Fosfito: Conceitos e aplicações

0
92

Adriano Bortolotti da Silva

Engenheiro agrônomo, doutor em Produção Vegetal e professor do Curso de Agronomia da Universidade José do Rosário Vellano (UNIFENAS) adriano.silva@unifenas.br

Sandra Rocha Melo Vieira

José Adelcio de Oliveira Júnior

Acadêmicos do curso de Agronomia da Unifenas

 

O café arábica (Coffea arabica L.) é a principal espécie cultivada, apresentando alta produtividade e excelente qualidade de bebida - Crédito Cristiano de Oliveira
O café arábica (Coffea arabica L.) é a principal espécie cultivada, apresentando alta produtividade e excelente qualidade de bebida – Crédito Cristiano de Oliveira

O Brasil é o maior produtor e exportador mundial de café, sendo uma cultura de grande importância socioeconômica e geradora de emprego e renda. O café arábica (Coffea arabica L.) é a principal espécie cultivada, apresentando alta produtividade e excelente qualidade de bebida. Entretanto, essa espécie é afetada por doenças fúngicas e problemas nutricionais.

Nesse contexto, o emprego em larga escala de defensivos agrícolas tem favorecido a seleção de fungos e bactérias mais agressivos e resistentes aos fungicidas existentes no mercado, aumentando as perdas e os custos de produção. Com isso, o equilíbrio nutricional do cafeeiro é importante por ser um fator determinante no crescimento, desenvolvimento e na produção, sendo que uma lavoura bem nutrida reage melhor às adversidades climáticas, bem como ao ataque de pragas e doenças.

Alternativas

Novas alternativas de manejo, como as aplicações foliares de fosfito, podem ser viáveis para a nutrição do cafeeiro e a ativação do sistema de defesa da planta. Induz-se, assim, à produção de fitoalexinas e outros compostos que podem auxiliar no combate às doenças, reduzindo o emprego de defensivos agrícolas e aumentando a sustentabilidade da lavoura.

O fosfito

Os fosfitos estimulam os mecanismos naturais de defesa contra doenças - Crédito Marcelo André
Os fosfitos estimulam os mecanismos naturais de defesa contra doenças – Crédito Marcelo André

O fosfito é um composto à base de fósforo e macronutriente que apresenta funções bioquímicas importantes na formação do material genético (DNA e RNA), na molécula de ATP e como constituinte do sistema de membranas celulares.

Tal produto se origina do fungicida etil-fosfonato que, após a quebra da patente, tem sido formulado em associação a vários sais como os de potássio, manganês, cobre ou zinco.

Os fosfitos podem ser utilizados como importante fonte de nutrientes para as plantas, pois possuem fósforo em sua molécula ” permite-se corrigir rapidamente as deficiências nutricionais e melhorar o desenvolvimento das plantas e a sua atividade fisiológica. Além disso, os fosfitos estimulam os mecanismos naturais de defesa contra doenças; um deles é a indução de resistência sistêmica adquirida, que corresponde à ativação dos mecanismos naturais de defesa da planta.

Convém destacar que os fosfitos se apresentam como importante recurso na estratégia de manejo, por reduzirem a severidade das doenças.

Mecanismo de ação

O fosfito apresenta basicamente dois mecanismos de ação. O primeiro seria sua ação direta sobre as doenças, por apresentar ação fungicida em relação a alguns fungos invasores. Causa-se morte ou inibição do crescimento do fungo, com eficiência em controlar doenças do grupo dos oomicetos, a exemplo do míldio.

Outro mecanismo seria sua ação indireta por meio da ativação dos sistemas de defesa das plantas. Alguns autores mencionam que os fosfitos estimulam a síntese de fitoalexinas (substâncias químicas naturais de defesa), sendo capazes de contribuir efetivamente para o controle de patógenos.

A ação direta do fosfito como um fungicida é a mais relatada na literatura cientifica, enquanto sua ação indireta como ativador de mecanismos de defesa das plantas ainda tem sido bastante questionada, existindo poucos relatos sobre a indução de resistência.

Nesses termos, a ação do fosfito como ativador do sistema de defesa das plantas só é efetiva com aplicações regulares do produto durante o ciclo da cultura ou no período de maior ocorrência de doenças. Tais aplicações são necessárias visando à manutenção do sistema de defesa da planta ativo e aos bons níveis de fitoalexina endógeno no vegetal.

De maneira geral, o fosfito é aplicado em conjunto com fungicidas usados regularmente na cultura ou mês a mês. No entanto, é necessário o acompanhamento de um técnico para evitar problemas de desequilíbrio nutricional derivados do excesso de fósforo nas plantas tratadas com esse produto.

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui e adquira já a sua.