos da Silva e TikaFukumoto,do departamentofitossanitário Fotos Viveiro Ponte Alta

 

A Ponte Alta – Mecanização Para Viveiros esteve presente pelo segundo ano na Hortitec, neste ano em parceria com a Tropical Estufas. Seu foco, para esta edição, foi o lançamento das bandejas descartáveis para a formação de mudas de hortaliças e ainda da máquina de encher as bandejas.

“O fato de as bandejas serem descartáveis garante a sanidade total para o viveirista e otimização da atividade, facilitando o trabalho, a produção e a comercialização das mudas. Esta inovação, por si só, proporciona um crescimento da atividade, até porque se trata de um material ecologicamente correto, de poliestireno 100% reciclável“, considera José Carlos da Silva, proprietário daPonte Alta – Mecanização para Viveiros e do Viveiro Ponte Alta – Hortaliças & Florestal.

Esta empresa é pioneira na introdução (há 17 anos) e comercialização de bandejas descartáveis para produção e comercialização de mudas de hortaliças no Brasil, tendo sido reconhecida pelas maiores empresas sementeiras do Brasil, comoSakata, Agristar, Feltrin, e grandes viveiros, como Celeiro Verde, IBS Mudas, AgromudasKamará, Agro Shop, entre outros.

 Estoques de bandejas para garantir o fornecimento aos clientes Fotos Viveiro Ponte Alta
Estoques de bandejas para garantir o fornecimento aos clientes Fotos Viveiro Ponte Alta

A empresa

O Viveiro Ponte Alta, há 30 anos no mercado de produção de mudas e desenvolvimento de máquinas, fica localizado em Alfenas (MG), onde são produzidas as mudas e prestada assessoria, assistência ao viveirista e a fabricação das bandejas. “Atualmente produzimos todas as mudas de hortaliças, além de maracujá, eucalipto, flores e muitas outras, sendo o foco principal as HF e o eucalipto“, declara José Carlos, que tem planos de crescimento e lançamento de produtos, com sua expertise e dom para a engenharia mecânica voltada para os viveiristas.

A capacidade de produção chega a 12 milhões de mudas por mês, ou 75 a 80 mil bandejas ao mês. O diferencial do Viveiro Ponte Alta, portanto, é a quantidade de mudas produzidas e comercializadas, sendo que todos os produtos lançados no mercado passam, antes, por teste e aprovação dentro das suas instalações.

Juntamente com a Tropical Estufas, o Viveiro Ponte Alta desenvolveu o sistema de bancadas específicas para serem instaladas dentro das estufas, visando apoiar e receber as bandejas, conduzir e formar as mudas. Outro produto também desenvolvido em parceria com a Tropical Estufas foram os engradados,que fazem a acomodação das bandejas em caminhões baús, garantindo a qualidade das mudas até o campo de plantio.

Processo de produção totalmente automatizado Fotos Viveiro Ponte Alta
Processo de produção totalmente automatizado Fotos Viveiro Ponte Alta

As bandejas

Quando as bandejas começaram a ser utilizadas no Brasil, há 20 anos, pouco material era importado da Holanda e da Argentina, direcionado somente para as flores. “Há 17 anos incorporei esse material, acreditando que poderia dar certo em nossa produção de mudas, quando abandonamos a bandeja de isopor e desenvolvemos uma máquina simples, com capacidade para produzir 300 bandejas por dia. Atualmente, já temos máquinas que produzem 25 bandejas por minuto, uma grande evolução“, relata José Carlos.

Ele lembra que passou por várias adaptações até chegar ao ponto que desejava, visando a produção de mudas de hortaliças, como estrias diferenciadas para direcionar o sistema radicular na vertical, que não provocam o enovelamento; design que, além de ser técnico para a muda também agrada ao produtor; telescopagem, para facilitar o desempilhamento durante o manuseio no viveiro, em ângulos que permitem o saque perfeito das mudas, entre outras vantagens.

