Agricultura de Precisão exige planejamento e exatidão no uso de insumos

0
57

Crédito Shutterstock - Agricultura de precisão Precisão e planejamento da atividade

 

 

O solo apresenta macro, meso e microvariações em sua composição física e, sobretudo, química. A variabilidade espacial dos atributos do solo, constatada em estudos que envolvem a geoestatística, é ocasionada pela variação das propriedades físicas do solo, em função da variação do material pedogenético, da presença de matéria orgânica e microrganismos decompositores, resíduos de adubações anteriores, umidade, entre outros fatores.

Em outras palavras, os nutrientes estão no solo em quantidades e proporções diferentes, devido a fatores físicos, químicos e biológicos, variando a curtas, médias e longas distâncias.

Felipe Santinato, engenheiro agrônomo, pesquisador autônomo e mestrando em Produção Vegetal na Universidade Federal de Viçosa (UFV) ” Campus Rio Paranaíba, explica que quando se procede à amostragem de solo para determinar sua fertilidade numa área em que será instalada uma cultura, como a do café, utiliza-se a metodologia clássica de coleta de 20 amostras simples para compor uma amostra composta, a qual representará uma área uniforme de até 20 hectares.

Ele esclarece que, a partir desses dados, cabe ao engenheiro agrônomo responsável determinar as quantidades de fertilizantes a serem aplicadas na área como um todo, corrigindo níveis considerados insuficientes. Por não levar em consideração a elevada variabilidade espacial da fertilidade do solo, notadamente de fósforo (nutriente de alta complexidade em virtude de sua alta fixação no solo), aplicam-se quantidades de fertilizantes excessivas em alguns setores dessa área e insuficientes, em outros.

 

Equilíbrio é fundamental

 

A aplicação de doses insuficientes de fertilizantes irá refletir em sintomas de deficiências nutricionais que, caso não sejam corrigidas pelas adubações de cobertura, irão reduzir a produtividade. Por outro lado, pondera Roberto Santinato, engenheiro agrônomo, pesquisador e consultor da Fundação Procafé, não menos importante, a adubação em excesso será um desperdício financeiro, além de ser possível promover desequilíbrios nutricionais como os que envolvem Ca, Mg e K, bem como a elevação excessiva do pH, que indisponibilizará alguns nutrientes, como os micro, e, ainda, a possibilidade de toxidez de outros nutrientes, como o boro e outros.

“A metodologia clássica de amostragem sempre funcionou e sempre funcionará para as recomendações de adubação. No entanto, para que se tenha maior exatidão nas correções, com a finalidade de obter produtividades maiores e a aplicação de insumos de maneira racional, sem desperdícios, a tendência é a utilização das metodologias de amostragem atribuídas à Agricultura de Precisão (AP)“, define o especialista.

Resumidamente, ele explica que a AP compreende uma amostragem mais detalhada, com base em grides de amostragem pré-definidos, utilizando pontos georreferenciados. Faz-se o cruzamento dos dados obtidos nas amostragens com os pontos amostrais, realizando as interpolações e gerando mapas de atributos.

Na sequência, são criadas classes dentro dessas manchas, como teores muito baixos, baixos, médios e elevados de fósforo no solo, e suas respectivas doses ideais para correção. Por fim, aplica-se cada dose específica em cada classe de mancha.

 

Para ler essa matéria completa, adquira já o exemplar de maio da revista Campo & Negócios Grãos. Entre em contato conosco. (34) 3231- 2800.