19.9 C
Uberlândia
segunda-feira, abril 15, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesTecnologia e Sustentabilidade ditam as regras do Agro

Tecnologia e Sustentabilidade ditam as regras do Agro

Existem vários exemplos de agricultura sustentável utilizadas no Brasil, uma vez que o País é um dos maiores produtores agrícolas e vem se destacando na adoção de práticas sustentáveis.

Roberto Araújo
Engenheiro agrônomo, pós-graduado em Engenharia de Irrigação e Proteção de Plantas (UFV) e líder de sustentabilidade e stewardship na CropLife Brasil

A agricultura sustentável é um método de cultivo que visa intensificar a produção agrícola e, ao mesmo tempo, maximizar os benefícios econômicos e sociais, minimizando os impactos ambientais negativos.
As técnicas de manejo sustentável envolvem a utilização das melhores práticas agrícolas, como a conservação de solo, o plantio direto na palha, a rotação de cultivos, ações de conservação da biodiversidade, a otimização no uso de insumos agrícolas, como os fertilizantes, as sementes e mudas geneticamente avançadas, os defensivos agrícolas químicos e biológicos, por meio de planejamento agronômico e do uso de soluções de agricultura de precisão.
Em resumo, a agricultura sustentável procura atender às necessidades de produção de alimentos, fibras e energia limpa, de forma a garantir a conservação dos recursos naturais e a qualidade de vida das gerações presentes e futuras.

Colocando em prática

Existem vários exemplos de agricultura sustentável utilizadas no Brasil, uma vez que o País é um dos maiores produtores agrícolas e vem se destacando na adoção de práticas sustentáveis. Alguns dos principais exemplos são:
Bioinsumos: têm sido utilizados em cerca de 50 milhões de hectares que recebem os mais diversos tipos de produtos biológicos para o controle pragas e doenças, assim como para melhorar o desenvolvimento de plantas.
De acordo com o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), os bioinsumos já trazem uma economia anual acima de US$ 13 bilhões, decorrente do uso do controle biológico e da fixação biológica de nitrogênio.
Com base no estudo de caso apresentado por Olmo (2022) – safra de soja 2019/20 – foi estimado que 430 milhões de toneladas de CO2 equivalente deixam de ser lançados na atmosfera por conta do uso das bactérias fixadoras de nitrogênio na cultura da soja.
Biotecnologia: de acordo com o Serviço Internacional para Aquisição de Aplicações de Agrobiotecnologia (ISAAA), as culturas biotecnológicas vêm contribuindo para a segurança alimentar, sustentabilidade e soluções para mitigar os impactos das mudanças climáticas desde o início de sua adoção, em 1996.
De acordo com o ISAAA, em 2018 o Brasil cultivou 52,8 milhões de hectares com culturas geneticamente modificadas, onde 35,1 milhões de hectares é com soja, 16,3 milhões de hectares de milho, 1,4 milhão de hectares de algodão e cerca de 18 mil hectares de cana-de-açúcar resistente a insetos.
Sistema de Plantio Direto (SPD): é uma técnica de cultivo que preserva a cobertura vegetal do solo com plantas forrageiras para evitar a erosão, além de melhorar a qualidade, a biodiversidade e a fertilidade do solo. De acordo com a Embrapa e a Federação Brasileira do Sistema de Plantio Direto (FEBRAPD), o SPD é praticado em mais de 33 milhões de hectares da área cultivada no país.
Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF): o sistema ILPF é uma estratégia de produção que integra diferentes sistemas produtivos, agrícolas, pecuários e florestais dentro de uma mesma área. De de acordo com a Refe ILPF a área com Sistema ILPF já ultrapassou 17 milhões de hectares no Brasil.
Agricultura de Precisão (AP): uso de tecnologias avançadas para monitorar e gerenciar a produção agrícola de forma mais eficiente, como o uso de sensores, equipamentos de automação, hardwares, softwares de inteligência artificial (IA) e internet das coisas (IoT), otimizando o uso de recursos (p.e. água, energia, tempo e insumos agrícolas, dentre outras) e minimizando os impactos ambientais negativos.


De acordo com dados divulgados durante o 9º Congresso de Agricultura de Precisão (ConBAP-2022), por meio de pesquisa desenvolvida pela IHS Markit com o apoio da Associação Brasileira de Agricultura de Precisão e Digital (AsBraAP), os produtores de algodão são os que mais utilizam agricultura de precisão (66%), seguidos pelos produtores de soja (34%) e cana-de-açúcar (14%).

Produção sustentável com o mesmo custo

Produzir grãos de forma mais sustentável significa ser mais eficiente nos aspectos econômico, ambiental e social. É um erro analisar apenas o custo de produção, quando na verdade o mais importante é a rentabilidade sustentada ao longo dos anos.
De forma simplista, produzir grãos de forma sustentável é produzir mais grãos por área plantada, utilizando menos recursos (insumos, diesel, água etc.), ou seja, o aumento da produtividade é um dos principais aspectos da sustentabilidade.
Não faz sentido aumentar a produtividade e ter prejuízo, ou gerar impactos negativos para o meio ambiente e a sociedade. Na prática, o custo de produção deve crescer em taxas inferiores ao aumento da produtividade, e os indicadores ambientais (p.e. conservação e fertilidade do solo) e sociais (renda dos trabalhadores, escolaridade e qualidade de vida) devem prosperar ao longo dos anos.

