25.9 C
Uberlândia
sábado, fevereiro 24, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasBem-estar de bovinos leiteiros é tema de estudo no Brasil

Bem-estar de bovinos leiteiros é tema de estudo no Brasil

Professora da Fazu realiza estudo sobre a adoção das boas práticas de manejo em fazendas leiteiras

A busca por maior qualidade na produção de leite passou a se tornar uma realidade na produção leiteira – Crédito Arquivo Pessoal

Frente a uma demanda de mercado de alguns laticínios, impulsionada pelo novo olhar dos consumidores sob os produtos lácteos, um forte movimento de promoção do bem-estar animal na cadeia produtiva do leite surge no Brasil, desde meados do ano de 2015. E, junto com ele, a ampliação da adoção das boas práticas de manejo em fazendas leiteiras.

Empresas do segmento têm incluído em suas guias regulatórias de produção de leite, e com isso, a busca por maior qualidade na produção de leite passou a se tornar uma realidade na produção leiteira. De fato, essa demanda por alimentos oriundos de sistemas sustentáveis e eticamente corretos é decorrente também devido a uma maior preocupação dos consumidores às condições em que os animais são mantidos nas fazendas.

Segundo a professora da Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba), Dra. Lívia Carolina Magalhães Silva, especialista na área de produção, comportamento e bem-estar de bovinos leiteiros, o passo inicial para se alcançar êxito na aceitação dos produtores de leite quanto a essa nova demanda foi mitigar ações de manejo que causassem forte sofrimento aos animais e que pudessem contribuir negativamente na imagem do produto. De forma prática, as ações de desenvolvimento de projetos de bem-estar de bovinos leiteiros no Brasil se iniciaram com a difusão de conceitos e técnicas de aplicações das boas práticas de manejo nas fazendas com ênfase na redução de perdas por falhas de manejo, tendo foco nos seguintes processos: a) minimizar a aplicação de ocitocina exógena durante a ordenha de vacas; b) padronizar manejos de colostragem e aleitamento dos bezerros e c) utilizar anestesia e analgesia antes de qualquer procedimento doloroso, como a mochação dos bezerros.

“Quando pensamos em facilidade de manejo, de imediato somos remetidos às dificuldades na realização de determinado processo dentro da fazenda e qual estratégia de manejo iremos adotar para solucionar tais problemas, que por sua vez podem afetar a produtividade da fazenda e o bem-estar dos animais. Se tratarmos de manejo de ordenha de vacas primíparas zebuínas ou oriundas de seus cruzamentos essa reflexão torna-se ainda mais importante. Para o caso de vacas primíparas, devemos saber que enquanto novilhas, o manejo com esta categoria merece atenção, pois muitas vezes elas são renegadas a manejos pontuais sendo muito deles considerados aversivos para o animal como vacinação e tratamentos de doenças”, afirma Lívia.

A professora ressalta que prestar mais atenção e melhorar o manejo destes animais implica em melhorias no bem-estar beneficiando seus índices produtivos, uma vez que estes são considerados um importante investimento financeiro nas fazendas. Quando a primeira ordenha da primípara torna-se estressante (relutância em entrar na sala de ordenha, presença de gritos e agressão física do manejador contra o animal) os estímulos para a descida do leite acabam sendo comprometidos dando lugar à atuação do hormônio adrenalina que possui ação antagônica a ocitocina, ou seja, a presença da adrenalina inibe a liberação de ocitocina e consequentemente a descida do leite. “Como forma de solucionar este problema vários produtores têm lançado mão da aplicação de ocitocina exógena em vacas para estimular a descida do leite durante a ordenha. Esta prática se tornou rotineira em muitos rebanhos leiteiros, sem qualquer preocupação com os riscos inerentes a aplicação de medicamentos intravenosos”, completa Lívia.

No Brasil a prática ainda prevalece em muitos rebanhos leiteiros, apesar dos riscos de transmissão de doenças infectocontagiosas (p.ex. tripanossomose, leucose e brucelose) entre as vacas do rebanho, além de ocorrências de processos inflamatórios nas veias mamárias (flebites). O risco de transmissão de doença está geralmente associado ao uso de seringas e agulhas de forma compartilhada, que deveriam ser descartadas após cada aplicação. “Vale a pena ressaltar que ações como esta também tem impacto negativo em toda a cadeia produtiva do leite, uma vez que esta prática não é bem aceita pelos consumidores”, acrescenta.