Hoje, o Viveiro Ponte Alta tem uma bandeja inédita, capaz de desempilhar em uma máquina automática, sem contato manual ou atrito no empilhamento, com estrias assimétricas que não provocam o enovelamento, direcionando o sistema radicular perfeitamente na vertical.

Outro ponto interessante é que, com o passar dos anos, a empresa desenvolveu todo o knowhow para esclarecer as dúvidas dos produtores e, principalmente, dos viveiristas, sobre o uso acertado desse material descartável e informações sobre a aceitação do produto no mercado.

 

Lâminas separadoras de bandejas utilizadas no manuseio durante o processo de semeação. Ideal para automação ou no processo manual. Possui dois oblongos lisos para aderência da ventosa das máquinas semeadeiras. Este é um produto inédito para resolver com eficiência a aderência entre uma lâmina e outra, devido à  ausência de ar Fotos: Viveiro Ponte Alta
Lâminas separadoras de bandejas utilizadas no manuseio durante o processo de semeação. Ideal para automação ou no processo manual. Possui dois oblongos lisos para aderência da ventosa das máquinas semeadeiras. Este é um produto inédito para resolver com eficiência a aderência entre uma lâmina e outra, devido à ausência de ar Fotos: Viveiro Ponte Alta

Lâminas Separadoras – ferramenta para os viveiristas

 

APonte Alta – Mecanização para Viveiros está lançando, também, uma lâmina separadora recomendada para o empilhamento de bandejas no viveiro, a qual é corrugada para não aderir à outra, facilitando a mecanização de todo o processo. Ao mesmo tempo, a lâmina possibilita a entrada de ar entre ela e a bandeja, fazendo com que a retirada da lâmina e o manuseio da bandeja na distribuição no viveiro não ‘saque’ a muda recém-geminada.

A empresa produz todo tipo de bandeja, com variados números de células para atender os diversos cultivos de HF, eucalipto, café, nativas, flores, entre outros.

Máquina

A máquina, chamada Enchedora Contínua de Bandejas, desenvolvida pelaPonte Alta de forma pioneira, já está no mercado há 10 anos, e atende desde o pequeno, médio ao grande viveirista. Ela enche e marca as bandejas, sendo sua capacidade para hortaliças de até 1.200 bandejas por hora, deixando-as prontas para serem semeadas de forma manual ou automática. “Entre suas vantagens está a simplicidade de manusear, de fazer a manutenção e com custo relativamente acessível, comparado aos materiais importados“, expõe José Carlos.

Essa máquina já está sendo fabricada em linha comercial, e conta com toda a assessoria técnica e peças de reposição, quando necessário. O custo, atualmente, é de R$ 62 mil, o que reverte facilmente, já que o enchimento das bandejas é uma das maiores dificuldades do viveirista.

“Pretendemos ampliar a linha dessa máquina, evoluir e lançar outros modelos no mercado, sendo que para isso contamos com uma empresa parceira, a Plast Termo, que foi terceirizada na fabricação das nossas máquinas. Assim, teremos condições de atender com mais diversidade e qualidade a parte de mecanização de viveiros em todo o Brasil“, diz o proprietário do Viveiro Ponte Alta.

José Carlos tem experiência comprovada para garantir aos seus clientes o que sabe fazer de melhor: semear e otimizar a produção em uma escala profissional, apresentando soluções para a agricultura cada vez mais técnica e produtiva.

Este é o grande diferencial da Ponte Alta – Mecanização Para Viveiros; ou seja, 30 anos de dedicação total à produção de mudas, oferecendo um pacote tecnológico que realmente entrega soluções e viabilidade para a produção e comercialização de mudas em bandejas descartáveis.

Diversos modelos de bandejas para atender todas as necessidades Fotos Viveiro Ponte Alta
Diversos modelos de bandejas para atender todas as necessidades Fotos Viveiro Ponte Alta

Caros amigos viveiristas, plantem esta ideia: bandejas descartáveis, uma garantia de sanidade total em mudas.

Essa matéria você encontra na edição de julho da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua.

SEM COMENTÁRIO