26.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 23, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesDia do Algodão da Abapa congregou a cadeia da fibra

Dia do Algodão da Abapa congregou a cadeia da fibra

A Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) realizou, no dia 15 de julho, o Dia do Algodão. Em torno de 1,3 mil pessoas participaram do evento – que é considerado o maior da cotonicultura do Nordeste e Matopiba –, dentre cotonicultores, fornecedores, especialistas e autoridades, como o governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues, o presidente da Apex/Brasil, Jorge Viana, o presidente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), Paulo Câmara, o prefeito do município de Correntina, Nilson Rodrigues (Maguila), o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Alexandre Schenkel, o presidente da Associação Mato- grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), Eraí Maggi,  além de diversos deputados e vereadores.

A primeira edição do Dia do Algodão da Abapa aconteceu em 2019, e, a partir daí, o evento precisou ser suspenso, por conta das restrições sanitárias impostas pela pandemia. Nesta segunda edição, o Dia do Algodão contou com 20 expositores, além de quatro estações temáticas e um auditório com palestras especiais para público convidado.

Créditos: Divulgação

Realizado na Fazenda Panorama, do Grupo SLC Agrícola, no município de Correntina (BA), o Dia do Algodão expandiu as discussões, trazendo assuntos como mercado, sustentabilidade, qualidade, rastreabilidade, agricultura no futuro e moda. O Dia do Algodão abordou, ainda, o importante aumento da produção para a safra do próximo ano e serviu de pano de fundo para com a assinatura do termo de compromisso para a renovação do convênio com a Apex/Brasil,  para investimentos no Programa Cotton Brazil. Resultado da parceria entre a Abrapa, a Apex/Brasil e a Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), o Cotton Brazil é uma iniciativa de promoção do algodão brasileiro no mercado externo.

“Gostaria de agradecer a todos os que se envolveram para o sucesso deste grande evento, e pela presença maciça do público, em especial, dos produtores. O que vemos na cotonicultura baiana, que encanta a todos que aqui chegam, é resultado da união, sobretudo, entre as instituições. São muitos parceiros, mas ressalto, dentre eles, a Aiba, a Fundação Bahia, a Abrapa, as universidades, os sindicatos, o Sistema S, a iniciativa privada e os indispensáveis fundos, que financiam as ações estruturantes de desenvolvimento, o Fundeagro, o Prodeagro e o IBA. Todos aqui representados, no Dia do Algodão”, disse o presidente da Abapa, Luiz Carlos Bergamaschi, enaltecendo ainda a cortesia da SLC, por franquear a fazenda Panorama para a realização do dia de campo.

De acordo com Bergamaschi, o formato do evento congrega toda a cadeia produtiva do algodão e celebra tudo o que esta cultura proporcionou de inovação, tecnologia e organização, potencializando e servindo de exemplo para as outras cadeias. “O Dia do Algodão é uma excelente oportunidade de pensarmos a nossa atividade, corrigir os eventuais equívocos e aprimorar o que está certo”, afirmou. “Espero que o evento deixe em cada um uma marca: laços fortes, resultados de fibra”, concluiu Luiz Carlos Bergamaschi.

Em seu discurso, o governador Jerônimo Rodrigues disse: “Quero saudar todos os diretores, time e associados da Abapa, agradecendo a responsabilidade, a competência e a coragem de vocês em consolidar uma marca forte para o algodão do Brasil, e, em especial, do Estado da Bahia. Nos orgulha muito chegar em uma área para a qual, no passado, ninguém olhava e era discriminada. E falo me dirigindo a todos aqueles que vieram fazer uma ocupação produtiva no estado da Bahia, a partir do Oeste. A história do Oeste tem uma linha estreita com cada um de vocês, que vieram de outros estados, do Sul do Brasil, e aqui foram acolhidos”, disse. Ele completou propondo a criação de uma data alusiva à fibra, no calendário oficial do estado. “Estamos celebrando o evento Dia do Algodão e eu acredito que vale muito a pena a criação de ‘Dia do Algodão’ (no calendário), para demarcar essa história”, concluiu.

