27.1 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasTempestades, queimadas, frio e calor extremos preocupam

Tempestades, queimadas, frio e calor extremos preocupam

Clima – Foto: Divulgação

“Esses efeitos afetarão completamente a maneira como vivemos”, alerta biólogo

Nas últimas semanas, fomos impactados por muitas notícias desastrosas sobre as crises climáticas em várias partes do mundo.

Na Alemanha, inundações invadiram ruas e destruíram casas deixando centenas de pessoas mortas e feridas. Os incêndios florestais no Canadá chegaram a queimar uma cidade inteira. Com uma onda de calor recorde, os incêndios nos Estados Unidos consumiram mais de 4 mil quilômetros quadrados. A China também está sendo alvo de fortes enchentes. 

No Brasil, as baixas temperaturas dos últimos dias também vêm causando espanto. O frio negativo chegou até Minas Gerais. A temperatura mais baixa foi registrada na cidade de Bom Jardim da Serra, em Santa Catarina, com – 7,5ºC.

Mas afinal, o que está causando todo esse desequilíbrio em nosso planeta?

Há anos os especialistas do clima vêm alertando a comunidade mundial sobre os efeitos das mudanças climáticas. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), órgão das Nações Unidas que avalia esse fenômeno, estima que, até o fim do século 21, caso não haja nenhuma mudança nos padrões de consumo e produção, haverá um aumento de 2 a 3 graus celsius na temperatura média do Planeta.

Respondendo à pergunta anterior, uma das principais causas de todas as mudanças climáticas que vem impactando o mundo é justamente o aquecimento global. Entre os anos de 2006 e 2015, o planeta aqueceu cerca de 0,87°C em relação aos anos de 1850-1900. De acordo com os estudos do IPCC, o clima global mudou em relação ao período pré-revolução industrial, reforçando as evidências de que a principal causa são as ações antrópicas, ou seja, aquelas causadas pelos seres humanos.

O coordenador e professor do curso de Tecnologia em Gestão Ambiental do Centro Universitário Internacional Uninter, Rodrigo Silva, explica que as variações de temperatura global são fenômenos naturais, existindo períodos de frio e calor extremos, como exemplo, as eras glaciais. A questão, é que o ser humano está acelerando muito esse processo.

“Os cientistas trabalham com duas principais possibilidades de aumento de temperatura: 1,5°C ou 2°C. Falando assim, parece que 0,5°C é pouco, mas, na prática, basta compararmos com a febre. Se nossa temperatura corporal está em 36,5°C, estamos ótimos. Com 37°C queremos a nossa cama e uma coberta. Com o planeta acontece a mesma coisa, afinal, a Terra é um ser vivo”, exemplifica o professor.

Essa metáfora mostra que um pequeno aumento da temperatura global trará consequências trágicas em curto, médio e longo prazos, com efeitos irreversíveis.

O impacto na humanidade

Segundo Silva, as consequências das mudanças climáticas são separadas em dois blocos:

  • Primeiro, os impactos que sentimos diretamente em nosso cotidiano: maiores períodos de estiagem e seca, aumento na incidência de furacões, tufões e tsunamis, inundações e poluição hídrica, flutuações severas de temperaturas.
  • No segundo bloco temos as consequências que não sentimos diretamente em nosso cotidiano, mas que nos afeta ou afetará drasticamente: perda da biodiversidade (insetos, plantas e vertebrados), acidificação dos oceanos, perda da produtividade alimentícia e insegurança alimentar, alterações nos sistemas de geração de energia e transporte, disseminação de espécies invasoras, pragas e doenças, aumento da pobreza e dos fenômenos de imigração.

“Embora os efeitos do primeiro bloco sejam mais perceptíveis, os resultados do segundo bloco são tão, ou mais severos, pois afetarão completamente a maneira como vivemos”, alerta o professor.

O que podemos fazer?

Está marcado para novembro, o maior evento mundial sobre as mudanças climáticas – a COP26 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas). Neste encontro, serão determinadas as novas diretrizes mundiais que devem ser assinadas e seguidas por praticamente todos os países do mundo.

Mas, apesar desse comprometimento, não parece que estamos no caminho certo para alcançarmos a meta de 1,5 graus celsius até o fim do século. Muito pelo contrário, segundo Silva, os relatórios indicam que há sérios indícios de que haverá um aumento de 3 graus celsius, isto é, o dobro do que se pretendia.

Nesse sentido, as autoridades governamentais de todo o planeta devem estabelecer prioridades de proteção climática que vão desde o combate ao desmatamento, como é o caso do Brasil, até a redução drástica de emissão de gases de efeito estufa, em prioridade nos Estados Unidos e China.

Individualmente, devemos pensar em ações para a redução dos padrões de consumo e do desperdício em geral, como o racionamento da água, diminuição do uso de automóveis e viagens de avião, estes, os grandes vilões da sustentabilidade individual.

ARTIGOS RELACIONADOS

As pragas do calor e o uso de agrotóxicos  

O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) destaca que o Brasil está atualmente lidando com 12 pragas quarentenárias e além disso, 83 pragas de alto risco foram identificadas, ressaltando a urgência de implementação de estratégias para proteger as culturas.

Clima prova impactos na safra 20/21

O Mato Grosso também teve o pior início de safra da história, analisa a equipe do Rally da Safra ...

Como proteger silos e galpões das fazendas dos riscos de vendavais?

O produtor pode contratar seguro de benfeitorias para evitar prejuízos em silos, galpões e moradias rurais causados por ventos fortes e outras intempéries, além de mitigar riscos como o roubo de insumos agropecuários.

Qualidade do algodão

Após as chuvas dos últimos dias, os produtores de algodão retomam a colheita no Norte e Noroeste ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!