28.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasA floresta pode fazer renascer água?

A floresta pode fazer renascer água?

Shutterstock

Allana Katiussya Silva Pereira
Engenheira florestal, mestra e doutoranda em Recursos Florestais – ESALQ/USP
allana.florestal@gmail.com
Tamíres Partélli Correia
Engenheira florestal, mestra, doutora em Ciências Ambientais e Florestais e professora – Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG)
tamirespartelli@gmail.com
Ananias Francisco Dias Júnior
Engenheiro florestal, doutor em Recursos Florestais e professor – Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
ananias.dias@ufes.br

Você consegue imaginar como seria a vida do planeta sem água? Esse questionamento traz à tona inúmeras reflexões e apenas uma resposta: a vida não seria possível se não tivéssemos água disponível e o ponto mais crítico dessa afirmação está no fato dela, ligeiramente, exigir que alteremos o tempo verbal para o futuro. A vida não será possível quando os recursos hídricos entrarem em colapso.

Por aqui

O Brasil é o país que apresenta a maior quantidade de água doce disponível para uso do mundo. O Rio Amazonas, situado na região norte, é o maior em termos de extensão e volume, e ainda assim encontra-se na maior crise hídrica já registrada em 91 anos.
Além disso, estudos apontam que o Brasil perdeu 15,7% de superfície de água nos últimos 30 anos, o equivalente a 3,1 milhões de hectares de superfície hídrica. A nível mundial, dados das Nações Unidas mostram que atualmente mais de 2 bilhões de pessoas vivem em países em situação de estresse hídrico.
Um bilhão e 200 milhões de pessoas (cerca de 35% da população mundial) não têm acesso à água tratada e, até 2025, cerca de 1,8 bilhão de pessoas enfrentará o problema da escassez de água.

Alerta geral

A situação atual dos recursos hídricos no Brasil e no mundo evidencia a necessidade de reconhecer e mensurar o valor da água e buscar meios de melhoria da crise hídrica afim de alcançar uma gestão sustentável e equitativa.
As preocupações com o gerenciamento dos recursos naturais e os efeitos das mudanças climáticas na qualidade e quantidade de água no planeta têm sido pautas em muitas discussões. Nesse contexto, em 2015 a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu um pacto global, intitulado Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).
São 17 objetivos e 193 metas estabelecidas para alcançar um futuro sustentável para o planeta. Dentre eles, o Objetivo 6 – “Água potável e saneamento” – possui foco pautado na garantia da disponibilidade e do manejo sustentável da água e do saneamento para todos, mostrando a necessidade de ampliar as discussões sobre os recursos hídricos e a apresentação de alternativas que visam a melhor gestão da água.
Diante desse cenário caótico, muitas perguntas surgem: “o que podemos fazer para preservar a água do nosso Planeta?”; “como evitar a escassez de água?”; “como proteger nascentes e bacias hidrográficas?”. Para além da questão relacionada à gestão dos recursos, essas são algumas das questões hídricas mais urgentes do mundo e a resposta está na natureza: as florestas.

Água e floresta: dois recursos indissociáveis

Boa parte da água do planeta permeia bacias hidrográficas florestadas que agem positivamente na qualidade da água e na proteção do recurso hídrico. Nesse contexto, a enorme quantidade de água liberada pela Floresta Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, é conhecida como “rios voadores”.
De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), uma árvore de 10 metros de altura lança uma média de 300 litros de água por dia, mais do que o dobro do total de água consumida por uma pessoa durante o dia para atividades básicas, como hidratação, cocção de alimentos e higiene pessoal.

Como a floresta pode fazer renascer água?

Existem várias maneiras de a floresta fazer renascer água. A forma mais adequada é por meio do manejo da bacia hidrográfica, ou da bacia piloto em que a área esteja inserida, como indica a Política Nacional dos Recursos Hídricos (Lei nº 9.433/1997).
Em uma propriedade, o primeiro passo é a setorização das áreas de acordo com as suas vocações, determinando o zoneamento da propriedade. Existem áreas com maiores vocações hídricas, ou seja, aquelas que com menores intervenções se tem uma maior produção de água.
Todo produtor rural deveria pensar a sua propriedade como uma grande caixa d’água. Desse modo, a água da chuva é a principal entrada de água nessa caixa, e quanto mais ficar armazenada, melhor será a disponibilidade hídrica.
É importante pensar em medidas como reservatórios, bacias de retenção, valas de infiltração e caixa seca para aumentar o tempo de permanência da água dentro da propriedade, ou melhor, a perenidade dos recursos hídricos, a fim de que em nenhuma época falte água na propriedade.
Como diz o proprietário rural do programa Produtores de Água no Estado do Espírito Santo, o Sr. Newton Campos: “Produzir água não é só plantar árvores, é segurar a água da chuva dentro da propriedade”.
É importante que as áreas de florestas sejam alocadas nos espaços destinados às APP’s (Área de Preservação Permanente), que de acordo com nosso atual Código Florestal (Lei 12651/2012) são os topos de morro (maior que 100 metros de altura e inclinação média maior que 25º), margem de nascentes (com raio mínimo de 50 metros), faixa marginal dos rios (variando de tamanho de acordo com a largura do rio), encostas ou partes destas (declividade superior a 45º). Outro local muito importante para o reflorestamento são as áreas de recarga das nascentes, que vão abastecer os lençóis freáticos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Panorama nacional da produção de pêssego

Leo Rufato leo.rufato@udesc.br Aike Anneliese Kretzschmar Professores da Universidade do Estado de Santa Catarina " Lages Pricila Santos da Silva Doutoranda em Produção Vegetal - Universidade do Estado de...

Fertilizantes organominerais para uso em fertirrigação

Ricardo Muñoz da Silva Engenheiro agrônomo, doutor e diretor técnico " Rhal Ciência e Tecnologia ricardo@rhal.com.br A disponibilização lenta dos nutrientes no solo e o maior efeito...

Mulching plástico – A evolução da horticultura

  Flavio Akira Tamaoki Engenheiro agrônomo da Isaflora e representante Electroplastic em Biritiba Mirim e região Pode-se considerar que a consolidação do emprego do mulching plástico na...

Mudas de tomate germinam melhor com os ácidos húmicos

  Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!