17.6 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasAlta dos defensivos agrícolas exige maior atenção nas aplicações e nos custos...

Alta dos defensivos agrícolas exige maior atenção nas aplicações e nos custos de produção

Divulgação

Eficiência no campo é sinônimo de trabalho realizado com sucesso e com baixo custo. Sendo assim, a busca por produtos eficientes, que ofereçam respostas satisfatórias, é um dos maiores desafios do produtor rural. Neste cenário, o alto preço dos defensivos agrícolas exige dos produtores e técnicos uma compensação através da melhoria da eficiência nas aplicações, reduzindo perdas e, consequentemente, a necessidade de reaplicação de insumos com alto custo. Para se ter uma ideia, um dos principais problemas relacionados à pulverização é a deriva, que é o desvio da trajetória das gotas da direção do alvo e ocorre quando a tecnologia de aplicação não é bem empregada na lavoura. Ela pode ser responsável por até 45% de perdas na aplicação de defensivos agrícolas, conforme aponta estudo da Cotrisoja, além de atingir áreas fora das lavouras, inclusive trazendo contaminação do meio ambiente.

 Com o objetivo de reduzir esse tipo de perda, a escolha do adjuvante agrícola a ser utilizado nas pulverizações faz toda a diferença. É o que aponta o resultado de um estudo conduzido pela FAPA – Fundação Agrária de Pesquisas Agropecuárias, de Guarapuava/PR, por meio dos pesquisadores Rodrigo Ferreira, Rone Batista de Oliveira, Erik Henrique Novak e Leandro José dos Santos.

O estudo concluiu que os adjuvantes são grandes aliados do produtor rural quando associados à escolha correta da ponta de pulverização e o ajuste da pressão de trabalho, reduzindo assim o desvio da trajetória da gota e melhorando a eficácia das aplicações. Durante as análises, sete adjuvantes agrícolas foram testados com a aplicação em calda contendo glifosato, herbicida mais utilizado no Brasil e que registrou um aumento de preços entre 70 e 126% entre agosto de 2022 e o mesmo período de 2021, de acordo com dados da CONAB. O pesquisador Rodrigo Ferreira explica que, por serem produtos inertes, quando adicionados à calda de pulverização os adjuvantes tendem a aumentar a eficiência dos ingredientes ativos, sejam eles inseticidas, herbicidas ou fungicidas. “Assim como aumentar a performance das aplicações, reduzindo as perdas durante o processo de pulverização e maximizando os efeitos dos produtos fitossanitários aplicados”, pontua. Com a redução das perdas e aumento da eficiência no controle, o intervalo entre aplicações pode ser ampliado, reduzindo a necessidade de reaplicações frequentes e, como consequência, os custos de produção e impacto ao meio ambiente.

O estudo da FAPA apontou ainda que a combinação dos adjuvantes GRAP Super Gun + GRAP D-LIM, que compõem o kit PULVEREASY, da multinacional brasileira Agrocete, apresentou as melhores performances de redução de deriva em relação a outros cinco adjuvantes concorrentes, praticamente zerando a ocorrência de deriva nas aplicações. A combinação aumentou a performance das pulverizações também quando comparado ao Super Gun isolado, reforçando a importância de associar tecnologias diferentes para se obter os melhores resultados.

Divulgação

O estudo concluiu que é inegável a importância do uso de adjuvantes para melhorar a eficiência das aplicações de insumos agrícolas, aumentar a produtividade e reduzir os riscos de danos ao meio ambiente. As diferenças entre os adjuvantes observadas no estudo científico conduzido pela FAPA reforçam a importância dos técnicos e produtores buscarem tecnologias testadas e aprovadas cientificamente, em especial estudos feitos por instituições reconhecidas e realizados em situações reais, similares às vivenciadas pelos agricultores.

Andrea de Figueiredo Giroldo, diretora de Marketing e Desenvolvimento Técnico da Agrocete, enfatiza que grande parte do sucesso brasileiro no campo está associada ao investimento em tecnologia, que melhorou o manejo das culturas e trouxe um importante aumento na produtividade. “Por isso o investimento em novas tecnologias, tanto por parte do produtor quanto dos fornecedores, deve ser constante para que tenhamos uma agricultura sustentável, segura e produtiva”, reforça.

Importante destacar que, ao longo das últimas quatro décadas, o agronegócio brasileiro apresentou um expressivo crescimento e em grande medida, ligado à implementação de novas práticas no campo e à introdução de novos insumos. “Simultaneamente a Agrocete veio investindo em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, que tornaram a empresa uma das mais longevas e expressivas no segmento de nutrição vegetal especial”, afirma Andrea. Segundo a diretora da empresa sediada em Ponta Grossa (PR), berço do plantio direto na palha no Brasil, o foco é valorizar as parcerias com instituições oficiais de pesquisa, o que permite que a companhia ao mesmo tempo capte da pesquisa ideias para o desenvolvimento de novas tecnologias e valide cientificamente suas próprias soluções, levando mais rapidamente para o campo produtos inovadores e eficientes para a realidade da agricultura brasileira. Outro foco é a busca de processos e produtos cada vez mais sustentáveis, hoje toda a linha de adjuvantes da Agrocete tem certificação de biodegradabilidade e a empresa tem certificação ISO14001, reforçando nossa responsabilidade para melhor qualidade de vida.

ARTIGOS RELACIONADOS

Produção de tomate em hidroponia

No sistema hidropônico, a média de produtividade pode saltar de 70 toneladas para 130 toneladas por hectare.

Consumo de café supera produção

A produção de café em nível mundial prevista para o ano-cafeeiro 2019-2020 está estimada em ...

Lichia: Bom investimento

A lichia (Litchi chinensis) é uma fruta de origem chinesa, adaptada a climas subtropicais.

A industrialização como fortalecimento

Uma tradição familiar com mais de 50 anos na produção de café. A família de Brainne ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!