De acordo com a professora Lívia, foi com base no conhecimento gerado por experiências práticas a campo respaldadas em técnicas científicas comprovadas, que a adoção conjunta de boas práticas de manejo, tanto na preparação de novilhas Girolando para a primeira ordenha quanto na rotina da ordenha, facilitou a adaptação das vacas aos manejos da fazenda. A experiência da Fazenda Boa Fé/Ma Shou Tao (Grupo Araunah), localizada em Conquista (MG), tem sido um bom exemplo na prática em como preparar os animais para a primeira ordenha.

A partir de técnicas baseadas em maior interação positiva entre novilha e manejador puderam obter comportamentos desejáveis como maior docilidade dos animais, facilidade ao ensiná-las a entrar na ordenha e primíparas mais calmas e zelosas com suas crias, reduzindo até o último ano (2018) em 75% da aplicação de ocitocinas em vacas durante a ordenha, e agora em 2019 eliminou completamente este uso. “Práticas como estas são encorajadas devido à relação humano-animal afetar positivamente o bem-estar, a saúde e a produtividade de animais leiteiros”, destaca.

Quando tratamos de manejo de bezerros leiteiros a importância da interação positiva entre o tratador e o animal não é diferente, e os impactos de ações como falhas na colostragem e no fornecimento de leite aos bezerros, bem como a diminuição de sofrimento em processos de mochação também interferem negativamente no grau de bem-estar dos animais e consequentemente na imagem positiva da produção leiteira.

Estudos conduzidos pelo Grupo ETCO da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV-UNESP), Campus de Jaboticabal (SP), têm mostrado que quanto mais cedo acontecem os contatos positivos com os animais, melhores são as respostas referentes à docilidade dos mesmos, no futuro. A partir de utilização de boas práticas de manejo (melhoria nas instalações e no sistema de aleitamento e melhor interação humano-animal) foi observada redução de 50% na mortalidade dos bezerros durante a fase de aleitamento, associado a isto o novo manejo implicou também na redução significativa na ocorrência de doenças, em particular da diarréia, cuja ocorrência reduziu de 76,9 para 13,3% dos bezerros avaliados, da mesma forma para a porcentagem de animais com quadro clínico de desidratação, que foi reduzida de 28,2 para 10,8%. A proximidade com o homem favorece a observação prévia de sinais clínicos de doenças como diarreia, pneumonia e bicheira, por exemplo.

“O quanto antes esses problemas forem identificados, mais barato e eficaz será o tratamento. Além disso, iniciativas como utilizar a aplicação de anestesia e analgesia antes do amochamento dos bezerros a adoção de anestesia e analgesia para promover a adoção de boas práticas de bem-estar animal durante têm sido estimuladas por laticínios junto aos seus fornecedores de leite. Esta mudança é muito importante para proporcionar maior visibilidade na questão dos benefícios da adoção das boas práticas de manejo e para encorajar os demais produtores a também adotarem tais técnicas, a fim de juntos promoverem a imagem da cadeia produtiva do leite”, finaliza Lívia.

Daniela Miranda

Assessoria de Imprensa – Fazu

(34) 9 9689-1571 | daniela.miranda@fazu.br

ARTIGOS RELACIONADOS

Pesquisa: Anomalia e quebramento das vagens de soja

Os pesquisadores da Fundação MT descobriram a presença de fungos Diaphorte/Phomopsis e Colletotrichum spp nas plantas afetadas.

Protetor solar para a soja

A radiação solar é a fonte primária de energia para os organismos vegetais.

Efeito “dreno” em cafeeiros

O efeito “dreno”, em ramos de café, foi observado como causa capaz de reduzir o tamanho dos frutos, aqueles das últimas floradas.

O maior benchmarking de produtividade e sustentabilidade da pecuária de leite do Brasil

O RumiScore é uma evolução do Índice Ideagri do Leite Brasileiro (IILB), criado em 2018, construído a partir da base de clientes usuários do Software Ideagri

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!