21.6 C
Uberlândia
sábado, junho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasBrasil ancora pesquisa científica global sobre qualidade industrial de vestimentas de proteção...

Brasil ancora pesquisa científica global sobre qualidade industrial de vestimentas de proteção a agroquímicos

Diretriz do trabalho foi definida há pouco, em reunião da ISO nos EUA, após a apresentação de um estudo coordenado por especialista brasileiro

Uma cabine de testes adaptada por cientistas brasileiros, com a finalidade de simular aplicações de agroquímicos feitas manualmente pelo trabalhador rural, tornou-se peça-chave na conclusão de uma pesquisa supervisionada pela entidade certificadora ISO ” International Standartization Organization. Montado na cidade de Jundiaí (SP), o equipamento permite a pesquisadores da área avaliar parâmetros de segurança e qualidade observados na indústria de vestimentas de proteção a agroquímicos.

A decisão de concentrar esse estudo no Brasil foi tomada agora há pouco, na reunião anual global da ISO que ocorre até amanhã na cidade de Atlanta (EUA), logo após a apresentação de um trabalho do pesquisador brasileiro Hamilton Ramos. O cientista defende que a ISO Internacional altere critérios, hoje validados por diversos países, para conceder certificados de qualidade a produtos da indústria de vestimentas protetivas.

“O padrão de qualidade empregado na fabricação de uma vestimenta de proteção define o maior ou o menor risco de exposição de um trabalhador aos agentes químicos da pulverização agrícola, daí a importância de a pesquisa científica evoluir continuamente na proteção da mão de obra rural“, ressalta Ramos.

Pesquisador científico do Centro de Engenharia e Automação do Instituto Agronômico (CEA/IAC), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Ramos coordena no Brasil o Programa IAC de Qualidade de Equipamentos de Proteção Individual na Agricultura (Quepia). Ele é também membro do Comitê Mundial da ISO.

 

“Nossa proposta visa a aprimorar testes que determinam a quantidade da calda de agroquímicos retida por uma vestimenta. Outros pontos dizem respeito à avaliação da permeabilidade de tecidos utilizados na indústria, bem como à eficácia de tais tecidos no sentido de impedir a penetração de agentes químicos“, exemplifica Ramos.

Segundo ele, após a reunião de Atlanta, cientistas de países signatários de normas da ISO enviarão ao Brasil amostras de vestimentas comercializadas nesses mercados. Os produtos serão submetidos a ensaios de qualidade seguindo a metodologia em estudo na cabine de testes do Programa Quepia.

O resultado desse trabalho, acrescenta Ramos, será depois comparado ao de ensaios que ficaram sob responsabilidade do Japão, país que coordena a revisão da metodologia hoje empregada pela ISO nas certificações de vestimentas protetivas. Outros cinco países se unirão a Brasil e Japão na avaliação dos resultados gerais da pesquisa e na elaboração das conclusões do estudo, prevista para o final deste ano.

“Estamos confiantes de que ao final desses estudos um novo critério de amplitude global, para aprovar ou reprovar a qualidade de vestimentas protetivas, venha a ser adotado pela ISO“, conclui Ramos.

Criado há 11 anos, o Programa Quepia une o Centro de Engenharia e Automação do IAC-SP ao setor privado. A iniciativa tem como metas desenvolver e certificar materiais para a proteção da saúde do trabalhador rural, e atribuir o selo IAC de Qualidade a fabricantes do setor que atendem a normas nacionais e internacionais de proteção e segurança.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ácaro-rajado e tripes – Ameaças ao morangueiro no período seco

  Alexandre Pinho de Moura Engenheiro agrônomo, D.Sc. em Entomologia e pesquisador da Embrapa Hortaliças alexandre.moura@embrapa.br A ocorrência de pragas e doenças na cultura do morangueiro é bastante...

Adubação fosfatada com gesso – Hora de corrigir e nutrir o solo

Bruno Nicchio Engenheiro agrônomo e doutorando em Produção Vegetal, ICIAG-UFU bruno_nicchio@hotmail.com José G. Mageste Engenheiro florestal, Ph.D. e professor ICIAG-UFU jgmageste@ufu.br Ernane Miranda Lemes Engenheiro agrônomo, mestre e doutor em Produção...

As algas marinhas e a florada dos citros

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

Silício atua na correção de solo

Antonio Carlos de Azevedo Pesquisador do LSO/ESALQ/USP aazevedo@usp.br Rafael Cipriano da Silva D.Sc. Ciência do Solo " ESALQ/USP Toda substância colocada em água que provoca uma diminuição do pH...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!