20.6 C
Uberlândia
terça-feira, julho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioMercadoCafeicultores de Minas Gerais obtêm resultados positivos mesmo com a seca

Cafeicultores de Minas Gerais obtêm resultados positivos mesmo com a seca

O Programa Construindo Plantas (PCP 360) da Fertiláqua atua na fisiologia da planta e na qualidade do solo, proporcionando maior produtividade e rentabilidade da lavoura

 

Café grãosA cafeicultura é uma das principais fontes de renda na agricultura brasileira. Segundo levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), divulgado no mês de setembro, a produção da safra de 2017 está estimada em 44,77 milhões de sacas de 60 quilos de café beneficiado.

Somente em Minas Gerais, a produção é estimada em 24,38 milhões de sacas. O parque cafeeiro do estado é formado por, aproximadamente, 3,9 bilhões de plantas, composto pelas espécies café arábica, em maior escala, e conilon. Porém, de modo geral, as condições climáticas não foram muito favoráveis à safra de café 2017. A estiagem atingiu a maioria das regiões cafeeiras e trouxe prejuízos quantitativos e qualitativos à cafeicultura mineira.

Com o avanço da tecnologia no campo, foi possível minimizar alguns fatores prejudiciais e estabelecer um manejo mais adequado que levará a uma maior produtividade. Uma das bases para se construir plantas mais produtivas é trabalhar de forma eficiente no desenvolvimento de raízes.

A tecnologia da Fertiláqua, por meio do Programa Construindo Plantas (PCP 360), estimula a planta via foliar e solo, atuando nos processos fisiológicos da planta e na qualidade do solo, o que possibilita maior produtividade com melhor rentabilidade.

O produtor Edivaldo da Silva, de Boa Esperança/MG, confirma os resultados e afirma “que com o uso das soluções, as plantas foram revigoradas, com um melhor enraizamento e raízes mais profundas, mesmo na época de seca, e a lavoura apresentou resultados mais rentáveis“.

Para o proprietário da Fazenda Serra Rica, de Carmo da Cachoeira/MG, Arnaldo Bottrel Reis, “as plantas tiveram vigor bastante expressivo depois que iniciamos o uso dos produtos da Fertiláqua. Outro ponto foi um maior crescimento de vara que aumentou a nossa produtividade“, comenta.

Já o produtor Jorge Calili, da Fazenda Pião, de Santana da Vargem/MG, afirma que um dos benefícios do uso da tecnologia foi o crescimento de ramos, além de ter uma lavoura com menos estresse no pós-colheita, proporcionando com isso melhor sanidade. “Mesmo com a seca que vimos neste ano, nossas lavouras responderam bem à falta de chuva“, explica.

O PCP 360 possui o estimulo fisiológico equilibrado para cada fase da planta, iniciando pelo solo, passando pela parte aérea, desenvolvendo assim lavouras com alto potencial produtivo, e construindo plantas mais eficientes.

Sobre o Grupo Fertiláqua

Um dos maiores grupos de nutrição, fisiologia de plantas e revitalização de solo, a empresa Fertiláqua atua por meio das marcas Aminoagro, Dimicron e Maximus, a linha Longevus no segmento de cana-de-açúcar, e a linha Golden Seeds para sementeiras e produtores de sementes. A companhia pertence ao fundo de investimento Aqua Capital. Com mais de 300 colaboradores e presença em todo o Brasil, e em outros países da América Latina, a empresa investe em pesquisa, tecnologia e inovação. A Fertiláqua conta com a sede administrativa em Indaiatuba/SP, fábricas em Cidade Ocidental/GO e Cruz Alta/RS, um centro de distribuição em Cuiabá/MT, dois Laboratórios de Análise de Sementes (LAS) e dois Centros de Inovação Tecnológica (CIT). O grupo disponibiliza uma iniciativa pioneira, o Programa Construindo Plantas (PCP), com ações específicas em cada fase das culturas, do plantio à colheita, para potencializar o desenvolvimento de plantas mais eficientes, e um solo com melhores qualidades físicas, químicas e biológicas, buscando com isso sistemas com maiores potenciais produtivos e consequentemente rentabilidade. Com o objetivo de reconhecer a qualidade das sementes de soja no mercado brasileiro, foi criado pelo grupo o selo Sementes de Verdade. Mais informações no website: www.fertilaqua.com. 

 

Informações para Imprensa:

Alfapress Comunicações

Camila Lopes (19) 2136 ” 3516 / (19) 99782-7491

camila.lopes@alfapress.com.br

ARTIGOS RELACIONADOS

A viabilidade da adubação foliar para as florestas

José Geraldo Mageste Doutor e professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) jgmageste@ufu.br Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo e doutorando em Produção Vegetal, ICIAG-UFU ferbacilieri@zipmail.com.br Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma...

Expocafé 2022 terá espaço para a degustação e provas da bebida

Produtores vão poder demonstrar cafés de diferentes cultivares preparados de modos distintos.

Plantar São João – Especialista em sacos para mudas

Apesar de seu nome levar o verbo plantar, a empresa Plantar São João é uma especialista em saquinhos para mudas de viveiros, e vem...

Proibição do 2,4-D aumentaria os custos em 400%

Em 2015, o pesquisador Robinson Osipe publicou o e-book “Aspectos biológicos e econômicos do uso dos herbicidas à base de 2,4-D no Brasil”, disponível gratuitamente on-line, levantando a área total com aplicação de 2,4-D para as culturas de soja, café, cana-de-açúcar, milho, trigo, pastagem e arroz no Brasil, cuja área atingia mais de 30 milhões de hectares, representando um custo total de aproximadamente R$ 350 milhões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!