12.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosBioativadores à base de algas: alternativa para adversidades climáticas

Bioativadores à base de algas: alternativa para adversidades climáticas

Descubra como esses produtos melhoram a produtividade e resistência das plantas em face de mudanças climáticas extremas

Foto: Shutterstock

Silvia Graciele Hülse de Souza
silvia.hulse@gmail.com 
Thiago Alberto Ortiz
thiago.ortiz@prof.unipar.br
Franciely S. Ponce
francielyponce@gmail.com
Engenheiros agrônomos, doutores em Agronomia e professores – UNIPAR (campus Umuarama-PR)

O fenômeno climático El Niño tem sido um dos protagonistas nos últimos meses, deixando sua marca em diversas regiões do país. Ondas de calor extremo têm varrido o território nacional brasileiro, trazendo consigo um desafio sem precedentes para agricultores e comunidades rurais.

Previsões meteorológicas indicam que esse cenário adverso pode persistir até meados de abril, elevando ainda mais a preocupação em relação aos impactos na produção agrícola.

Em paralelo, em outras localidades, o excesso de chuvas tem se mostrado igualmente prejudicial para os agricultores. Inundações, encharcamento do solo e o surgimento de doenças fúngicas são apenas algumas das consequências desse padrão climático adverso.

Essa combinação de eventos extremos tem afetado diretamente a produção agrícola, comprometendo não apenas os rendimentos das safras, mas também a segurança alimentar das comunidades.

Os bioativadores

Diante desse contexto desafiador, surge uma alternativa promissora: os bioativadores, que são amplamente utilizados na agricultura para mitigar as condições ambientais adversas, além de melhorar a produtividade e qualidade da das culturas.

Diferentes tipos de bioativadores incluem inoculantes microbianos, substâncias húmicas como ácidos húmicos e fúlvicos, hidrolisados de proteínas ou aminoácidos, biopolímeros, compostos inorgânicos e extratos de algas.

Os extratos de algas marinhas são proeminentes no mercado de bioativadores, representando a categoria de produtos bioativadores que mais cresce. É importante reconhecer que os bioativadores de extrato de algas marinhas não constituem uma categoria homogênea de produtos.

LEIA TAMBÉM:

Ação das algas

Os bioativadores de extrato de algas marinhas variam dependendo da espécie de alga marinha usada para fabricação (por exemplo, marrom, verde ou vermelha), da fonte espaço-temporal da matéria-prima da alga marinha e do processo usado para fabricação/extração.

A maioria dos extratos comerciais de algas marinhas com efeitos bioativadores são fabricados com espécies de algas marrons, sendo Ascophyllum nodosum a espécie dominante devido à sua longa história de resultados positivos no aumento da produtividade das culturas.

O extrato de algas marinhas A. nodosum tem potencial para melhorar o crescimento, o rendimento e a qualidade das plantas, pois contém reguladores de crescimento como auxinas, citocininas, giberelinas, betaínas, manitol, ácidos orgânicos, polissacarídeos, aminoácidos e proteínas.

Os florotaninos são compostos polifenólicos únicos encontrados apenas em algumas algas marrons e não em plantas terrestres. A. nodosum é uma das fontes mais significativas de florotaninos, além de possuir biopolímeros bioativos, incluindo alginatos, fucoidan e laminarina, bem como componentes bioativos não polissacarídeos, como polifenóis.

Adicionalmente, oligoelementos como ferro (Fe), cobre (Cu), zinco (Zn), cobalto (Co), molibdênio (Mo), manganês (Mn) e níquel (Ni), bem como vitaminas, e aminoácidos, também são encontrados nos extratos de algas marinhas.

O extrato de algas marinhas influencia ativamente o metabolismo celular das plantas, e sua aplicação tem sido usada para aumentar a absorção de macro e micronutrientes essenciais do solo e para melhorar a resistência das plantas a pragas, doenças e estresses.

Mitigação de efeitos climáticos

Resultados promissores desses produtos estão na mitigação dos efeitos devido às mudanças climáticas. O estresse ambiental causa a produção de espécies reativas de oxigênio (EROs), que danificam as estruturas de proteínas, lipídios, carboidratos e DNA, prejudicando o crescimento e desenvolvimento das plantas.

Nesse sentido, os produtos à base de A. nodosum demonstram potencial para atenuar o estresse em plantas devido à presença de betaínas e manitol, componentes encontrados nessas algas marinhas.

Foto: Shutterstock

Tais substâncias agem como solutos osmóticos compatíveis em situações estressantes. Além disso, a aplicação desses produtos demonstrou aliviar o estresse hídrico em plantas em crescimento, resultando em uma melhora na condutância estomática e na eficiência no uso da água.

Estudos mostram que plantas tratadas com o extrato de algas de A. nodosum exibiram maior tolerância ao estresse salino e térmico, acompanhada de uma série de alterações na expressão gênica e na atividade enzimática antioxidante.

Esses efeitos benéficos se estendem a diversas culturas, incluindo olerícolas, gramíneas, plantas ornamentais e grãos, evidenciando o potencial dos extratos de algas marinhas como uma ferramenta valiosa para promover o crescimento e a resistência das plantas em condições adversas.

Como funciona

Um exemplo do efeito mitigador dessa alga pode ser observado na figura 1. Esse experimento mostrou que, quando aplicado o extrato de algas A. nodosum em plantas de soja durante o déficit hídrico de cinco dias, houve uma notável capacidade de manter o turgor e resistir ao estresse ambiental em comparação com as plantas controle (Figura 1 – e, f).

Após 24 horas de exposição ao estresse, as plantas tratadas apresentaram um turgor ligeiramente superior ao das plantas controle, evidenciando a eficácia do tratamento (Figura 1 – a, b).

Além disso, após a rega no quinto dia, as plantas tratadas se recuperaram rapidamente, enquanto as plantas do controle permaneceram murchas, indicando um efeito positivo e consistente do extrato de algas dessa espécie (Figura 1 – e, f).

ARTIGOS RELACIONADOS

Algas melhoram floração e pegamento dos frutos

O cultivo de limão vem ocupando um espaço a cada ano maior, na citricultura.

Campeões de produtividade de soja dão dicas para altas produtividades

A produção brasileira de soja deve alcançar recorde de 133,5 milhões de toneladas na safra 2020/21 e crescer 4,4% em produtidade de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Reduzir riscos no agronegócio

Apesar do agronegócio ser o combustível da economia brasileira, não dá para negar ...

Algas marinhas e aminoácidos: Ação e reação nas florestas

As raízes são fundamentais no desenvolvimento e na produtividade de qualquer espécie vegetal. As raízes ancoram as plantas ao meio e respondem pela absorção de água e nutrientes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!