Adubação líquida em pimentas é novidade

0
578
Crédito: Shutterstock

Liliane Marques de Sousa
Engenheira agrônoma e mestranda em Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa (UFV)
liliane.engenheira007@gmail.com
Walleska Silva Torsian
Engenheira agrônoma e doutoranda em Fitotecnia – ESALQ/USP
walleskatorsian@usp.br
Alasse Oliveira da Silva
Engenheiro agrônomo e mestrando em Fitotecnia – ESALQ/USP
alasse.oliveira77@usp.br

As pimentas fazem parte da riqueza cultural do Brasil, destacando como patrimônio da nossa biodiversidade. Podem e são cultivadas em todo território brasileiro em diversos tamanhos, cores, sabores e também picância, característica mais marcante das pimentas.
Existem diversas variedades de pimenta, “dedo-de-moça”, “cumari”, “biquinho”, “bode”, “de cheiro”, “malagueta”, “jalapeño”, entre outras inúmeras cultivadas no Brasil, todas parentes do pimentão.

Mercado

O agronegócio das pimentas é muito importante e se destacam segmentos desde fábricas artesanais de conservas até a exportação por empresas multinacionais. Devido à grande mídia pela sua grande versatilidade alimentícia e propriedades medicinais, as pimentas vêm ganhando cada vez mais espaço no mercado.
O destaque maior das pimentas é justamente a pungência (“ardência e/ou picância”) que possuem, devido à presença da substância “capsaicina”, que também é utilizada para aliviar dores musculares, por exemplo.
A produção de pimentas ocorre em todo o Brasil e é um dos melhores exemplos de cultivo praticados pela agricultura familiar. Atualmente, a área de cultivo é de dois mil hectares, sendo os Estados de Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Ceará e Rio Grande do Sul os maiores produtores de pimenta do Brasil. O mercado movimenta cerca de R$ 80 milhões por ano com a produção de pimentas.

Características

As pimentas pertencem ao gênero Capsicum e a família Solanaceae que tem como representantes, o tomate, a batata, o pimentão, a berinjela e o jiló. O centro de origem do gênero Capsicum é no continente americano.
A altura e o crescimento das plantas variam de acordo com as espécies e as condições de cultivo. O sistema radicular é do tipo pivotante com várias ramificações laterais que podem chegar até 120 centímetros de profundidade.
As folhas possuem tamanho, formato e coloração variáveis. As flores são hermafroditas, com a presença de cálices, sépalas e corolas. Para identificar as espécies, é comum os taxonomistas fazerem a identificação das flores.
As espécies são autógamas, ou seja, o pólen e o óvulo que é fecundado pertencem à mesma flor, facilitando a reprodução, porém, em alguns casos, poderá ocorrer a polinização cruzada pela ação dos insetos polinizadores.

Diversidade

O fruto da pimenta é classificado como baga, com estrutura oca, semelhante a uma cápsula. A diversidade das pimentas é caracterizada pelos frutos, que apresentam diferentes formas, colorações, tamanhos e pungências.
A pungência, exclusiva desse gênero, é caracterizada pela presença da capsaicina, que é um alcaloide que está alocada na placenta que fica na superfície do fruto, quando o fruto sofre determinado dano físico, esse alcaloide é liberado e pode ser medido em Unidades de Calor Scoville (Scoville Heat Units-SHU), o valor pode variar de zero (pimentas doces) até 300.000 (pimentas muito picantes).
A coloração dos frutos pode variar entre vermelho, amarelo-leitoso, amarelo-forte, roxo, preto, verde, salmão, entre outras. E o formato pode ser arredondado, triangular, cônico, quadrado, retangular, entre outros.
A pimenta é uma planta que exige calor, bastante sensível a baixas temperaturas e não tolera geadas, logo, seu cultivo é mais recomendado em regiões com altas temperaturas, onde favorece a germinação, o desenvolvimento e a produção de frutos. As temperaturas ideais para cultivo variam entre 21 e 30°C.
Baixas temperaturas inviabilizam a produção, causando queda de flores e frutos. Altas temperaturas causam mal desenvolvimento dos frutos, que é a parte comercial. O cultivo protegido para pimentas é utilizado em locais onde as condições climáticas não contribuem para o desenvolvimento das pimentas, podendo proteger as plantas da intensidade de chuvas e da velocidade dos ventos.