O prefeito de Correntina, município sede do Dia do Algodão, Nilson Rodrigues, afirmou: “Venho trazer meu agradecimento e reconhecimento pelo grande papel que homens e mulheres do Oeste da Bahia desenvolvem aqui em nosso município. Podemos ver que a tecnologia é avançada, é a melhor do Brasil ou até mesmo do mundo. Mas isso, essa pujança, não cai do céu. Precisa ter determinação e coragem, vontade de vencer e de fazer as coisas acontecerem, como vocês fizeram.”

A empresa anfitriã, a SLC Agrícola, foi representada no evento por seu diretor de operações, Leonardo Celini, que, na ocasião, destacou o papel do agro brasileiro, a participação da companhia agrícola neste, e a importância do Dia do Algodão. “É uma grande oportunidade um dia como o de hoje, para a gente enriquecer, cada vez mais, o nosso agronegócio brasileiro. Somos uma empresa brasileira que representa uma grande produção agrícola de grãos e fibras no mundo e leva para frente o Brasil da melhor forma possível, cada vez mais, acreditando no nosso país e na agricultura, porque ela fomenta esse negócio.”, pontuou.

Créditos: Divulgação

Além do básico

Para a vice-presidente da Abapa, Alessandra Zanotto Costa, o objetivo do Dia do Algodão foi explorar temas pouco discutidos na cotonicultura brasileira. “Nas estações temáticas, tratamos de assuntos como a sustentabilidade e seu impacto no mercado internacional, a qualidade de pluma, de como ela é importante e está sendo vista no mercado. Abordamos também a tecnologia e como ela vem sendo utilizada, e apresentamos um pouco do trabalho que a Abapa tem realizado no Oeste da Bahia”, disse.

Além das quatro estações temáticas, foi montado um auditório para a realização de três palestras especiais para o público convidado, que trataram de assuntos de interesse para a cultura da fibra. O ex-deputado federal Christino Áureo, do Instituto Pensar Agropecuária (IPA), foi relator do projeto que criou o Fundo de Investimentos nas Cadeias Agroindustriais (Fiagro).

Ele abriu a programação do auditório do Dia do Algodão, explicando, em sua palestra, como os agricultores podem se beneficiar desta ferramenta e ter acesso a ela.

“Pela primeira vez, podemos ter o produtor rural e suas associações como protagonistas. Ao invés do crédito vir de fora para dentro, é possível criar Fiagros a partir de uma região, com suas características próprias, podendo ter um do Oeste da Bahia, por exemplo”, disse.

Já o tema moda responsável foi abordado por Fabíola Silvério, gerente de Conformidade de Fornecedores e Gestão do Instituto Lojas Renner S/A, que ressaltou a meta de a empresa de ter o algodão 100% certificado. De acordo com Silmara Ferraresi, diretora de Relações Institucionais da Abrapa, que também proferiu palestra sobre o tema, a Renner é uma das empresas parceiras da entidade no programa Sou ABR.

“Estruturamos uma plataforma em blockchain (tecnologia de dados) e convidamos parceiros para dar transparência à sua cadeia de fornecedores. Hoje, temos cinco marcas que estão conosco no Sou ABR, rastreando as fazendas produtoras da fibra até chegar à peça final. Começamos com a Reserva e a Renner e temos coleções lançadas pela Almagrino e C&A. São 43 fazendas e 122 mil peças, que a gente comemora e celebra”, explicou Silmara, no painel o algodão e a moda responsável, no qual apresentou o case do SouABR. 

Desafio ainda maior: futura produção 3,4 milhão de toneladas de pluma

O mercado de algodão foi abordado por três convidados especiais: Fernando Pimentel, diretor superintendente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit); André Pessoa, presidente da empresa Agroconsult; e Miguel Faus, presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea).

Créditos: Divulgação

“Vamos ter um ano muito bom em qualidade, rendimento, produtividade e um crescimento espetacular das exportações, talvez com novo recorde, acima de 2,4 milhões de toneladas. É ótimo e temos que comemorar. Mas é pouco, porque o ano que vem o desafio é ainda maior”, ressaltou Pessoa.

Segundo as projeções do especialista, a expectativa é plantar mais de 1,8 milhão de hectares de algodão e produzir acima de 3,4 milhão de toneladas de pluma. “Vamos precisar exportar mais de 3 milhões de toneladas de pluma para o mercado internacional”.

