21.6 C
Uberlândia
quinta-feira, maio 30, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosAnomalia da soja exige variedades menos suscetíveis

Anomalia da soja exige variedades menos suscetíveis

Diante da anomalia da soja, a busca por variedades menos suscetíveis é crucial para a estabilidade e prosperidade das lavouras.

Fernanda Lourenço Dipple
Engenheira agrônoma, mestre e professora de Microbiologia e Fitopatologia – Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)
fernanda.dipple@unemat.br

Um dos temas que mais tem trazido preocupação aos produtores, principalmente do centro-oeste, se refere ao apodrecimento de grãos e vagens, conhecido popularmente como anomalia da soja.
Pesquisas indicam que a causa do problema é biótica, e já é possível indicar que algumas cultivares são mais suscetíveis à anomalia do que outras. Portanto, o primeiro passo do produtor, neste momento, é se atentar quando for escolher variedades para a safra 2023/24.

Sintomas de anomalia em lavoura de soja
Foto: Fundação MT

Conhecendo a doença e a região de sua incidência

A região do médio norte do Mato Grosso, próxima à rodovia BR 163, vem sofrido nas últimas safras (anos agrícolas) de soja com uma doença que preocupa muitos produtores e até pesquisadores.
Porém, por meio de muitas pesquisas e trabalhos no Brasil, todo esse mistério já está desvendado antes de começar essa safra 23/24.
A anomalia da soja pode causar diversos sintomas, como a podridão de grãos, podridão de vagens, abertura de vagem, podridão de grãos com vagem verde, germinação das sementes/grãos nas vagens, etc.
A preocupação é que esta doença está correlacionada com diversos patógenos, condições ambientais e material genético (variedade) mais suscetível, sendo de sintomas complexos e extremamente grave, pois pode afetar drasticamente a produtividade.

Pesquisas a todo vapor

Um ponto inicial que temos que abordar é lembrar em que época do ano realizamos a safra de soja. Apesar de mudar um pouco por região a janela de semeadura, o plantio ocorre no verão, período com bastante pluviosidade e condições favoráveis ao desenvolvimento dos patógenos.
Estes últimos dois anos foram de muitas pesquisas e desafiador para todo o setor de fitopatologia e produção de sementes de soja, principalmente na região da BR 163. Grupos de pesquisas, laboratórios de fitopatologia e empresas privadas, bem como a Embrapa, estavam elucidando mais informações sobre as espécies de patógenos envolvidas e seu controle.
Depois de muitos estudos, foram identificados, na maioria das pesquisas, os seguintes patógenos, com algumas variações de subespécies: os fungos com maior participação em ocasionar os sintomas foram Diaporte/Phomopsis sp.; Fusarium sp; e Colletotrichum sp., com maior participação e isolamento nas lesões com sintomas e sinais.
Também foram isolados fungos de Cercospora sp., e Septoria sp., que são fungos causadores de doenças comuns na soja, como crestamentos, mancha olho de rã, mancha púrpura e mancha parda.


Atenção!

Fusarium sp. e Colletotrichum sp. são patógenos que podem sobreviver em diversas condições ambientais e causar sintomas de podridão desde raiz à sintomas foliares, são patógenos muito comuns nos nossos solos, em restos vegetais e podem potencializar os danos causados por outros patógenos.
Outro ponto extremamente relevante é o manejo fitossanitário realizado na área. Muitas pesquisas comprovam que manejos que abordam várias técnicas podem auxiliar no controle das doenças, bem como dos sintomas de anomalia.
A variedade ou cultivar utilizada também é fator de atenção para o produtor. Então, fique atento à sua região para os materiais de soja que apresentaram mais perdas por podridão de haste, podridão de vagem, podridões de grãos e grãos ardidos. Cultivar sadia e tolerante é uma aliada importante no manejo.
O planejamento da safra começa com o conhecimento da área. Usar tratamento de sementes conforme avaliação de patógenos da área, realizar amostragem e identificar os patógenos, testes de controle de fungos, variação de métodos de manejo de doenças, calendário eficiente de fungicidas e utilizar fungicidas químicos e biológicos é fundamental para controlar essa doença.

Impactos econômicos

Atuo na região de Nova Mutum (MT) há anos. Aqui, nos últimos dois anos a preocupação com esta doença aumentou, porém, também aumentaram as pesquisas, cuidados e a discussão sobre o manejo da anomalia.
Outro ponto importante que as pesquisas descobriram é que, aliado às condições ambientais, os patógenos se tornam mais agressivos em plantas em transição do estágio vegetativo para o reprodutivo, principalmente naquelas sob condições de estresse, como deficiências nutricionais, fitotoxidez, etc.
Essas condições indesejáveis, junto com os fatores bióticos e ambientais (alta pluviosidade, alta umidade, baixa luminosidade, populações elevadas e cultivar suscetível), podem favorecer os patógenos e potencializar os sintomas de podridão até o final do ciclo.
Conforme dados da Embrapa, nossa região corresponde, em média, a 30% da área semeada com soja no estado, onde houve perdas em algumas localidades de até 30%, com potencial de perda por volta de 50 milhões de sacas.

Escolha de cultivares menos suscetíveis

Atenção à escolha da cultivar é fundamental. Assim, fiquem atentos, produtor e engenheiros agrônomos – participem de dias de campo, observem suas cultivares, converse com pesquisadores e outros produtores para garantir, de forma certeira, a escolha do melhor material genético para sua necessidade.
Fique atento para a cultivar que tem problema com seca de haste, quebra e podridão de haste, cultivar que tomba com facilidade, suscetível a doenças, etc.

Manejo eficiente

Começamos a manejar doenças e aumentar a sanidade da lavoura na escolha do tratamento de semente (TS). Mas, atenção, cuidado com TS que não controla ou tem menor eficiência sobre antracnose (Colletotrichum sp.) e fusariose (Fusarium sp).
Use produtos biológicos em TS e, principalmente, em sulco de plantio, como as bactérias do gênero Bacillus e o fungo Trichoderma, que irão auxiliar no manejo de doenças e promover a saúde e crescimento da planta.
Faça uso de fungicidas multissítios como Clorotolanil, Mancozebe e Oxicloreto de Cu, pois diminuem a resistência comparado ao uso de único sítio.
Use misturas de fungicidas compatíveis, bem como uma possível aplicação de misturas, lembrando de variar os mecanismos de ação. Exemplo, o uso de moléculas que possuem efeito de fitotoxidez foliar juntamente com algum nutriente para reduzir o estresse da planta.
Intercale as aplicações e varie os mecanismos de ação. Cuidado com o intervalo entre as aplicações – a maioria dos fungicidas tem efeito de residual de 15 a 20 dias, assim, cuidado com intervalos maiores que este, pois a planta ficará desprotegida e a fonte de inóculo irá aumentar consideravelmente.
Lembre-se que, após o fechamento da entrelinha, fica difícil e diminui a eficiência dos fungicidas, pois muitos possuem reduzida sistematicidade.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!