23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesNova tecnologia traz mais saúde para a nutrição de leitões

Nova tecnologia traz mais saúde para a nutrição de leitões

Patenteado globalmente, processo da Rio Pardo Proteína Vegetal unifica tratamentos térmicos e garante produto de mais qualidade.

O valor gasto com a ração representa o maior custo da produção de suínos. Assim, é fundamental avaliar os produtos pela eficiência alimentar ou digestibilidade. Patenteada no Brasil, nos Estados Unidos, na União Europeia, no Japão e no Chile, a nova tecnologia desenvolvida pela Rio Pardo para a produção de SPC (Concentrado Proteico de Soja) traz vantagens que agregam em saúde e na melhor nutrição a leitões recém desmamados.

Grãos de soja são a principal matéria-prima da Rio Pardo (Foto: Pixabay)

Um estudo conduzido pela Universidade Federal de Viçosa determinou que a digestibilidade de proteína e dos aminoácidos dos RPSoy700 e 180 (concentrados proteicos da Rio Pardo) foram significativamente superiores, conforme tabela comparativa abaixo, que traz os principais produtos do mercado.

Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o país bateu recorde de produção pelo terceiro ano consecutivo de carne suína, com 4,9 milhões de toneladas em 2022. Um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior. A projeção de crescimento para 2023 é de 4%. Do total, 3,8 milhões de toneladas foram para abastecimento interno. O restante foi para exportação. O Brasil ainda soma, hoje, 60% de todo o mercado global de produção de SPC.

Produção diferenciada

A principal diferença do procedimento da Rio Pardo é a unificação de etapas no processamento dos grãos de soja. “Nos tradicionais, em uma primeira etapa, separa-se o óleo do grão; depois, faz-se um aquecimento para remover os solventes do processo. Em seguida, é preciso uma segunda etapa para tirar os carboidratos solúveis, onde estão os fatores antinutricionais da soja. Nesta extração, utiliza-se álcool e, para removê-lo, o grão é aquecido novamente. Em nosso processo, tudo isso é feito de uma só vez. Tira-se o óleo e os carboidratos em uma única etapa e um único aquecimento”, explica Leandro Baruel, gerente de exportação da Rio Pardo.

Além de trazer outras vantagens, como melhor viabilidade econômica e, principalmente, muito mais sustentabilidade, pois se reduz drasticamente o consumo das energias térmica e elétrica, a qualidade do produto aumenta consideravelmente. “Quando reduzimos o número de aquecimentos dos grãos, diminuímos a possibilidade de ocorrer o que chamamos de ‘reação de Maillard’, que é a formação de um complexo da proteína com carboidrato e açúcares. Este complexo interfere na digestibilidade do produto”, adiciona.

Os benefícios do tratamento térmico unificado (processo tecnológico exclusivo e patenteado mundialmente):

  • Maior índice de solubilidade KOH (Hidróxido de potássio), com mínimo de 65%, quando comparado a concentrados proteicos de soja produzidos por processo com dois tratamentos térmicos;
  • Digestibilidade mais alta de aminoácidos: por exemplo, a lisina, 7% maior em leitões desmamados em relação a produtos oriundos de processo com dois tratamentos térmicos;
  • Menores níveis de desnaturação de aminoácidos;
  • Baixos níveis de fatores antinutricionais em razão da extração única, feita por meio da combinação de solventes de hexano com a mistura de água/etanol.

Após a realização e publicação do estudo da Universidade de Viçosa, serão realizados novos experimentos na Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, também em digestibilidade e performance do produto da Rio Pardo para leitões e frango.

ARTIGOS RELACIONADOS

Adjuvantes otimizam a eficiência da pulverização

Gilberto Moderno Costa M.Sc. e consultor em Tecnologia de Aplicação e Segurança no uso de defensivos agrícolas " Alvo Consultoria moderno@alvoconsultoria.agr.br A agricultura brasileira cresce anualmente, em...

Nutrição – A base para uma lavoura forte de jiló

O jiloeiro é uma hortaliça tropical, sendo considerado uma planta rústica, que pode ser cultivada em diversos tipos de solo, tolerante à acidez, porém, não tolera excesso de água no solo.

Bioestimulante à base de húmus contribui para produtividade das hortaliças

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

Tecnologia humaniza o dia a dia no campo

Os avanços tecnológicos, como o maior uso da Inteligência Artificial, não precisam necessariamente estar ligados a uma "desumanização" do trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!