28.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosAlgodão: respostas à correção do solo

Algodão: respostas à correção do solo

O uso do calcário é um grande aliado para essa cultura e traz muitas vantagens no seu uso

Foto: Shutterstock

Edson Pereira Mota
Doutor em Ciências/Solos e Nutrição de Plantas – ESALQ/USP e professor de Solos – Faculdade de Ensino Superior Santa Bárbara (FAESB)
prof.edson.mota@faesb.edu.br

O algodão está presente em nossa rotina diária. Do momento que acordamos até o encerramento de nosso dia, em algum momento (ou continuamente) estamos em contato com esse produto agrícola. Nesse sentido, torna-se evidente sua importância e possibilidade de exploração, cabendo à agricultura encontrar meios mais eficientes e produtivos para o seu cultivo.

Importância econômica

O Brasil é um grande produtor de algodão. Segundo dados da USDA (2024), ocupamos a 3ª posição no ranking dos maiores produtores e representamos cerca de 12,9% da produção mundial, ficando atrás apenas de players como China (24,3%) e Índia (22,1%), com a primeira e segunda posições, respectivamente.

Juntos, esses três países emergentes representam quase 60% de todo algodão produzido no mundo. Assim como produtor, o país também se posiciona como o segundo maior exportador, direcionando o algodão produzido para países como China, Vietnã e Turquia, além de vários outros do continente asiático.

Para a manutenção desse status e posicionamento brasileiro no agronegócio mundial do algodão, precisamos olhar para a base agrícola, ou seja, os princípios básicos e fatores de produção que possibilitam o desenvolvimento da atividade algodoeira com eficiência técnica e econômica.

Limitações à produção

Dentro dos fatores de produção (clima, solo, genética, plantas invasoras, pragas, doenças e outros), aquele que mais limita o potencial do cultivo do algodão e pode ser controlado é o solo, isto é, a fertilidade do perfil é vital para o sucesso do cultivo do algodão.

Nutrir a planta de algodão de maneira adequada é fundamental não apenas por produzir as médias de produtividade brasileiras de 285 @/ha (CONAB, 2024), mas também pelo fato de se tratar de uma cultura em que a qualidade do produto é influenciada e considerada para comercialização.

Altos níveis de produtividade sem bons parâmetros de qualidade da fibra do algodão, tais como fiabilidade, comprimento, uniformidade, resistência e maturidade da fibra, ou outros, como cor e reflectância, não irão resultar no potencial sucesso que o produtor pode obter nessa atividade.

Nutrição é a resposta

Surge a pergunta: como deve estar nutrida a planta de algodão para que bons resultados possam ser obtidos?

A cada 67@/ha produzidas (1,0 tonelada/ha), a planta de algodão chega a extrair 180 kg de macronutrientes, sendo que os primários (N, P e K) representam 60, 10 e 60 kg, respectivamente; enquanto os secundários (Ca, Mg e S) compõem 25, 15 e 10 kg, respectivamente (Rosolem, et al., 2023). 

Destaca-se que, além destes, os micronutrientes são muito importantes, não existindo cultivos de alto rendimento sem considerar o correto manejo destes nutrientes essenciais.

Neste ponto, já temos bem conhecido que o cultivo do algodão brasileiro tem importância mundial e que a correta nutrição da planta, muito exigente em nutrientes, é ponto-chave para o sucesso da atividade.

Assim, para que a fertilidade do solo esteja adequada e o fornecimento de nutrientes seja eficiente, é necessário que o preparo do solo seja feito com técnica, atenção e qualidade, onde pode-se ressaltar o uso da calagem com o calcário agrícola.

Como funciona

A calagem consiste em uma operação de correção do solo com o uso do calcário, e visa ajustar os níveis de acidez do solo, para que todos os nutrientes os quais a planta de algodão necessita para bons resultados fiquem disponíveis para absorção pelas raízes.

O cultivo do algodão é muito sensível a solos ácidos (pH baixo) e muito responsivo à alta saturação de bases do solo (V% alto ~ 80%), ou seja, o uso do calcário é um grande aliado para essa cultura agrícola e traz muitas vantagens no seu uso. Nesse contexto, temos dois pontos a considerar: pH do solo e V%.

