14.9 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesBrasil pode liderar economia de baixo carbono da Amazônia para o mundo

Brasil pode liderar economia de baixo carbono da Amazônia para o mundo

Créditos Pixabay

Nos próximos 8 anos, o Brasil pode se tornar a primeira grande economia – de média ou alta renda – a alcançar a neutralidade de carbono  e ao mesmo tempo acelerar o seu crescimento econômico em $100 a $150 bilhões de dólares anuais ao PIB adicionais ao ritmo de crescimento atual (2,5%/ano). O potencial de mitigação de emissões de carbono equivalente (CO2e) é de 1,3 giga tonelada até 2030. Com isso, o país será um exemplo concreto ao mundo de prosperidade econômica sustentável para as próximas décadas, modelo que pode inspirar todo o Sul Global. É o que diz o relatório apresentado nesta quarta-feira na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas – a COP27, no Egito, ao lado de Carlos Nobre, Ilona Szabó e Vanda Witoto.

Chamado “The Amazon’s Marathon: Brazil to lead a low-carbon economy from the Amazon to the world”, o documento é um plano de desenvolvimento econômico que apresenta análises robustas sobre o potencial da região ao calcular a oportunidade financeira por trás das estratégias de mitigação de emissões de gases efeito estufa (GEE) e destaca projetos escaláveis que promovem uma nova abordagem baseada na natureza, centrada em pessoas e positiva para o meio ambiente.

O estudo reúne um rico e extenso corpo de pesquisas e análises desenvolvidas por instituições, organizações e especialistas que são referências globais sobre o papel da Amazônia na mitigação da crise climática, como o climatologista Carlos Nobre, a empreendedora cívica Ilona Szabó, presidente e cofundadora do Instituto Igarapé, e o professor especialista em desenvolvimento sustentável Virgílio Viana, fundador da Fundação Amazônia Sustentável (FAS). Diversos outros cientistas, líderes empresariais, públicos e do setor social, povos indígenas, comunidades locais da Amazônia também generosamente contribuíram com o relatório.

Segundo os cálculos, o Brasil pode mitigar 1,3 Gton de carbono até 2030, quantidade superior à sua própria pegada atual de carbono, e contribuir com cerca de 1,9 Gton em excedente de carbono para o resto do mundo até 2050.

O Brasil transformar o modelo econômico ineficiente no uso dos recursos naturais em um modelo baseado na natureza, positivo para o clima e centrado em pessoas.

A teoria da mudança do relatório (‘A Maratona Amazônica’) propõe 11 jornadas para o Brasil liderar a Corrida pelo Carbono Zero, Race to Zero, (jornadas I a IV), apoiar a Corrida pela Resiliência, Race to Resilience, para as 28 milhões de pessoas vivendo na Amazônia (jornadas V a VIII) e garantir a infraestrutura e as condições necessárias para ambas (jornadas IX a XI):

Jornadas Race to Zero: US$150 bilhões de valor econômico

1- Valorização da floresta em pé: Redefinir o valor da floresta em pé desenvolvendo uma bioeconomia robusta;

2- Agricultura sustentável: Promover práticas agrícolas positivas para a natureza e para as pessoas;

3- Indústria e energia net zero: Descarbonizar o setor de energia e as grandes indústrias responsáveis por altas emissões

4- Inovação em tecnologia e bioeconomia: Promover tecnologia e inovação para apoiar uma bioeconomia próspera;

Jornadas Race to Resilience: 8 milhões de empregos

5 – Atividades e empregos em tecnologia verde: Desenvolver a mão de obra dos trabalhos para atividades de tecnologia verde no futuro;

6 – Bem-estar: Garantir o bem-estar e a resiliência do povo amazônico, preenchendo a lacuna da desigualdade social;

7 – Prosperidade: Promover a prosperidade fornecendo às comunidades da Amazônia as ferramentas para construir uma bioeconomia próspera;

8 – Sabedoria e cultura ancestral: Resguardar o conhecimento ancestral para alimentar o crescimento social, espiritual e econômico;

Jornadas de Infraestrutura e condições necessárias:  

9 – Estado de Direito: Restabelecer o Estado de Direito e fortalecer as instituições responsáveis;

10 – Estrutura financeira: Desenvolver a infraestrutura financeira para mobilizar capital global para a corrida ao zero e à resiliência;

11 – Sul Global como epicentro para colaboração global: Promover a cooperação dos stakeholders por meio da construção de coalizões, ao mesmo tempo em que posiciona o Sul Global como um sistema e formador de regras;

“Já existem muitas soluções sendo implementadas para impulsionar o crescimento verde do Brasil, e precisamos investir para que elas ganhem escala e impulsionem essa ascensão nos próximos dois anos. O Brasil é a única grande nação que pode construir uma economia mais forte, resiliente e produtiva, ao mesmo tempo em que reduz as emissões até 2030”, alerta Patricia Ellen, co-fundadora da AYA Earth Partners e sócia líder da Systemiq Latam.

