Inicio Revistas Hortifrúti Controle eficiente de pectobacterium em alface com Mulching

Controle eficiente de pectobacterium em alface com Mulching

0
1158

Autores

Samara Moreira Perissato
samaraperissato@gmail.com
Leandro Bianchi
leandro_bianchii@hotmail.com
Engenheiros agrônomos, mestres em Produção Vegetal e doutorandos em Agronomia – UNESP/FCA
Roque de Carvalho Dias
roquediasagro@gmail.com
Vitor Muller Anunciato 
vitor.muller@gmail.com
Engenheiros agrônomos, mestres em Proteção de Plantas e doutorandos em Agronomia – UNESP/FCA
Ronaldo Machado Junior
Engenheiro agrônomo, mestre em Fitotecnia e doutorando em Genética e Melhoramento – Universidade Federal de Viçosa (UFV)
ronaldo.juniior@ufv.br

Fotos: Nelson Iida

A podridão-mole (Pectobacterium spp.), uma doença causada por bactéria em alface, pode ocorrer tanto no campo como após a colheita. O principal sintoma inicial é caracterizado pela murcha das folhas mais externas, podendo ser agravada em estádios mais avançados, levando à necrose e morte da planta inteira.

As condições ideais para o desenvolvimento da doença estão associadas à temperatura (30°C) e umidade elevada. A bactéria não é transmitida por sementes, contudo, pode sobreviver em solo, principalmente em restos culturais e em plantas daninhas hospedeiras.

Tendo em vista todos esses aspectos favoráveis ao desenvolvimento e permanência da doença em solos, a técnica do mulching, que consiste na utilização do solo com algum tipo de cobertura vegetal ou artificial (mais comum), tem sido relatada por otimizar o controle da doença.

Essa alternativa proporciona uma diminuição da perda de água por evaporação, mantém a umidade do solo, reduz a perda de nutrientes por volatilização (para o ar) e lixiviação (pela água), diminui a compactação, pelo menor contato da gota da água diretamente com o solo, leva maior inibição de germinação e desenvolvimento de plantas daninhas, melhor qualidade das folhas, pelo menor contato com o solo, e uma redução de incidência de pragas e doenças.

Benefícios para a alface

O mulching é um tipo de manejo agrícola que consiste na formação de uma barreira física, protegendo muito o cultivo de hortaliças. Dentre as vantagens de sua utilização, cita-se:

Controle de umidade e temperatura do solo: leva à redução da perda de água do solo, com menor suscetibilidade a estresses ambientais. Além disso, proporciona temperaturas mais amenas, diminuindo a amplitude térmica, e atuando preventivamente contra a podridão-mole e diversas outras doenças;

Controle de planta daninhas: por criar um microclima, pode suprimir a germinação e emergência de plantas daninhas, bem como servir de barreira física, consequentemente diminuindo o uso de herbicidas e tendo efeitos diretos na produtividade. Como efeito secundário, controlando plantas daninhas hospedeiras, o mulching atua no manejo de pragas e doenças;

Redução do contato entre as folhas e o solo: aumenta a qualidade do produto final e diminui a possibilidade de infecções por doenças, como a podridão.

Efeitos positivos no solo e na adubação: aumenta a eficiência da adubação e diminui perdas por lixiviação. Além disso, evita a erosão e compactação do solo.

Todos esses aspectos relatados contribuem para uma produção mais sustentável e de menor impacto ambiental, favorecendo a diminuição do ciclo de produção da alface e aumentando a qualidade do produto final, levando a um menor custo de produção.

Manejo

O mulching é uma prática utilizada por grandes e pequenos produtores, sendo empregada tanto de maneira manual como mecanizada. Este último caso está restrito a grandes áreas de produção.

Para a utilização de cobertura artificial, a implantação inicia-se com a escolha do plástico ideal, dependendo das condições do local e do objetivo do produtor, sob o canteiro já instalado e com a irrigação, em caso de gotejamento.

Primeiramente deve-se retirar aproximadamente 10 cm de solo das laterais do canteiro, que servirá posteriormente para a cobertura das extremidades da lona plástica. O plástico deve ser bem esticado e fixo, para evitar o deslocamento pelo vento. As perfurações da lona devem ser realizadas conforme o espaçamento da cultura por material abrasivo, aumentando a vida útil da lona. Sua duração é variável, entretanto, pode alcançar até quatro ciclos de plantio.

As dimensões do plástico variam em sua largura e comprimento, de 1,20 m até 1,80 m para largura e 500 m e 1.000 m para comprimento.

Investimento x retorno

O valor depende de seu tamanho, espessura e tipo (preto, branco e prata), variando entre R$ 180 a R$ 400, quando de 500 m de comprimento, e acrescido o valor quanto maior for. A principal diferença entre o cultivo convencional e o cultivo com mulching (artificial) é o preço do plástico e a mão de obra necessária para sua instalação.

Em estudos realizados por Araujo et al. (2009), a utilização de cobertura plástica para a produção de alface obteve aproximadamente 27% a mais do custo total, quando comparado com ao plantio direto. Entretanto, sua rentabilidade foi 36% superior ao plantio direto.

Para o cultivo em campo, os custos totais foram semelhantes, devido à necessidade de mão de obra para o revolvimento dos canteiros no plantio direto, o que não foi necessário no mulching, pois o mesmo é capaz de minimizar a compactação do solo, neste caso, a rentabilidade foi 72% superior com a utilização de plástico.

Um outro aspecto que deve ser considerado no mulching é a redução da mão de obra para a capina e do número de aplicação de produtos fitossanitários. Blind et al. (2015) observaram que diversas cultivares apresentaram melhor desempenho, como sanidade de folhas, rendimento de massa fresca, diâmetro de cabeça e número de folhas, na presença desta técnica.

Por exemplo, em canteiros sem mulching a matéria fresca da alface variou entre 143 e 379 g, entretanto, com o plástico variou entre 148 a 413 g. A adoção de mulching tem sido relatada como uma técnica positiva para o cultivo de alface e de diversas outras hortaliças. Em condições agroclimáticas desfavoráveis, suscetíveis à maior incidência de doenças, além de todo o conjunto de benefícios destacados, a maior sanidade é de grande importância também no controle da podridão mole.

Erros

Os erros mais frequentes relativos ao mulching são voltados à instalação do plástico, sendo principalmente a má colocação da cobertura e a realização incorreta das perfurações. Além disso, como os canteiros ficam totalmente cobertos, o sistema de irrigação fica sob esta cobertura, dificultando o manejo em caso de entupimentos, por exemplo. Por isso deve ser instalado de maneira cuidadosa e sempre seguir as recomendações técnicas.

Uma atenção especial deve ser dada ao descarte correto do material após sua vida útil, já que o plástico não se degrada facilmente no solo, consequentemente, o descarte em locais inadequados representa grande impacto ambiental. Portanto, o material descartado deve ser enviado para empresas de reciclagem.

Atualmente, há estudos para redução deste problema a partir da substituição do filme de polietileno por plástico biodegradável, que possivelmente será uma alternativa muito utilizada no futuro.

SEM COMENTÁRIO