Plantio

O solo para cultivo de pimenta deve ser profundo, leve e bem drenado, com pH entre 5,5 e 6,5. É recomendado que sejam evitadas áreas onde houve cultivos prolongados de outras solanáceas como batata, tomate, berinjela e também cultivos de cucurbitáceas como abóbora, melão e pepino.
O plantio mais indicado é o cultivo anterior de soja, feijão, milho, arroz e trigo. Deve-se fazer o preparo da área de acordo com as necessidades do solo, e contar com a presença de um engenheiro agrônomo responsável para recomendar técnica de calagem, gessagem, adubação, se possível.
O plantio das pimentas pode ser feito em canteiros, mas o mais recomendado é o cultivo em sulcos, com 100 cm de largura e 25 cm de profundidade. A distância entre os sulcos deve ser de 80 cm com declividade de 0,5% para facilitar o escoamento da água da irrigação.

Adubação

A necessidade de adubação das pimenteiras varia de acordo com a análise química do solo e a recomendação do engenheiro agrônomo responsável. No geral, aplica-se calcário para elevar a saturação de bases, cerca de três meses antes do plantio.
Os fertilizantes devem ser aplicados no sulco ou no canteiro, com o bom revolvimento do solo para a boa incorporação. Os produtores utilizam adubação nitrogenada e adubação orgânica, principalmente cerca de 10 dias antes do transplante das mudas de pimenta.
É recomendado utilizar 20 t/ha de esterco bovino ou 5,0 t/ha de esterco de galinha. Para as fases de crescimento e frutificação, a adubação deve ser realizada em intervalos de 30 dias.

Fertilizantes líquidos

Os fertilizantes líquidos são conhecidos e utilizados no mundo desde 1840, onde começou a comercialização na Irlanda. No Brasil, no século XIX, o chorume era aplicado no solo, porém, foi apenas na década de 1960 que começou a comercialização de mistura sólida e líquida para aplicações foliares.
Os fertilizantes líquidos, também chamados de fertilizantes fluidos, têm a vantagem de serem mais concentrados, conseguirem agregar mais nutrientes e poderem ser aplicados juntamente com a irrigação, chamada de fertirrigação.
Basicamente conhecido como um adubo que contém organismos e macro e micronutrientes que melhoram a saúde das plantas, deixando mais resistentes ao ataque de doenças e pragas que acometem diversas culturas.

Vantagens

Os fertilizantes líquidos apresentam mais vantagens, como menor custo de mão de obra, a aplicação no solo é uniforme, menor segregação de nutrientes, maior rendimento operacional, menor custo de produção, menor impacto ambiental, permitindo a produção de alimentos mais saudáveis, fortalece as plantas, melhora a produtividade das culturas, a fertilidade dos solos e é uma fonte alternativa de renda.
A aplicação desses fertilizantes no Brasil é comumente utilizada para culturas como cana-de-açúcar, hortaliças e frutíferas.

Recomendações

Basicamente, para preparação de uma adubação líquida, é necessário um recipiente com tampa, o tamanho irá depender da quantidade de fertilizantes que o produtor quer produzir. O recipiente deverá ser colocado em área externa, ventilada e com sombra. O sombreamento é responsável por contribuir com a qualidade do produto final e a ventilação atua na liberação dos gases presentes.
Alguns materiais podem ser utilizados para produção de adubos líquidos, como a borra de café, restos de frutas, verduras e legumes, melaço e caldo de cana, esterco fresco e cinzas de restos vegetais. Todos esses materiais contribuem para o fornecimento de nitrogênio e nutrientes, ajudam no desenvolvimento das bactérias, redução de pragas e doenças e fornecimento de potássio, cálcio e micronutrientes.
Para reaproveitar os resíduos, deve-se colocar os mesmos no recipiente com tampa com entrada de ar (sistema aeróbico), após isso, deve completar com água e deixar 10 cm de espaço entre a tampa.
É recomendado mexer por 10 minutos a cada três dias e permanecer tampado por cerca de 90 dias. Após o procedimento, o adubo líquido estará pronto para aplicação com a formação de um caldo escuro. Se aparecer mau cheiro ou moscas, é recomendado acrescentar palha no solo após a aplicação do adubo na planta.
A dose de adubo líquido favorece maior produtividade de pimentas, com maior número de frutos por plantas, o que aumentou a produtividade das pimenteiras, devido à liberação de nutrientes de forma gradativa com a aplicação de adubos líquidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!