21.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 24, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosA essencialidade do gesso agrícola na correção do solo

A essencialidade do gesso agrícola na correção do solo

 

 

Ricardo Wolfgramm

Engenheiroagrônomo e sócio da Equilíbrio Rural

ricardo_wolfgramm@yahoo.com.br

Crédito Nutrion
Crédito Nutrion

Atualmente vivemos um momento na agricultura brasileira onde o que importa é produzir mais com menores custos por unidade (saca, hectare, arroba), tudo isso devido aos altos custos dos insumos, como fertilizantes, energia elétrica, combustíveis, mão de obra, etc., atrelado à demanda crescente da população mundial por produtos agrícolas seguros e com maior qualidade final ao consumidor ou à indústria.

Com toda essa dinamicidade do agronegócio brasileiro, muitas vezes deixamos de lado ou não analisamos a fundo o principal responsável por todos os sucessos da agricultura – o nosso solo. Muitos produtos ou “subprodutos“ simples que fazem toda a diferença na agricultura, corrigindo, condicionando ou enriquecendo o solo são deixados de lado, recebendo pouco ou nenhum crédito dos agricultores e dos profissionais do meio agropecuário.

O gesso agrícola

O gesso agrícola (sulfato de cálcio), também conhecido como fosfogesso, é um subproduto da indústria de ácido fosfórico. O gesso (CaSO4.2 H2O) é derivado de uma reação química da rocha fosfática (no Brasil, principalmente apatita) com o ácido sulfúrico (H2SO4).

Nesse ataque ácido é gerado o ácido fosfórico (H3PO4), e como “subprodutos“, se é que assim podemos dizer, são gerados o superfosfato simples e o gesso. Para cada tonelada de P2O5 produzido na forma de ácido fosfórico são produzidas cerca de 4,5 toneladas de gesso.

Correção ou condicionamento?

O gesso não é um corretivo de acidez, e sim um condicionador de solo, uma fonte de baixo custo de cálcio (20%) e enxofre (15%) na forma de sulfato. É um produto mais solúvel que o calcário, cerca de 2,4 gramas do produto por litro de água.

Utiliza-se o gesso agrícola porque os solos tropicais, ou seja, os solos brasileiros são naturalmente pobres em cálcio (Ca2+) e possuem muito alumínio trocável (Al3+) na CTC do solo (capacidade de troca catiônica), principalmente em profundidade, nas camadas subsuperficiais (>20 cm).

O crescimento radicular é muito dependente de cálcio, e o alumínio é tóxico para as plantas, limitando o crescimento radicular. Logo, em solos com essas características o desenvolvimento radicular não será satisfatório.

A utilização do gesso condiciona o solo para o desenvolvimento radicular, agindo como um agente floculante, tornando o solo mais poroso, mais bem aerado, permitindo que o vegetal explore camadas mais profundas do solo, buscando água e nutrientes no seu perfil. O melhor desenvolvimento radicular está intimamente ligado a melhores produtividades, ou melhor, estabilidades de produção.

O gesso torna o solo mais poroso e aerado, permitindo maior enraizamento - Crédito Nutrion
O gesso torna o solo mais poroso e aerado, permitindo maior enraizamento – Crédito Nutrion

Recomendações

Na literatura recomenda-se utilizar o gesso agrícola quando nas camadas de 20-40 cm ou 30-60 cm de profundidade do solo o teor de cálcio for igual ou inferior a 0,5 cmolc/dm3 e/ou quando a saturação de alumínio (m) for superior a 20%. A quantidade de gesso a ser aplicada deve equivaler a 30% daquela de calcário estimada para essa camada de solo.

Também podemos ter a recomendação feita com base no teor de argila no solo, expresso em porcentagem (%). Para culturas anuais a dose de gesso é (DG kg/ha) = 50 x % de argila. Para culturas perenes e cana-de-açúcar é (DG kg/ha) = 75 x % de argila.

Porém, a utilização de gesso sempre deverá ser recomendada e instruída por um profissional capacitado.Só ele poderá realizar uma interpretação criteriosa da análise de solo e recomendar as quantidades necessárias de gesso para sua cultura de acordo com o tipo de solo, muitas vezes recomendando a utilização do gesso em parâmetros diferentes dos citados acima.

Não existe receita de bolo – o que existe são profissionais capacitados, conhecedores do comportamento de cada cultura e das características do solo a ser trabalhado, variando a dose e/ou a forma de aplicação do gesso.

Em culturas anuais como soja, milho, algodão e trigo o gesso deverá ser aplicado antes do plantio. Já em culturas perenes, como citros e café, a aplicação é recomendada em qualquer época do ano, porém, geralmente é feita no inverno, período em que as atividades nas lavouras são menos intensas, estando o maquinário e a mão de obra disponível para a aplicação.

Dicas

Geralmente, o gesso é aplicado a lanço em superfície na área total, porém, também pode ser utilizado em sulcos ou covas no plantio de café e incorporado ao solo no plantio da cana-de-açúcar ou em abertura de áreas para agricultura.

Quando aplicado no solo em superfície, o gesso pode tomar dois caminhos. Pode se dissociar em Ca2+ e SO42- enriquecendo a camada de 0-20 cm com cálcio, deslocando o alumínio (Al3+) da CTC do solo.Logo, esse Al3+, que é tóxico, irá reagir com o SO42- gerando sulfato de alumínio, não tóxico, sendo lixiviado para camadas mais profundas do solo.

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aumento da temperatura das águas resulta em maior alimentação de peixes e camarões

Destinar a quantidade ideal de nutrientes é fundamental para melhor produtividade

Cenoura híbrida proporciona mais resistência às doenças?

Autor Iuri Gabriel Rodrigues Técnico em Química e graduando em Engenharia Agronômica Iurigabriel080@gmail.com A cultura da cenoura ocupa lugar de destaque no agronegócio de hortaliças...

Adjuvantes – O plus na eficiência da pulverização

AutorLeandro Pereira dos Santos Graduando em Engenharia Agronômica e coordenador de Gestão de Pessoas do G-FERT – Grupo de Apoio à Pesquisa e...

Nutrição e resistência às doenças com o silício

  Paulo Henrique Leite Machado Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), membro do grupo PET Agronomia, coordenador de imprensa do Grupo de Estudos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!