19.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasFungicida de alta performance contra a anomalia da soja

Fungicida de alta performance contra a anomalia da soja

Sugoy, da IHARA, recebeu a classificação A graças à sua alta eficiência no controle da podridão das vagens, redução da incidência da doença, menor percentual de grãos avariados e níveis superiores em produtividade.

A podridão das vagens e de grãos da soja, também conhecida como anomalia da soja, é uma doença relativamente nova no Brasil, que passou a ter certa expressividade há cerca de três anos. Geograficamente, sua ocorrência ainda é bastante restrita a regiões produtores de Mato Grosso, principalmente em municípios da BR-163, no médio norte do estado. Apesar de ser um problema aparentemente pontual, ela traz uma série de preocupações.

Créditos: Divulgação

Segundo dados da Embrapa, essa região corresponde a 31% da área semeada de soja do estado e os relatos de perdas pela doença variaram de 16% a 30% na safra 2021/2022, com um potencial de perda de 59 milhões de sacas.  “Por ser ainda um problema muito novo, precisamos descobrir muito sobre esta doença e seus vetores. Há diversos estudos e pesquisas em curso, e a comunidade científica já produziu grande conhecimento sobre a doença, mas há muito ainda a se descobrir de fato”, ressalta o agrônomo e gerente de Desenvolvimento de Produto da IHARA, Andrey Boiko. “O que mais nos preocupa sobre a podridão é a gravidade do problema, tanto em produtividade quanto em rentabilidade das áreas atingidas, além da possibilidade de que ela se espalhe rapidamente para outras regiões do País, como já temos alguns relatos de produtores de Ariquemes (RO), Sul do Pará, Gurupi (TO), Pedro Afonso (TO), Luís Eduardo Magalhães (BA)”, explica Boiko.

Ainda que as pesquisas estejam buscando respostas exatas para minimizar o problema, diversos estudos convergem para a contribuição dos fungicidas na redução da severidade da doença e os danos que a podridão da soja pode causar nas lavouras. Um exemplo disso é o recente estudo realizado pela Rede da Podridão das Vagens, com nove instituições em diversas regiões, que comprovou que o SUGOY, quando comparado com a testemunha, apresentou alta eficiência no controle, redução da incidência da doença, menor percentual de grãos avariados e níveis superiores em produtividade. Essa solução inovadora da IHARA recebeu a qualificação máxima no controle da podridão das vagens da soja.

“Temos diversos outros resultados que também atestam a sua efetividade no manejo dessa doença. Nossa equipe de pesquisa e desenvolvimento tem se dedicado para desenvolver soluções inovadoras que atendam às necessidades dos agricultores e contribuam para o aumento da produtividade e sustentabilidade no setor agrícola. O SUGOY é um exemplo claro desse nosso compromisso”, afirma o gerente de Produtos Fungicidas da IHARA, Archimedes Nishida.

Estudos comprovam também a grande importância de um manejo integrado mais eficiente, sobretudo o preventivo. Assim, a IHARA tem estado bastante próxima aos produtores nas regiões afetadas, contribuindo com fungicidas de seu portfólio, além do SUGOY, como o FUSÃO e O ABSOLUTO FIX para o controle da podridão da soja, ao mesmo tempo em que controlam outros detratores de produtividade na cultura, como a Ferrugem, Mofo-branco, Antracnose e doenças de final de ciclo, por exemplo.

Os agricultores das regiões mais afetadas precisarão iniciar a proteção das lavouras pela busca de cultivares com menor suscetibilidade para a doença, além de estar atentos para o tratamento de sementes e planejamento adequado do plantio, visando janelas que favoreçam menor ocorrência da doença. Também deverão monitorar mais atentamente a fertilidade do solo, as condições climáticas e outros fatores que possam propiciar condições favoráveis ao patógeno. “A antecipação da entrada de fungicidas, atenção rigorosa ao intervalo entre aplicações e a seleção de produtos de boa qualidade e amplo espectro fará toda a diferença no manejo preventivo e no controle da incidência, amenizando a severidade da doença e as perdas na lavoura”, finaliza Andrey Boiko.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!