Tecnologia com energia renovável em adesivos e o papel do Brasil no cenário mundial

0
256
Divulgação

*Carlos Motta é Gerente de Desenvolvimento e Aplicações da Henkel

O mundo pede urgência na adoção de procedimentos mais sustentáveis e, em paralelo, empresas buscam formas de encontrar soluções alternativas e renováveis que possam ser aplicadas em substituição à petroquímica, uma fonte não renovável, cara, poluidora e finita. Dentro desse contexto, o Brasil surge como protagonista na aplicação de tecnologias adesivas com poliol de fonte vegetal.

Dois fatores colocam o país na vanguarda de aplicações com fonte vegetal: a qualificação técnica existente no mercado químico nacional e o suporte dado pela agricultura na utilização de materiais oleaginosos como base. Em vez de polióis oriundos do petróleo, esses espaços começam a ser ocupados pelo óleo de soja, etanol, entre outros materiais renováveis.

O Brasil é o maior produtor mundial de soja e cana-de-açúcar (base do etanol). Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o Brasil responde por 35,5% da oferta global de soja mundial, e a expectativa é que o país produza 149 milhões de toneladas de soja para o ciclo de 2022/2023, um recorde. Os EUA aparecem em segundo na lista dos maiores produtores do planeta.

E quando o assunto é cana-de-açúcar, o Brasil é responsável por 22% da produção do planeta, superior a qualquer outro país, levantou o Instituto de Economia Agrícola (IEA). Na safra de 2020/201 foram produzidos 654,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, destinados à produção de 41,2 milhões de toneladas de açúcar e 29,7 bilhões de litros de etanol.

Essa fartura de insumos limpos já se traduz em aplicações de alta performance em diferentes segmentos industriais no Brasil, como o mercado de embalagens, em que o adesivo usado para fixar as laminações é composto por óleos vegetais.

Uma solução adesiva de fonte renovável tem ganhos sustentáveis em várias etapas, a começar pela captação do insumo. A extração de recursos finitos do subsolo consome altos valores e energia, ao contrário do investimento em obtenção de insumos vindos de plantações, que se renovam com o tempo sem degradar a natureza.

Já no campo fabril, o adesivo permite aplicações industriais com menor temperatura, o que representa menor gasto energético e consumo de carbono, otimização de processos e maior segurança laboral.

Para exemplificar a concepção de um adesivo hotmelt reativo, o material é feito à base de poliuretano (PU). O poliuretano, por sua vez, é resultado da mistura de isocianato e poliol. A diferença da tecnologia adesiva em relação à convencional está na composição do poliol, com fonte vegetal em vez de energia não renovável.

O aproveitamento de fontes renováveis em tecnologias adesivas se contrapõe à complexidade na extração dos recursos não renováveis. Diferentemente de uma fonte não renovável, como o petróleo, que é um recurso caro, poluente e finito, os recursos de origem vegetal são renováveis, limpos e encontrados com mais facilidade no país.

O desenvolvimento de solução adesiva pioneira tem despertado interesse de centros como América do Norte, Europa e Ásia. Fábricas no exterior querem entender a especificidade das tecnologias limpas e como aproveitá-las em diferentes segmentos. O Brasil deu os primeiros passos na adoção de força renovável na produção industrial, o que representa uma grande conquista. Neste mundo movido a desafios, a próxima missão é ampliar a tecnologia com polióis vegetais para o maior número de segmentos industriais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!