14.3 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosSustentabilidade é um caminho sem volta

Sustentabilidade é um caminho sem volta

Igor Botega Junqueiraigorbotega@gmail.com

Anna Carolina Abreu Francisco e Silva annacabreufs@gmail.com

Graduandos em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Letícia Silva Pereira Basílio Doutoranda em Agronomia/Horticultura – UNESP leticia.ufla@hotmail.com 

Soja – Créditos: shurtterstock

Durante muito tempo, quando se pensava em produção agrícola o retorno econômico desta atividade era visto como prioridade, principalmente quando se tratava do meio ambiente. Entretanto, este pensamento está cada vez mais sendo modificado, uma vez que o mercado vem exigindo produtos com origem de sustentabilidade. 

Sendo assim, estão surgindo exemplos de sustentabilidade atreladas a um ótimo retorno financeiro, já que antigamente investir em sustentabilidade era uma prática vista como um desperdício de tempo e dinheiro frente à agricultura convencional, priorizando os investimentos neste método de cultivo.

Os investimentos em sustentabilidade vêm crescendo cada vez mais quando se referem à produção de alimentos, fibra e energia. De acordo com os novos conceitos e exigências, muitas vezes a parte quantitativa da produção está deixando de ser a variável mais importante, sendo a qualidade final do produto um atributo que vem crescendo muito.

Com isso, a grandeza de uma propriedade não será apreciada pelo número de máquinas ou pelo tamanho das mesmas, mas sim pela forma como é realizada a produção daquela soja, milho, café ou algodão, por exemplo.

A importância da sustentabilidade vem sendo difundida e adotada por parte dos produtores, principalmente pela exigência do mercado consumidor, que cada vez mais está atento ao que está consumindo, desejando saber a origem, a procedência e também como o produto que está consumindo foi produzido.

Adaptação

Como forma de adaptar-se às novas exigências, os produtores podem implantar métodos de manejo que não são tão complexos quanto parecem. Dentre os exemplos das práticas podemos citar: redução do uso de adubos químicos; uso de técnicas para evitar a poluição do solo, água e ar; uso de sistemas de captação das águas das chuvas para futuro uso na irrigação; uso de biológicos; respeitar as leis trabalhistas dos trabalhadores do campo; usar fontes de energia limpa, como etanol, biodiesel, biogás e biomassa; evitar, se possível, desmatar áreas verdes para a progressão da área agrícola, controle de queimadas e investir em ações de reflorestamento.

Com a adoção de práticas sustentáveis, os produtores são capazes de manter a proteção natural proveniente da biodiversidade da própria área, evitando assim o constante ataque de pragas e doenças, fazendo com que o produtor reduza o uso de defensivos químicos, o que, consequentemente, dará um bom retorno de produção e também financeiro no final do ciclo de produção, além de melhorar e conservar os recursos naturais provenientes da área.

Todo esse processo gera um mínimo impacto ambiental, e além disso, praticar a sustentabilidade rende ao produtor um lucro maior.

Colocando em prática

Para tornar uma propriedade mais verde e com a presença de uma maior diversidade, há exemplos de sucessos já consolidados e que podem ser adotados, como os SAFs (Sistema Agro Florestal) que mesclam a utilização de culturas agrícolas juntamente com espécies florestais e o sistema ILPF (integração lavoura pecuária e floresta), que proporciona que se tenha na propriedade uma máxima produção de alimentos, fibras e energia de forma conjunta, além de proporcionar diversas vantagens, como a recuperação de áreas de pastagem degradada, melhor infiltração e retenção de água no solo, produção de forragem nas entressafras, ciclagem de nutrientes, conforto térmico e bem estar animal, diversificação da produção e aumento da renda da propriedade.

O ILPF vem sendo bastante difundido e está em constante crescimento, principalmente por trabalhos recentes realizados pela Embrapa, que verificou a eficiência do sistema tanto na parte econômica quanto ambiental.

Por fim, temos as produções orgânicas, que têm gerado bastante lucro e rentabilidade aos produtores de café, quando realizadas de forma correta e eficiente. Todas essas técnicas agregam valor ao produto final, que muitas vezes é vendido por preços acima do mercado convencional.

Além disso, as propriedades que obtêm os selos de qualidades e origem de seus produtos apresentam um grande diferencial quando se trata da valorização de sua produção. Os selos de qualidade são certificações que atestam a qualidade, a sustentabilidade da produção, a procedência do produto e que a propriedade atende a legislação vigente, a segurança alimentar, entre outros, atendendo a padrões tanto nacionais quanto internacionais. 

Selo de qualidade

Uma propriedade que apresenta estes selos de qualidade beneficia não apenas os produtores, mas também o consumidor final para o qual será destinada a produção.

Uma gama de selos de qualidade pode ser obtida por uma propriedade, sendo alguns obrigatórios por leis nacionais e internacionais e alguns são opcionais, porém, podem agregar ao empreendimento inúmeros benefícios.

Entre os benefícios, o principal é que a propriedade que está enquadrada na legislação e de acordo com as exigências dos órgãos regulamentadores, tem melhor gestão interna, incentivando a profissionalização do negócio.

Porteira adentro

Como exemplo de sucesso, pode-se citar a fazenda Santa Cruz, localizada na cidade de Paraguaçu, no Estado de Minas Gerais, onde ocorre o cultivo de café desde 1998. Visando a melhoria constante da qualidade do produto oferecido, de forma a atender as normas do mercado nacional e internacional, deu início ao processo de certificação da propriedade, contando atualmente com os selos UTZ Certified Good inside, Rainforest Alliance Certified, Certifica Minas Café e BSCA Cafés Especiais do Brasil, que fornecem ao produto a oportunidade de ser reconhecido em âmbito mundial e aos consumidores a garantia de optarem por um sistema de certificação que visa a sustentabilidade.

O sistema adotado na fazenda tem como objetivo buscar a responsabilidade social e ambiental durante todo o processo produtivo, mantendo o crescimento econômico de maneira equilibrada e sustentável.

Além disso, busca promover um ambiente seguro para todos os colaboradores, identificando interesses da comunidade interna e externa no que diz respeito à saúde, segurança e recursos naturais, além de utilizar produtos e serviços que não prejudiquem a fauna e a flora existente, proporcionando a conectividade dos ecossistemas, a conservação dos recursos hídricos, protegendo a vida silvestre, a conservação e recuperação dos ecossistemas naturais e promovendo programas de capacitação e educação.

Unindo forças

Realizar uma mudança nem sempre foi tão confortável, entretanto, como podemos ver em exemplos, a sustentabilidade junto à agricultura vem tomando força para se tornar uma grande aliada do produtor. Pode ser que demore um pouco até todos adotarem o sistema, mas uma coisa é certa, cada vez mais teremos consumidores exigindo a sustentabilidade junto ao produto final, o que exigirá e acarretará mudanças futuras.

ARTIGOS RELACIONADOS

IV Congresso Brasileiro de Eucalipto

Evento acontece em 07 e 08 de agosto na sede da Fieb e marca ainda o lançamento do Bahia Florestal 2019 – relatório com...

Agricultores não devem perder prazo de aviso de sinistro

A safra de soja 2020/21 já enfrentou irregularidade das chuvas e o plantio registrou atraso em muitas regiões.

Bioeconomia é a chave para manter desenvolvimento sustentável da Amazônia

Para Milton Steagall, CEO do Grupo BBF, é preciso desenvolver negócios que gerem emprego e renda para a população local.

Híbridos de milho: alto potencial produtivo e resistências

As opções no mercado, a adaptação e a resistência às pragas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!