27.1 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosAlgumas cultivares de café são mais exigentes

Algumas cultivares de café são mais exigentes

Autor

Jean dos Santos Silva Engenheiro agrônomo, mestrando em Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)santos.jean96@yahoo.com.br

Café – Crédito: Shutterstock

O magnésio (Mg) é um macronutriente, e dentre suas funções é constituinte central da molécula de clorofila, sendo de suma importância para a fotossíntese. Além disso tem papel importante na absorção de fósforo (P) pela planta.

Ele é absorvido na forma Mg2+ pelas raízes, principalmente por interceptação radicular e fluxo de massa. O sintoma de sua deficiência se apresenta na forma de clorose internerval em folhas mais velhas, sendo mais comum na época de granação dos frutos.

A faixa crítica do teor foliar de Mg está entre 3,5 a 5,0 g/kg. Já em uma análise de solo é de 0,9 a 1,1 cmolc/dm3. Todavia, deve-se atentar aos níveis de cálcio (Ca) e potássio (K), que podem inibir a absorção de Mg pelas raízes do cafeeiro por competição.

No caso, a proporção de Ca:Mg:K no solo deve seguir 9:3:1. O desequilíbrio dessa proporção por parte de excessos na adubação com potássio é um dos principais problemas que causam deficiência de magnésio nos cafeeiros, devido ao uso desmedido dos formulados NPK 20-00-20 ou 20-05-20 por parte dos produtores, o que eleva o nível de potássio no solo ao longo dos anos, causando deficiência de magnésio por inibição competitiva.

Cultivares x magnésio

A eficiência de absorção e uso de magnésio por cultivares de cafeeiro irá depender do metabolismo específico de cada uma. Um exemplo são cultivares que apresentam maior potencial produtivo – estas são mais exigentes não somente em magnésio, mas também nos demais nutrientes.

Na literatura, é possível encontrar estudos relacionados à produção de mudas de cafeeiro, e algumas relações sobre a diferença por exigência em magnésio de cultivares em produção. Silva, D. M. et al. (2014) em estudos sobre a deficiência de magnésio em mudas de Coffea arabica L. demonstraram que a cultivar Catuaí foi mais sensível à falta do nutriente em relação à cultivar Acaiá.

No entanto, para cafeeiros em produção, essa tendência se inverte, sendo cultivares mais precoces e de porte alto como Acaiá e Mundo Novo mais sensíveis à deficiência de magnésio em relação a cultivares mais tardias e de porte baixo, como Catuaí.

Manzatto, H. R. H et al. (2003) explica esse comportamento se deve ao fato de cultivares mais tardias terem sua concentração do nutriente no fruto aumentada gradativamente, permitindo que a planta não necessite de maior quantidade de magnésio em um curto espaço de tempo, como acontece nas cultivares precoces. 

[rml_read_more]

Neto, J.D. et al. (2014) evidenciou em estudo que mudas de Coffea canephora das variedades Emcapa 8141 e Conillon M.1. são menos eficientes em absorção de Mg em relação à variedade Apoatã e às cultivares de C. arabica: Oeiras, Mundo Novo e Catuaí.

Matiello, J. B. (2020) cita que cultivares de C. arabica que são originadas de cruzamentos com híbridos de C. canephora, que é o caso da cultivar Icatu, são mais exigentes em magnésio, por exemplo cultivares do grupo Catucaí (Icatu x Catuaí).

Como corrigir o magnésio no solo

A necessidade de magnésio no cafeeiro pode ser suprida pela calagem, no entanto, o tipo de calcário deve ser adequado à análise de solo. Quando a correção por meio da calagem não é suficiente, outras fontes sugeridas são o sulfato de magnésio (9% de Mg) e o óxido de magnésio (45 a 54% de Mg), sendo esse último de baixa solubilidade.

Apesar desses detalhes em relação a diferentes cultivares e esse nutriente, a sensibilidade à falta de magnésio não irá causar problemas se o solo do cafeeiro estiver com a fertilidade bem construída. Por isso, é indispensável a orientação de um engenheiro agrônomo, que com o uso de ferramentas como análise de solo e análise foliar irá orientar  no fornecimento adequado do nutriente ao solo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cooperativa bate recorde de exportação de café

A safra ainda não terminou, mas a Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado (Expocacer) já atinge um aumento de 20%.

Satis foca na pesquisa e divulga seu portfólio para Manejo na Cultura do Café

A Satis participou pela oitava vez consecutiva do Congresso do Café e destacou seu programa completo para a cafeicultura, tanto na parte de nutrição...

Novo modelo de produção de arroz com técnica de gotejamento se torna alternativa econômica e sustentável

  Por Carlos Sanches, Engenheiro Agrônomo e Gerente Agronômico da Netafim.   O ano de 2015 começou com algumas perspectivas positivas no setor do agronegócio nacional, enquanto que...

Adubação verde – A nutrição equilibrada que seu cafezal merece

Júlio César Dias Chaves Pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná " IAPAR e Bolsista do Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café " CBP&D-Café jchaves@iapar.br Denilson...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!