27.1 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasAumentam os focos de Oídio nas lavouras do Sul

Aumentam os focos de Oídio nas lavouras do Sul

Fotos: Divulgação Biotrigo Genética

Ataque do fungo foi causado pelo tempo seco nas primeiras semanas de julho. Monitoramento constante é fundamental para proteger as lavouras de trigo
 
O clima ameno e seco registrado na região Sul do Brasil traz um alerta para os produtores de trigo pois já existem registros da ocorrência de Oídio nas lavouras. O ataque do fungo acontece especialmente nas lavouras do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e nas regiões Sudoeste, Campos Gerais e Central do Paraná.

Segundo o engenheiro agrônomo da Biotrigo Genética, Everton Garcia, a doença é causada por um fungo (Blumeria graminis f.sp. tritici) que desenvolve um mofo esbranquiçado sobre folhas e colmos e leva uma vantagem em relação as outras doenças nestas condições climáticas, pois o fungo não precisa de molhamento foliar para causar a infecção e colonização. 

Everton explica ainda que o vento é o principal agente de disseminação da doença, que ao atingirem a planta de trigo, conseguem germinar, infectar e colonizar o tecido foliar. Por isso, ele ressalta a importância do monitoramento. “Nesse momento, mesmo com o bom desenvolvimento da cultura nesta safra, o ambiente tem sido favorável para a infecção do fungo. Tivemos clima mais seco e com temperaturas mais altas, entre 15 e 22°C. Por isso, é preciso monitorar as lavouras para não perder o controle nessas primeiras áreas que podem gerar grande quantidade de inóculo para outras lavouras”, alerta Everton.

Manejo
A alternativa para reduzir os impactos da doença é realizar a aplicação de fungicidas, porém o agrônomo ressalta que em lavouras que o fungo infectou a planta na fase de alongamento, a aplicação já não se torna tão eficiente. “Na medida que a planta cresce, a cobertura da pulverização se torna mais difícil na região do colmo e na base da planta, mantendo o inóculo do Oídio”, explica. Nestes casos, é importante estar atento a intensidade da doença e realizar a aplicação de fungicidas antes do fechamento das entrelinhas da lavoura para uma adequada eficiência de controle e manutenção do potencial produtivo da cultivar. Nos casos em que a fase está mais adiantada, é importante estar atento ao volume de calda utilizado na pulverização, para que se tenha uma melhor cobertura. Outra medida que pode ser realizada de forma preventiva é a escolha de cultivares resistentes tendo no tratamento de sementes uma ação preventiva e importante para cultivares mais sensíveis.

ARTIGOS RELACIONADOS

Quais os métodos eficazes contra a mosca-branca?

Autores Anderson Gonçalves da Silva Doutor e professor da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), campus Paragominas (PA) e coordenador do Grupo de Estudos...

Setor triticultor paulista se reúne para debater as projeções do grão no Estado

A cidade de Capão Bonito (SP) recebe, no dia 08 de agosto, representantes de diferentes elos da cadeia do trigo paulista para debater e analisar as projeções para o grão no estado. A reunião será realizada no Polo Regional Sudoeste Paulista, às 9 horas.

Safeners e o impacto na agricultura

Autores Samara Moreira Perissato Engenheira agrônoma, mestre e doutoranda em Agronomia/Agricultura – UNESP - Botucatu samaraperissato@gmail.com Leandro Bianchi leandro_bianchii@hotmail.com Roque de Carvalho Dias roquediasagro@gmail.com...

Técnicas para aplicação do glyphosate em eucalipto

    Lino Roberto Ferreira Professor Titular do Departamento de Fitotecnia da UFV lroberto@ufv.br O uso de herbicida em áreas florestais vem se tornando muito comum pelas suas características...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!