A acidez (pH – potencial de íons H+ na solução do solo) dos solos brasileiros, principalmente os de Cerrado (maior região produtora de algodão), é bem conhecida. Dada a sua formação, tem-se baixos valores de pH (excesso de H+) e altos teores de alumínio (Al3+), assim, condições de disponibilidade de nutrientes deficitária.

O pH do solo pode interferir na disponibilidade dos nutrientes, tornando a necessidade da sua correção ainda mais evidente (Figura 1).

Figura 1. Gráfico demonstrativo da dinâmica do pH frente a disponibilidade de nutrientes (Malavolta, 1979)

A aplicação do calcário para a correção do solo, então, possibilita que ocorra a diminuição da acidez com a elevação do pH, neutralização do alumínio e, assim, os nutrientes possam estar em condições para melhor absorção pelas raízes da planta, otimizando o fornecimento de nutrientes.

Mas, o que seria o calcário?

O calcário é o produto mais utilizado na operação de correção do solo – trata-se de uma rocha de origem sedimentar, composta basicamente de carbonato de cálcio e carbonato de magnésio (CaCO3 + MgCO3).

Ao observar a sua composição, pode ser percebido que, além de possibilitar neutralizar a acidez do solo (Figura 2), esse produto ainda fornece nutrientes para o algodão, como o cálcio (Ca2+) e o magnésio (Mg2+).

Figura 2. Dinâmica de neutralização do pH do solo, com base no carbonato de cálcio e de magnésio

Saturação de bases

O fornecimento de nutrientes contidos no calcário nos leva ao segundo ponto de discussão citado – a saturação de bases (V%). A saturação de bases do solo, basicamente, é o quanto o solo tem de seus espaços disponíveis preenchidos com as bases do solo/nutrientes (bases: cálcio, magnésio e potássio no complexo de troca de cargas do solo à Ca, Mg e K na CTC).

O calcário libera espaços antes ocupados por hidrogênio (H+) e alumínio (Al3+) para retenção de nutrientes no solo e, com o fornecimento do Ca2+ e Mg2+, permite que ocorra elevação na saturação de bases.

Como citado, recomenda-se que, para o cultivo do algodão, o solo atenda a condições de 80% da saturação de bases, o que representa 80% dos seus espaços potenciais disponíveis para a retenção das bases do solo.

Foto: Shutterstock

Benefícios para o algodão

Destaca-se que o cálcio fornecido pelo calcário via calagem é uma grande vantagem para o cultivo do algodão, pois possui várias funções na planta, sendo a principal a estrutural, com a composição da parece celular (pectato de cálcio), ou seja, é um elemento que participa da estrutura física da planta.

Sendo o algodão muito valorizado por aspectos de qualidade voltados ao potencial físico de suas fibras, como citado anteriormente, torna o cálcio vital para bons retornos econômicos ao produtor.

Tem-se, também, que o cálcio em sua função estrutural é um grande responsável pelo desenvolvimento das raízes das plantas, fazendo com que o seu fornecimento e melhor desenvolvimento radicular potencialize a eficiência da absorção dos outros nutrientes e, até mesmo, possibilite maior resistência do algodão ao estresse hídrico, já que raízes mais bem desenvolvidas exploram melhor o solo e sua água disponível retida.

Além disso, o cálcio participa como cofator para algumas enzimas, faz parte de alguns sais nas plantas e ativa algumas enzimas em processos metabólicos no algodão.

Recomendações

A operação da calagem é determinante para o sucesso do cultivo do algodão, desta forma, fica o questionamento – como recomendar a calagem para o algodão e usufruir de seus benefícios?

O primeiro ponto a ser observado é a realização de uma boa e representativa análise de solo, assim, verificando as reais necessidades de correções e ajustes na fertilidade, no caso da correção do solo, verificando os níveis do pH, bases do solo (Ca, Mg e K), alumínio, CTC e V%.

A análise de solo bem-feita e representativa (sim, é importante enfatizar a “representativa”) é uma das ferramentas mais fortes que o produtor de algodão (e qualquer cultivo agrícola) pode dispor para se programar e atuar com assertividade no seu sistema de produção.

Com a análise de solo realizada e os critérios citados verificados, a aplicação do calcário pode ser dar com base em três abordagens: saturação de bases (V%); teores de cálcio, magnésio e alumínio (Ca2+ e Mg2+ isolados, Al3+ isolado, ou combinação de Ca2+ e Mg2+ e Al3+); e solução SMP (pH).