Máximas produtividades

Um bom exemplo para materializar a superioridade da produção agrícola sustentável é o Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja, desenvolvido anualmente pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), que visa reconhecer os melhores sojicultores do País nos sistemas irrigado e sequeiro.
Para comprovar que o aumento da sustentabilidade da soja está diretamente relacionado ao aumento da produtividade e à adoção das melhores práticas agrícolas, a Fundação Espaço Eco desenvolveu para o Cesb um algoritmo para cálculo da ecoeficiência da produção de soja.
O sistema considera dez parâmetros internacionalmente aceitos para avaliar os aspectos econômicos e ambientais, utilizando as informações do sistema de produção dos sojicultores que participam do Desafio para calcular e comparar a ecoeficiência das lavouras.
Durante o Fórum Nacional de Máxima Produtividade do Cesb, realizado em junho de 2022, o vencedor nacional colheu 7.611 kg/ha, 125% acima da média nacional (Conab), com uma lucratividade de 74,1% e retorno de 2,9 vezes sobre o capital investido.
O vencedor do Desafio melhorou todos os índices de sustentabilidade, comparativamente aos parâmetros de sua região. Um dos indicadores de destaque é a redução das emissões de gás carbônico (CO2 equivalente), que foram 54% menores, além de 53% de redução no uso da terra. A CropLife Brasil é parceira do Cesb e algumas de suas associadas são patrocinadoras.

Obstáculos à agricultura sustentável

São muitas as oportunidades para expandir a agricultura sustentável, pois o Brasil reúne excelentes condições para aumentar a produção agrícola e se manter como uma grande potência ambiental, já que possui 20% da biodiversidade do mundo e 66% do seu território coberto por vegetação nativa.
De acordo com a FAO, o Brasil está entre os cinco países com maior quantidade de terras agricultáveis, além de ter condições edafoclimáticas favoráveis para produzir duas ou até três safras por ano.
O crescimento da agricultura sustentável pode criar novas oportunidades de acesso aos mercados internacionais, cada vez mais preocupados com a sustentabilidade, além de contribuir para a redução de custos de produção e o aumento da competitividade, a conservação ambiental, o desenvolvimento de tecnologias inovadoras para a agricultura tropical, a geração de empregos mais qualificados e a valorização da imagem de um país como fornecedor sustentável de alimentos, fibras e energia limpa.
Sobre os desafios, é possível listar os mais importantes, como a falta de conscientização de muitos agricultores, a pressão econômica do modelo tradicional de produção agrícola, que muitas vezes prioriza a maximização do lucro a curto prazo, a falta de incentivos e de política pública para facilitar a transição, fato que pode ser um obstáculo para agricultores menos tecnificados, atraso na implementação do novo código florestal, as limitações de investimentos em pesquisa e difusão de tecnologia, problemas de infraestrutura logística e para armazenagem, a desigualdade socioeconômica, a baixa escolaridade e a falta de qualificação profissional no meio rural.

Destaques na agricultura sustentável

O Brasil possui uma grande diversidade de cultivos, e muitos deles se destacam pela produção agrícola sustentável mundial, por exemplo:
Soja: o Brasil é o maior produtor mundial de soja e também apresenta um dos maiores índices de produtividade, com 3.026 kg/ha na safra 2021/22. A maioria dos sojicultores tem adotado técnicas modernas e mais sustentáveis, como o plantio direto, sementes certificadas, biotecnologia, controle biológico, fixação biológica de nitrogênio, agricultura de precisão e rotação de cultivos, dentre outras.
Algodão: de acordo com a Abrapa, o Brasil está entre os quatro maiores produtores mundiais e é o segundo maior exportador de algodão, fornecendo 20% do volume comercializado internacionalmente. Desde 2012, a Abrapa desenvolveu um programa de certificação, Algodão Brasileiro Responsável (ABR), atendendo às diretrizes internacionais de sustentabilidade.
O programa ABR permite a rastreabilidade do processo completo, desde o plantio do algodão certificado até a venda do produto final. De acordo com a Associação, o Brasil é o maior fornecedor mundial de algodão Better Cotton Initiative – BCI (certificação internacional de referência na cadeia produtiva mundial do algodão), representando 42% da oferta mundial.
Café: o Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo. Em 2022, o País colheu 42,3 milhões de sacas de 60 quilos e registrou um recorde de exportações de 36,80 milhões de sacas.
De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produtividade média por hectare é de 22,49 sacas. A área total destinada à cafeicultura no País em 2023 (arábica e conilon) totaliza 2,26 milhões de hectares.
De acordo com o Mapa, o parque cafeeiro nacional é estimado em 2,25 milhões de hectares e compreende um universo de cerca de 290 mil produtores, a maioria pequenos, que estão espalhados por aproximadamente 1.900 municípios.

ARTIGOS RELACIONADOS

Uma tecnologia com potencial de romper paradigmas

Através da ciência foi desenvolvido um fungo capaz de produzir um coquetel de enzimas que degrada biomassa.

Embrapa lança três cultivares de amendoim na Agrishow 2023

Produtores terão novas opções para aumentar a produtividade.

Novo adjuvante neutro com otimização multifuncional

As empresas Casa Bugre | Agrivalle trazem ao mercado um novo adjuvante neutro adequado às novas tecnologias e que torna o trabalho no campo ainda mais...

Utilização da água magnetizada para a irrigação por gotejamento do cafeeiro

André Luís Teixeira Fernandes Doutor em Engenharia de Água e Solo, e professor da Uniube Roberto Santinato Engenheiro agrônomo do MAPA Procafé Reginaldo de Oliveira Silva Gerente do Campo...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!