12.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioEventosDesafio: extrair o máximo potencial produtivo das plantas

Desafio: extrair o máximo potencial produtivo das plantas

Professor Dr. Douglas Guelfi, do Departamento de Ciência do Solo da Universidade Federal de Lavras (UFLA)
Crédito Divulgação

O cafeicultor diariamente toma decisões que influenciam no equilíbrio nutricional do cafeeiro. O principal desafio é a escolha das tecnologias relacionadas à nutrição da lavoura que façam com que as plantas expressem seu máximo potencial produtivo no determinado ambiente de produção, fazendo com que essa escolha possa agregar valor ao produto final. É o que explica o professor Dr. Douglas Guelfi, do Departamento de Ciência do Solo da Universidade Federal de Lavras (UFLA), durante a Fenicafé – Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura, que acontece em Araguari, no Triângulo Mineiro.

Segundo Guelfi, o cafeeiro precisa de 14 nutrientes e, para obter o equilíbrio nutricional da planta, é fundamental distribuir os investimentos em adubação adequadamente entre esses nutrientes. “Para isso, as práticas de manejo de nutrientes 4C (fonte certa, dose certa, época certa e local certo) são princípios fundamentais para atingir o equilíbrio nutricional e eficiência no uso dos fertilizantes”, garante.

Em sua palestra, Guelfi procurou explorar assuntos como a importância do conhecimento da curva de absorção de nutrientes pelo cafeeiro, bem como, dar suporte para os participantes compartilhando conhecimento para tomada de decisão na escolha de tecnologias para fertilizantes.

“Avanços nos patamares de produtividade e rentabilidade na cafeicultura certamente estão relacionados com a busca pelo conhecimento. Com certeza, nos dias atuais os produtores vêm buscando mais acesso ao conhecimento e de uma forma bem rápida e diversificada. Essa troca de experiência certamente faz com que o nossas lavouras cafeeiras sejam mais produtivas e rentáveis, ou seja, o conhecimento certamente gera valor e avanços para a produção de café”, afirma, mostrando a importância de eventos como a Fenicafé para a cafeicultura.

Novas tecnologias – As inovações nas empresas de fertilizantes também têm sido de fundamental importância no desenvolvimento de produtos mais eficientes. “Nos últimos 10 anos, diversas tecnologias surgiram e foram aprimoradas para uso nos diversos ambientes de produção da cafeicultura brasileira. Na prática, isso representa uma planta mais produtiva e mais resistente a pragas”.

A Fenicafé se divide em três partes: o 25º Encontro Nacional de Irrigação da Cafeicultura do Cerrado, 22º Simpósio Brasileiro de Pesquisa em Cafeicultura Irrigada e a 24ª Feira de Irrigação em Café do Brasil.

A feira é promovida pela Associação dos Cafeicultores de Araguari (ACA) e a Federação dos Cafeicultores do Cerrado com apoio da Embrapa Café.

ARTIGOS RELACIONADOS

Broca-do-café agora tem controle

As duas principais pragas do café agora são controladas pelo inseticida Tracer®, da Dow AgroSciences. O produto, que já tinha registro para o combate...

‘Não temos partido. Nosso partido é o café’, afirma presidente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado

O presidente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, Francisco Sérgio de Assis, foi uma das grandes personalidades que participaram do primeiro dia da 26ª edição da Fenicafé.

Mitos e verdades sobre o cultivo de eucalipto

  José de Castro Silva Doutor em Engenharia Florestal e professor da Universidade Federal de Viçosa Vinícius Resende de Castro Doutor em Engenharia Florestal   No Brasil, as grandes culturas...

Expocafé 2018 termina com saldo positivo

A Expocafé 2018 encerrou-se em 18 de maio, no Campo Experimental da EPAMIG, em Três Pontas (MG), com um saldo positivo para organizadores e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!