Inicio Revistas Hortifrúti Os melhores substratos para sistema hidropônico

Os melhores substratos para sistema hidropônico

0
435

Elisamara Caldeira do Nascimento

Talita de Santana Matos

Doutoras em Agronomia – UFRRJ

Rafael Campagnol

Professor de Olericultura – UFMT

Glaucio da Cruz Genuncio

Professor de Fruticultura – UFMT

glauciogenuncio@gmail.com

 Crédito Weber Velho
Crédito Weber Velho

Conceitua-se substrato qualquer material que sirva de suporte para o crescimento e desenvolvimento de plantas cultivadas comercialmente. Estes materiais caracterizam-se por possibilitarem a ancoragem do sistema radicular, assim como servirem de “reservatórios“ de água e nutrientes e por possibilitarem às plantas uma troca gasosa nas raízes, uma vez que estas precisam de oxigênio para o seu metabolismo.

Para que o produtor decida qual substrato será melhor para o seu cultivo, independentemente do sistema de produção de hortaliças (hidropônico ou convencional), o mesmo deve avaliar alguns fatores, tais como: qualidade e consistência do substrato, que está em função da ausência de pragas e doenças, tipo de cultivo, manejo nutricional e de irrigação a ser adotado, tipos de componentes (fibra de coco, vermiculita, perlita, turfa, areia, casca de pinus, casca de arroz carbonizada, dentre outros).

Ressalta-se, ainda, que para a tomada de decisão quanto à aquisição de um substrato por parte dos produtos a avaliação do frete e da frequência de fornecimento são variáveis de significativa importância a serem avaliadas, pois estas impactam na aquisição destes materiais em certas regiões produtivas brasileiras.

Propriedades

Outro fator de suma importância para a avaliação “técnica“ de um substrato é o conhecimento das propriedades químicas e físicas dele. Assim, a avaliação por parte do agrônomo das propriedades ideais para certos tipos de cultivo são: índice de granulação, densidade aparente, condutividade hidráulica, capacidade de retenção de água, porosidade total, água total disponível, e volume de retenção de ar e água a 5% de profundidade, além da concentração de nutrientes presentes no substrato, salinidade, pH e condutividade elétrica.

Por outro lado, o que prevalece no campo e por parte do produtor é a preferência do substrato a ser utilizado, em função da adaptabilidade alcançada no dia a dia da produção de mudas.

De forma geral, os substratos mais utilizados para a hidroponia são três: fibra de coco, espuma fenólica e substrato comercial (mistura de componentes supracitados). Vale ressaltar que existe um movimento quanto ao uso de areia lavada, com granulometria grossa, para a produção hidropônica em bancadas suspensas.

Cuidados

Um dos principais cuidados é a aplicação de água e nutrientes, assim, manejos de irrigação e nutricional devem ser bem estabelecidos para que não ocorram problemas que possam inviabilizar a produção.

É importante ressaltar que a adoção de um manejo está relacionada com a fase de cultivo e o tipo de sistema. Por exemplo, a fase de mudas, que é comum tanto para o sistema NFT quanto para o sistema em substrato (calhas ou vasos) necessita de cuidados quanto à irrigação e à nutrição, sob o risco de as raízes morrerem por falta de oxigenação em função do excesso de água.

Este ponto torna-se mais crítico caso o produtor utilize como substrato a espuma fenólica, por esta possuir alta capacidade de retenção de água e uma adubação errada, com uma EC muito alta (Acima de 0,6 a 0,7 mS cm-1), por salinizar o substrato e alterar o potencial osmótico da solução, afetando o crescimento da muda.

Por outro lado, o manejo de irrigação e nutrição na fase final de cultivo hidropônico em substrato é um ponto crítico, comparativamente ao cultivo em sistema NFT. Os parâmetros capacidade de retenção de água, aeração e salinização devem ser considerados para a obtenção de produtos de qualidade em sistema de substrato.

Crédito SXC
Crédito SXC

Qualidade

Podemos elencar as seguintes características para que um substrato seja considerado de qualidade, e seus respectivos parâmetros qualitativos: parâmetros químicos ” concentração de NO3 entre 100 a 200; P entre 6-10, K entre 150-250; Ca e Mg superiores a 200 e 70, respectivamente (todos os valores em mg L-1); pH entre 58 a 63 e EC entre 0,4 a 0,9 mS cm-1, assim como parâmetros físicos de porosidade total superiores a 85%., capacidade de aeração entre 15 a 30% e água disponível entre 20 a 30%, além da ausência de patógenos, Fungusgnats e plantas invasoras.

Ressalta-se, ainda, que os parâmetros mais utilizados pelos produtores para a avaliação qualitativa de um substrato são: capacidade de retenção de água, aeração e porosidade, além de rendimento, preço e valor do frete.

A avaliação criteriosa do tipo, volume e formato do recipiente onde será colocada a planta também é uma variável de fundamental importância na obtenção de mudas de qualidade, assim como se percebe que a associação de todos os fatores condicionará uma excelente qualidade de muda e uma produção qualitativa de folhas e frutos.

Como evitar a evaporação da água no substrato

Atualmente, o uso de mulching e cobertura morta são as maneiras mais eficazes no controle da evaporação da água no substrato, principalmente em sistema tipo calha.A retenção ideal de água deve estar entre 20 a 30%. Porém, esta variável isoladamente não servirá para a tomada de decisão quanto ao melhor manejo de irrigação, sendo que a avaliação de outras variáveis se torna necessária, tais como: capacidade de aeração, porosidade, densidade aparente e água total disponível. Com todas estas informações, o manejo de irrigação torna-se viável.

Reposição

A taxa de reposição está em função do ciclo – ciclos curtos reposições maiores.Por exemplo, a produção de temperos exige uma reposição mais constante nas bancadas suspensas, com cerca de 5 a 6% de reposição por colheita.

Essa matéria completa você encontra na edição de março 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

SEM COMENTÁRIO