O presidente da Anea afirmou que cerca de 60% da safra deste ano já está comercializada. “O desafio agora será vender 1 milhão adicional que se apresenta nos próximos meses”, disse Faus.

Para o presidente da Abit, maior cliente da cotonicultura brasileira, a projeção também é de crescimento. “A nossa meta é sair das 700 mil toneladas e ir para 1 milhão de toneladas para reduzir o esforço exportador que vai ter que ser feito para vender seu excedente, agregando valor aqui dentro, porque isso é fundamental: mais imposto, mais emprego, mais trabalho e essa indústria se conecta integralmente com a economia criativa, que emprega milhares e milhares de pessoas em todos os lugares do país”.

O vice-presidente do Instituto Pensar Agropecuária (IPA), ex-presidente da Abrapa e da Abapa,  Júlio Busato, que assistiu ao painel, destacou o potencial brasileiro. “Nós temos agilidade e criatividade. Com certeza, seremos os maiores exportadores mundiais de algodão e, num futuro mais distante, os maiores produtores do mundo. O algodão gera quatro vezes mais riqueza que a soja e emprega cinco vezes mais pessoas com emprego de qualidade”, ponderou Busato.

Cotton Brazil

O Dia do Algodão marcou também a assinatura do termo de compromisso para a renovação de convênio entre a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) e a Apex/Brasil. O montante será investido nas iniciativas do programa Cotton Brazil, para a promoção internacional da imagem e algodão do Brasil.

Créditos: Divulgação

“Nessa nova etapa, além da manutenção de todas as ações executadas até agora, traremos importantes inovações para o escopo do projeto, com foco na sustentabilidade, desenvolvimento regional, equidade de gênero, capacitação de pequenos produtores e iniciaremos um novo e ousado plano de comunicação, que inclui a aproximação com as grandes marcas globais, apresentando os pilares de qualidade, sustentabilidade e rastreabilidade do algodão brasileiro. Para mantermos nossa meta de sermos o maior exportador de algodão até 2030”, afirmou Alexandre Schenkel, presidente da Abrapa.

O governador Jerônimo Rodrigues, que assinou o termo como testemunha, ressaltou que o desafio é colocar o Brasil em uma posição de destaque no mercado internacional de algodão. “Vocês estão orgulhando o Oeste, orgulhando o setor, a Bahia e o Brasil. Temos uma grande agenda de articulação de fortalecimento desse setor”, disse.

Para o presidente da Apex Brasil, Jorge Viana, o trabalho que está sendo desenvolvido pela Abrapa e Abapa está sendo muito satisfatório. “O que vocês estão fazendo funciona, com e sem governo. Funciona com o trabalho dos produtores. Mas funciona muito melhor quando o governo se escala para ajudar, para estar do lado de vocês. Estou junto com vocês, contem com a Apex para os novos desafios”, concluiu.

ARTIGOS RELACIONADOS

Qualidade da fibra de algodão: tudo que você precisa saber

Cada cultivar de algodão possui uma qualidade de fibra muito específica, e em campo essa qualidade depende exclusivamente do manejo da cultura.

Colheita de algodão se inicia em junho

Segundo maior produtor de algodão, a Bahia está na reta final para a colheita de algodão na safra 2019/2020 prevista para ser iniciada a partir de junho. A perspectiva dos produtores baianos é de manter em alta a sua produção na atual safra agrícola 2019/2020, que deve se manter em torno dos 1,5 milhão de toneladas (caroço e fibra), número alcançado, de forma histórica, na safra passada pelos produtores baianos. Com o plantio iniciado em dezembro passado, a safra ocupa uma área total de 313.566 mil hectares, e a perspectiva é de atingir a produtividade média de 300 arrobas por hectare. Os dados são da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), que completa 20 anos de atuação em prol do desenvolvimento da cotonicultura no estado.

Bahia inicia colheita de algodão da safra 2019/2020

Os produtores de algodão começam de forma gradativa a fase da colheita no Oeste da Bahia. Segundo maior produtor da fibra no Brasil, o estado deverá manter a produção em alta, com a previsão de manter o patamar de 1,5 milhão de toneladas (caroço e fibra).

Abapa capacita operadores de silos on-farm

Cada vez mais sofisticados, os silos demandam mão de obra especializada em sua operação, tanto para garantir o seu bom funcionamento, quanto para a segurança dos operadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!