A metodologia da saturação de bases (V%), muito utilizada no Estado de São Paulo, considera o preenchimento dos espaços do solo com as bases (Ca, Mg e K) para atender à necessidade do algodão.

É uma metodologia interessante por considerar os nutrientes, a acidez do solo e a CTC (espaço para retenção de nutrientes) (Equação 1):

 Onde:

NC = necessidade de calagem

V2 = saturação de bases desejada para o algodão (80%);

V1 = saturação de bases do solo (resultado da análise de solo);

T = CTC potencial do solo (resultado da análise de solo);

PRNT = poder relativo de neutralização total (garantia que consta no rótulo do calcário).

A metodologia que considera os teores de cálcio, magnésio e alumínio pode ser dividida em duas recomendações, as mais utilizadas no cerrado e Paraná (Equações 2, 3, 4 e 5), que consideram teores de argila do solo, ou seja, o poder tampão (resistência a alterações), e os níveis das bases do solo e, a utilizada em Minas Gerais (Equação 6), que consideram aspectos das plantas, teores de argila do solo e os níveis das bases do solo.

 Onde:

NC = necessidade de calagem;

Ca = teores de Ca2+ (resultado da análise de solo – cmolc/dm3);

Mg = teores de Mg2+ (resultado da análise de solo – cmolc/dm3);

Al = teores de Al3+ (resultado da análise de solo – cmolc/dm3);

Argila = teor de argila do solo (resultado da análise textural do solo);

NC (t ha-1) = [(I x Y x Al3+) + (X – (Ca2+ + Mg2+)] (Equação 6)

Onde:

NC = necessidade de calagem;

I = fator da planta (1,0 tabelado para algodão);

Y = Variação na textura (1 – arenoso, 2 – médio, 3 – argiloso, 4 – muito argiloso);

X = Necessidade de Ca e Mg (3,0 tabelado para algodão);

Ca = teores de Ca2+ (resultado da análise de solo – cmolc/dm3);

Mg = teores de Mg2+ (resultado da análise de solo – cmolc/dm3);

Al = teores de Al3+ (resultado da análise de solo – cmolc/dm3);

Argila = teor de argila do solo (resultado da análise textural do solo).

O que fazer

Foto: Shutterstock

A última forma de recomendação é o tampão SMP, que se baseia em uma solução tamponada (com resistência à alteração) em pH 7. O solo é colocado nessa solução e verifica-se a intensidade de abaixamento do valor de pH.

Assim, com esse valor de abaixamento, utilizam-se tabelas calibradas que informam a quantidade de calcário a se aplicar para cada valor de pH que se queira elevar. Destaca-se que, como cada localidade possui variações de solo e clima, uma nova calibração sempre é necessária, o que torna o método rápido em execução, mas trabalhoso para o processo de preparação de uso.   

Independente da recomendação escolhida, sempre se deve atentar para a análise de solo e boletins de recomendação da região de produção do algodão. Fica claro que o cultivo do algodão tem respostas positivas à correção do solo e o calcário, produto de baixo custo e bons benefícios, pode determinar o sucesso técnico e econômico do produtor rural.

LEIA TAMBÉM:

ARTIGOS RELACIONADOS

Os benefícios do pó de rocha

Os remineralizadores de solo, ou pós de rocha, como são conhecidos, são insumos estratégicos que contribuem para a disponibilização de nutrientes ao solo.

Helicoverpa armigera ataca soja recém-plantada

  Márcio Fernandes Peixoto Entomologista e professor do Instituto Federal Goiano de Rio Verde marcio.peixoto@yahoo.com.br A cultura da soja tem passado por intensas transformações na última década,...

Produtores de soja aumentam a colheita em até 18% com uso de algas marinhas

Cada vez mais presente nas lavouras, a Lithothamnium segue surpreendendo com resultados expressivos, tanto na produtividade como na qualidade das colheitas   O uso da alga...

Frutas e hortaliças gourmets – Valor agregado garantido

Novos sabores, cores, formatos, aromas, texturas e melhor qualidade. Estas palavras são capazes de representar o significado de um novo e lucrativo nicho de mercado - as hortaliças gourmets. Esse segmento engloba produtos que se diferenciam pelo visual e sabor extremamente atraentes e pela máxima qualidade, com vistas a serem utilizados na alta gastronomia e por consumidores que prezam pelos benefícios de uma alimentação saudável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!