27.1 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiAção dos fisioativadores na banana

Ação dos fisioativadores na banana

Leandro José Grava de Godoy

Doutor e professor de Fertilidade do Solo, Nutrição e Adubação de Plantas – Unesp – Registro

legodoy@registro.unesp.br

Crédito Luize Hess

Os fisioativadores são fertilizantes que contêm aditivos que desempenham papel de bioestimulantes nas plantas. Na maioria das áreas de cultivo da bananeira, no Brasil, a produtividade média ainda é baixa, muitas vezes devido ao manejo inadequado e a uma série de estresses abióticos (déficit hídrico, temperaturas muito baixas ou muito altas, solos saturados com água ou compactados, alto teor de alumínio, etc.) e bióticos (sigatoka, mal-do-panamá, nematoides, etc.) pela qual a bananeira passa.

Nesta cultura é importante a produção de um cacho pesado, que eleva a produtividade, mas também que forneça pencas de alta qualidade, com bom comprimento e diâmetro, coloração adequada, sem manchas e maior vida útil de prateleira. Além disso, o menor tempo de produção de cada cacho é fundamental para aumentar o rendimento da área.

 

Ação dos fisioativadores no cultivo de banana

 

Há vários modos de ação dos fisioativadores na cultura da bananeira, dependendo do tipo de bioestimulante utilizado no fertilizante. Os principais efeitos são: adiantamento do lançamento dos cachos e, consequentemente, da colheita, aumento do sistema radicular, aumento na tolerância aos estresses abióticos, como frio e déficit hídrico, e aumento na produtividade.

Na cultura da bananeira há três principais modos de aplicação dos fisioativadores: pulverização via foliar (aérea, pulverizador canhão ou atomizador costal), via drench ou aplicação direta no cacho.

É importante que os fisioativadores sejam aplicados durante o ciclo da cultura, geralmente de duas a quatro aplicações, para que haja um resultado satisfatório.

 

Cuidados necessários

Crédito Shutterstock

Como os fisioativadores são fertilizantes, estes possuem nutrientes, e devem ser respeitados os limites de concentração para aplicação foliar, dependendo das características do produto.

Além disso, cada produto tem um princípio ativo, que muitas vezes tem efeitos semelhantes aos dos hormônios nas plantas. Assim, deve-se ter muito cuidado com as doses aplicadas. Doses elevadas podem levar à redução no crescimento da bananeira ou crescimento desordenado de frutos.

Um detalhe importante é sempre verificar o pH da calda após a mistura dos fisioativadores. Alguns fisioativadores têm pH acima de 10, enquanto outros têm pH abaixo de 4. A mistura destes pode ser inadequada, assim como o pH da calda pode reduzir a eficiência de ação do fisioativador.

Na aplicação aérea ou com atomizador costal deve-se atentar para que, no momento da aplicação, a umidade do ar esteja maior que 50% (mas não deve estar muito alta, porexemplo, com presença de orvalho nas folhas), a temperatura do ar menor que 30ºC e a velocidade do vento menor que 10 km h-1.

Quando aplicado via drench, é importante que o solo esteja úmido e o local de aplicação deve ser direcionado para a região de maior concentração de raízes, que normalmente deve coincidir com o local de adubação.

Na aplicação direta no cacho, deve-se atentar para o momento da aplicação, e esta deve ser realizada logo após o lançamento do cacho, e a segunda em 10 a 15 dias, no máximo, após a primeira aplicação, antes do ensacamento do cacho (quando é utilizada esta técnica).

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

 

Ou assine

ARTIGOS RELACIONADOS

Cross Link se orgulha por lançar seu novo fungicida Difcor 250 EC

Há mais de 10 anos a Cross Link participa da Hortitec, uma oportunidade que Rogerio Gabriel, diretor da empresa, vê como fundamental para encontrar...

Apex lança produtos direcionados para hortifrúti

  Esse é o quinto ano que a Apex participa da Hortitec. “Nos três primeiros anos participamos junto ao nosso distribuidor, a Agrototal, de Holambra,...

Fomento à irrigação é destaque

Um dos temas mais discutidos no último ano no setor agropecuário gaúcho, a irrigação foi destaque nesta terça-feira, 9 de fevereiro, na 31ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas.

Resultados da adubação potássica + extrato de algas em rúcula

Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!