Entre os muitos projetos detalhados no documento estão o Corredor Verde da Amazônia, uma parceria de diferentes atores para desenvolver um cinturão verde na fronteira da floresta amazônica para criar clusters e escalar projetos focados na produção sustentável de commodities normalmente associadas ao desmatamento, cacau e café. O relatório propõe também a criação do Instituto Amazônia de Tecnologia, um centro ensino superior público-privado dedicado a promover a bioeconomia florestal sustentável e socialmente inclusiva por meio da educação, ciência, tecnologia e inovação. Outro projeto é trazer a coalizão global Food and Land Use (FOLU) para o Brasil. A iniciativa já está presente em mais de 10 países e atua ao longo de toda a cadeia de valor da produção de alimentos, unindo atores e companhias diversos para buscar melhores técnicas e soluções sobre como são produzidos e como a terra é usada. Adicionalmente, o relatório traz que o desenvolvimento da bioeconomia local pode destravar um mercado – pouco explorado – estimado em US$1,3 trilhão, e gerar cerca de US$ 50 bilhões adicionais para a economia por ano até 2030.

O avanço do Brasil rumo a tornar-se a maior economia verde global vislumbra o potencial de crescimento econômico adicional entre US$ 100-150 bilhões por ano até 2030. “Desenvolvemos esse relatório com o objetivo de engajar diferentes stakeholders de todos os setores da economia e da sociedade na corrida para o net-zero e para a resiliência na Amazônia. Os dados aqui analisados foram elaborados por especialistas de instituições de grande credibilidade e, a partir de seus trabalhos, somamos nossa expertise em análises com abordagem sistêmica, para oferecer para o Brasil uma nova perspectiva e um caminho claro para o futuro”, diz Jeremy Oppenheim, sócio-fundador da Systemiq.

Alterar a trajetória do Brasil para o crescimento verde demandará investimentos em capital industrial e natural entre 35 e 76 bilhões de dólares ao ano adicionais aos níveis projetados, ou um adicional de 2 a 4% frente ao PIB brasileiro (2021).

Esses investimentos têm o potencial de aumentar a produtividade em todos os setores econômicos e abrir novos mercados internacionais, importantes para as exportações brasileiras por exemplo, hidrogênio, pagamento por serviços ambientais e proteína sustentável, gerando um retorno aproximado de 3:1 para a economia. “Realizar a transição requer engajamento e colaboração em todos os setores, no Brasil, no resto do Sul Global e no Norte Global. Cada stakeholder tem seu papel a desempenhar e deve agir de forma efetiva e urgente para aproveitar a oportunidade de fazer do Brasil o maior motor de crescimento verde do mundo”, reforça Alexandre Allard, co-fundador da AYA. “Além disso, a estratégia deve ser guiada por uma abordagem centrada nas pessoas, especialmente para grupos indígenas e comunidades rurais, ribeirinhas e urbanas na Amazônia Legal. Sem avanços nas agendas sociais, não será possível oferecer alternativas duradouras aos impactos ambientais em curso”, completa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mercado de Carbono: Brasil espera se colocar na vanguarda com novo Projeto de Lei

Aprovado pela Câmara Federal no fim de 2023, o PL 2.148/15 está sob análise do Senado, visando criar um Sistema Brasileiro de Comércio de Emissões de Gases de Efeito Estufa    

Nespresso e a redução na pegada de carbono

Com redução na pegada de carbono, um ano de certificação B-Corp e 20 Anos do Programa AAA de Qualidade Sustentável™, marca reforça estratégias que conectam agricultura e sustentabilidade

Projeto avalia níveis de acúmulo de carbono em áreas produtivas do Cerrado da Bahia

Os produtores rurais baianos estão trabalhando na coleta de amostras do solo para determinar os níveis de acúmulo de carbono em áreas produtivas. A...

Mercados de créditos de carbono

O mercado de créditos de carbono veio para ficar e temos muitas frentes de atuação, seja nas energias renováveis, na descarbonização das indústrias e dos transportes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!