Sementes de soja com alto vigor: mais produtividade

0
260

Emerson Trogello
Doutor em Fitotecnia e professor – IF Goiano campus Morrinhos
emerson.trogello@ifgoiano.edu.br
Giovana Cândida Marques
Engenheira agrônoma e mestranda em Entomologia – UNESP
giovana-candida.marques@unesp.br
Ana Caroline de Araújo
Engenheira agrônoma e Mestranda em proteção de plantas – IF Goiano campus Urutai
carolagro0@gmail.com

Foto: Shutterstock

Podemos citar vários fatores relacionados à obtenção de altas produtividades na soja, entre eles a escolha de material genético adaptado, época de plantio, manejo de solo, manejo fitossanitário, plantabilidade e escolha da semente. Qualquer escolha errônea acarreta em perda de produtividade e lucratividade.

Dentre estes fatores, sementes de alta qualidade proporcionam lavouras de soja bem estabelecidas, com plantas vigorosas e de alto desempenho. A semente de soja, para ter alta qualidade, deve possuir altas taxas de vigor, germinação e sanidade, assim como garantias de purezas genética e física.

A germinação se relaciona com a capacidade da semente germinar e formar uma plântula normal em condições ótimas. Já o vigor está relacionado com a capacidade das sementes de germinar e produzir uma plântula normal, mesmo em condições de ambiente não consideradas ideais.

Mais vigor

O vigor se relaciona com a perda da capacidade da semente em produzir uma plântula normal. Quanto maior o vigor da semente, menor sua deterioração e vice-versa. Sendo assim, em anos com condições adversas no ato da semeadura, o alto vigor pode representar o sucesso de seu investimento.

Mas, mesmo em anos com condições ideais, o maior vigor pode representar uma maior velocidade e uniformidade de emergência, formando plântulas mais vigorosas que podem representar um maior potencial de resistência às doenças e pragas iniciais de cultivo, bem como um maior potencial produtivo.

Mas, como construir um maior vigor de semente? É importante entendermos que todo processo de beneficiamento de sementes não melhora a qualidade da mesma, ele apenas mantém a qualidade obtida no processo a campo e uniformiza lotes de sementes.

A qualidade fisiológica das sementes é obtida assim, no manejo a campo. Dentre os fatores que afetam a qualidade fisiológica da semente de soja se destacam os danos por umidade no ato da colheita, percevejo durante a fase reprodutiva e danos mecânicos que acontecem nas máquinas colhedoras.

Pragas

O percevejo é o inseto mais importante a prejudicar a qualidade fisiológica da semente de soja. O ponto de maior vigor da semente é no ato de sua maturação fisiológica, ou seja, no estádio fenológico R8.

A partir daí, qualquer dia a mais armazenada a semente perde reservas pelo processo respiratório, e por consequência, também seu vigor. Cabe a nós otimizar o manejo a campo e buscar formas de armazenar esta semente o menor tempo possível e nas melhores condições possíveis.

Trajeto

É importante entender que semente de soja é produzida na grande maioria dos Estados de outubro a fevereiro, sendo a mesma colhida, beneficiada e armazenada até o início do ano safra, ficando assim oito meses, respirando, se deteriorando e buscando se manter viva.

Para chegar em outubro com o maior vigor possível, é extremamente importante que o processo de armazenamento seja muito bem feito, mantendo umidade e temperatura do ar a níveis adequados.

Em geral, a soma da umidade relativa do ar (UR%) mais temperatura (°C) deve ser de, no máximo, 55,5. Estas condições fazem com que a semente respire menos, gaste menos reserva e se mantenha mais vigorosa por um maior período de tempo.

Vazio sanitário

Buscando melhorar este processo, neste ano, por meio de solicitação da Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (ADAPEC) e autorização do MAPA, abriu-se uma janela de plantio de soja nas planícies tropicais do Tocantins, que foi de 20 de abril a 31 de maio, adentrando assim o período de vazio sanitário.

O cultivo de alguns materiais nesta janela, por meio de sistema de subirrigação, permite um maior controle fitossanitário, melhores condições no ato da colheita e um menor tempo de armazenamento da semente, uma vez que estes materiais estarão sendo colhidos até a data limite de 20 de setembro, muito próximo ao início da janela de plantio. Notem que este caso excepcional vai entregar certamente uma semente de maior vigor.

Ainda, a qualidade sanitária da semente de soja é primordial, pois caso não haja, prejudica a qualidade fisiológica da semente. A presença de diversos fungos como Phomopsis spp., Colletotrichum truncatum, fungos fitopatógenos como o Fusarium spp. e fungos de armazenamento como o Aspergillus spp impactam negativamente no vigor das sementes.

Além do mais, uma semente mal beneficiada pode impactar na disseminação de fitopatógenos, como o mofo-branco (Sclerotinia sclerotiorum), por esclerócios envolvidos às sementes e o nematoide de cisto da soja (Heterodera glycines), por intermédio de torrões que possuem os cistos.

Pesquisas apontam o caminho

Resultados de pesquisas comprovam que parcelas de soja originadas de sementes de alta qualidade proporcionam produtividades superiores. Em lavouras comerciais de soja, sementes de alto vigor garantem o estabelecimento de plantas de alta performance agronômica, com ganhos de até 10% de produtividade.

Sementes com baixo vigor provocam reduções na velocidade e na emergência total, no tamanho inicial e na produção de matéria seca. Em anos de diminuição das margens liquidas, um acréscimo de 10% em produtividade, única e exclusivamente pela escolha do correto fornecedor de sementes, pode representar o sucesso da lavoura.

Desafios

Uma das dificuldades da cadeia, no entanto, é a falta de padronização dos processos de avaliação do vigor de sementes em toda as culturas, ficando, por vezes um teste muito subjetivo e sujeito a mudanças de laboratório para laboratório.

Os testes geralmente são focados em três grupos, um deles avaliando o crescimento e avaliação de plântulas, outro pelo estresse induzido à semente, e os testes bioquímicos. Os principais testes realizados são a primeira contagem de germinação, teste de tetrazólio, teste de envelhecimento acelerado, índice de velocidade de emergência e teste de frio.

Alguns destes testes expõem as sementes a uma condição adversa por determinados períodos de tempo, e posteriormente analisam a formação de plântulas normais ou anormais, quando expostas a condições ideais de geminação.

O tetrazólio, no entanto, é um teste bioquímico que permite diagnosticar as principais causas da perda de qualidade das sementes e inferir sobre o seu vigor. Ainda, testes que avaliam a velocidade de emergência das sementes podem ser realizados em condições de campo.

É difícil, no entanto, padronizar e, principalmente, estipular um mínimo de vigor a ser garantido pelos multiplicadores de semente, uma vez que os testes são subjetivos e podem variar.

Viabilidade

Em síntese, ao considerar que a maioria das lavouras de soja no Brasil é conduzida em sequeiro, e que há risco de acontecer déficit hídrico no estabelecimento da cultura, o sucesso na implantação da lavoura é potencializado pelo uso de sementes vigorosas.

Ao analisar todos os aspectos envolvidos na qualidade da semente e seus efeitos no estabelecimento e produtividade da cultura da soja, mostra-se que é imprescindível utilizar semente de alta qualidade e de origem conhecida.

Portanto, o uso de sementes de boa qualidade possibilita o acesso aos avanços genéticos, com garantias de qualidade e de adaptação às diversas regiões, como o desempenho superior no campo. É fundamental, assim, além de observar os valores de germinação, também se atentar ao vigor das sementes a serem adquiridas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!